Bem-vindos ao espetáculo: sentidos do trabalho para artistas circenses

Autores

  • Scheila Girelli Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó/SC, Brasil
  • Márcia Luiza Pit Dal Magro Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó/SC, Brasil
  • Leticia Werner Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó/SC, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n2p456

Palavras-chave:

Sentidos do trabalho, Artistas, Circo

Resumo

Esta pesquisa buscou compreender os sentidos atribuídos ao trabalho por artistas circenses. A pesquisa seguiu a abordagem qualitativa, de cunho etnográfico. A observação participante e entrevistas semiestruturadas foram as principais ferramentas de busca de informações. Os artistas circenses se identificam com o trabalho que realizam, especialmente pela possibilidade da itinerância e saber profissional produzido na própria convivência, marcada pelo forte vínculo afetivo. As atividades caracterizam-se pela autonomia, criatividade, liberdade para negociar suas necessidades e participar da tomada de decisões. Por outro lado, o trabalho é realizado informalmente, precarizando o acesso e garantia dos direitos trabalhistas e previdenciários. O circo constitui-se como um espaço de convivência social e laboral, não permitindo uma distinção clara entre tempo livre e de trabalho, relações sociais, profissionais e familiares. Este modo de (con)viver permite, apesar das dificuldades, a perspectiva de, pelo trabalho, dar continuidade à “magia do circo”. 

Biografia do Autor

Scheila Girelli, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó/SC, Brasil

Mestre pela UFSC, Professora da Área de Ciências Humanas e Jurídicas, Curso de Psicologia, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó).

Márcia Luiza Pit Dal Magro, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó/SC, Brasil

Doutora. Professora do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Dinâmicas Regionais da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unichapecó).

Leticia Werner, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó/SC, Brasil

Graduada em Psicologia. Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó).

Referências

AGUIAR, S. Redes Sociais na internet: desafios à pesquisa. In. XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Santos/SP: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação . 2007. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2008/resumos/R3-1977-1.pdf . Acesso em: 16 mar. 2017.

AGUIAR, W.M. J.; OZELLA, S. Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia Ciência e Profissão, v.4, n, 12, p. 222-245, 2006.

ALVES , M. A. Setor informal ou trabalho informal? Uma abordagem crítica sobre o conceito de informalidade. Mestrado em Sociologia. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas. São Paulo. 2001. 166f.

BARONI, J. F. Arte Circense: a magia e o encantamento dentro e fora das lonas. Pensa a Prática, v.9, n.1, p. 81-99, 2006.

BOLOGNESI, M. F. O corpo como princípio. Transformação, v. 5, n. 24, p. 101-112, 2001.

BOSCCHETTI, I. Seguridade Social na América Latina. In: BOSCHETTI, I.; et al (Orgs.). Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2008. p. 174-195.

CAMPOS, M. Identidades e Informalidade: um estudo com trabalhadores do setor informal de Florianópolis.

Mestrado em Psicologia. Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.2005. 96f.

CAMARÊS, A. S. ; SILVA, D. O. Cultura Circense, corpo e suas relações com o capitalismo. EFDeportes.com Revista Digital, v.16, n. 160, p. 1-2, 2011. Disponível em: www.efdeportes.com/efd160/cultura-circense-corpo-e-capitalismo.htm. Acesso em: 10 fev.2017.

SOUZA, M. C.Cacciamali Um estudo sobre o setor informal urbano e formas de participação na produção. Doutorado em Economia. Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo. 1982, 163f.

CASTRO, A. V. Elogios da bobagem: palhaços no Brasil e no Mundo. Rio de Janeiro: Editora Família Bastos, 2005.

COSTA, M. M. F. O velho-novo circo: um estudo de sobrevivência organizacional pela preservação de valores institucionais. Mestrado em Administração Pública. Escola Brasileira de Administração Pública, São Paulo.1999. 204f.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE- Revista de Administração de Empresas, v. 35, n.2, p. 57-63, 1995.

GONZÁLEZ REY, F. L. O social na Psicologia e a Psicologia Social: a emergência do sujeito. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

MENDES, R.; CAMPOS, A. C. C. Saúde e segurança no trabalho informal: desafios e oportunidades para a indústria brasileira. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho,v. 2, n.3, p. 209-223, 2004.

OLIVEIRA, J. S.; CAVEDON, N. R. Micro políticas das práticas cotidianas: Etnografando uma organização circense. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 2, p. 156-168, 2013.

PINES JUNIOR, A. R.; et al. O circo moderno: história, inovação e transição social. FiepBulletinOnLine, v. 83, edição especial, p. 1-6, 2013. Disponível em: http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/viewFile/2981/5815 . Acesso em: 15 jan. 2017.

SILVA, E. O circo: suas artes e seus saberes. O circo no Brasil do final do século XIX a meados do século XX. (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo. 1996. 184f.

SILVA, E.; ABREU, L. C. Respeitável público... o circo em cena. Rio de Janeiro: FUNARTE, 2009.

TONI, M. Informalidade. In: CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. (Orgs). Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre. URGS, 2006. p. 157-161.

TORRES, A. O circo no Brasil. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1998.

Downloads

Publicado

2017-12-22

Edição

Seção

Artigos