Família e experiências de parentalidades trans

Mônica Angonese, Mara Coelho de Souza Lago

Resumo


As experiências da população trans (travestis e transexuais) relacionadas à reprodução e à parentalidade são predominantemente invisibilizadas. Este artigo teve como objetivo problematizar a invisibilidade das experiências de parentalidades trans e a noção de família. Foi realizada pesquisa de inspiração etnográfica, utilizando observação participante, diários de campo e entrevistas. Refletiu-se sobre a cisheteronormatividade reprodutiva, a qual cria uma situação que se propôs conceituar como “esterilização simbólica” da população trans, pois reprodução e parentalidades parecem noções impensáveis quando se trata de sujeitos constituídos pela ideia de abjeção. A partir da escuta das pessoas interlocutoras, enfatizou-se a performatividade da parentalidade e o desejo, as práticas de cuidado, o imperativo da maternidade e a problematização da noção de família.


Palavras-chave


Estudos de gênero; Transexualidades; Travestilidades; Parentalidades

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Guilherme. “Homens trans”: novos matizes na aquarela das masculinidades? Revista Estudos Feministas, v. 20, n. 2. Florianópolis, p. 513-523, 2012.

AMÂNCIO, Lígia. O Género no Discurso das Ciências Sociais. Análise Social, XXXVIII (168), p. 687-714, 2003. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1218791078B9rDE5id4Po89MU8.pdf. Acesso em 13 mar. 2014.

ÁVILA, Simone. FTM, transhomem, homem trans, trans, homem: A emergência de transmasculinidades no Brasil contemporâneo. 2014, 243 f. Tese (Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas) – Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2014.

BADINTER, Elizabeth. Um amor conquistado – O mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BENTO, Berenice Alves de Melo. As famílias que habitam “a família”. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 275-283, 2012. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/703/70325252004.pdf. Acesso em 26 mar. 2015.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BUTLER, Judith. Deshacer el género. Barcelona: Paidós, 2006.

BUTLER, Judith. O clamor de Antígona: parentesco entre a vida e a morte. Florianópolis, Editora da UFSC, 2014.

BUTLER, Judith. O parentesco é sempre tido como heterossexual? Cadernos Pagu, n. 21, p. 219-260, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332003000200010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 13 mar 2014.

CARDOZO, Fernanda. Parentesco e Parentalidades de Travestis em Florianópolis. 2006. 123 f. Monografia (Graduação em Ciências Sociais). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2006.

CARDOZO, Fernanda. Sobre afetividades e crianças: notas de um estudo com travestis e suas famílias na cidade de Florianópolis/SC. Boletim Sexualidade, Gênero e Sociedade, ano XII, nº 27, 2006.

CARDOZO, Fernanda. Performatividades de gênero, performatividades de parentesco: notas de um estudo com travestis e suas famílias na cidade de Florianópolis/SC. In: GROSSI, Miriam Pillar; UZIEL, Anna Paula; MELLO, Luiz. (orgs.) Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. p. 233-252.

CARRARA, Sérgio. Políticas e direitos sexuais no Brasil contemporâneo. Bagoas. n.5, p. 131-147, 2010. Disponível em: http://www.cchla.ufrn.br/bagoas/v04n05art08_carrara.pdf. Acesso em: 01 jun. 2014.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. Família, moralidade e religião. In: VELHO, Gilberto; DUARTE, Luiz Fernando Dias (orgs). Gerações, família e sexualidade. Rio de Janeiro, 7 letras, 2009.

FONSECA, Claudia. Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Saúde e sociedade, v. 14, n. 2, 2005. p. 50-59. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902005000200006. Acesso em: 21 dez 2015.

FREITAS, Rafaela Vasconcelos. Homens com T maiúsculo. Processos de identificação e construção do corpo nas transmasculinidades e a transversalidade da internet. 2014. 121 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2014.

GARCIA, Marcos R. V.; WOLF, André G.; OLIVEIRA, Eliane V.; SOUZA, Janaína, T. F.; GONÇALVES, Luana O.; OLIVEIRA, Mariana. “Não podemos falhar”: a busca pela normalidade em famílias homoparentais. In: GROSSI, Miriam Pillar; UZIEL, Anna Paula; MELLO, Luiz. (orgs.) Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. p. 277-299

GUARANHA, Camila. O desafio da equidade e da integralidade: travestilidade e transexualidade no Sistema Único de Saúde. 2014. 145f. Dissertação. (Mestrado em Psicologia Social e Institucional) – Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2014.

KEHL, Maria Rita. Em defesa da família tentacular, 2003. Disponível em: http://www.mariaritakehl.psc.br/resultado.php?id=14. Acesso em 17 maio 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Por que estudar gênero na era dos cyborgs? In: FONSECA, T. M. G. & FRANCISCO, D. J. (org.). Formas de ser e habitar a contemporaneidade. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho – ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

MELLO, LUIZ. Familismo (anti)homossexual e regulação da cidadania no Brasil. Revista Estudos Feministas, v. 14, n. 2, p. 497-508, 2006.

NERY, João W. Viagem solitária: memórias de um transexual 30 anos depois. São Paulo: Leya, 2011.

NOGUEIRA, Conceição. Feminismo e discurso de género na Psicologia Social, 2001. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/4117/1/feminismo%20e%20discurso%20do%20g%C3%A9nero%20na%20psicologia%20social.pdf. Acesso em: 13 mar. 2014.

PEÇANHA, Leonardo Morjan Britto. Ressignificar e empoderar o corpo: homem trans grávido e os desafios da adequação. In: II Seminário Internacional Desfazendo Gênero, Salvador, 2015.

PEÇANHA, Leonardo Morjan Britto. Entrevista a Neto Lucon, 2015a. Disponível em: http://www.nlucon.com/2015/12/homem-trans-e-negro-leonardo-pecanha.html

PELÚCIO, Larissa. Três casamentos e algumas reflexões: notas sobre conjugalidade envolvendo travestis que se prostituem. Revista Estudos Feministas, v. 14, n. 2, p. 522-534, 2006.

PISCITELLI, Adriana. Nas fronteiras do natural: gênero e parentesco. Revista Estudos Feministas. v. 6, n. 2, 1998. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/12010/11296. Acesso em: 23 nov. 2015.

RIOS, R. R. Direitos sexuais de gays, lésbicas e transgêneros no contexto latino-americano, 2007. Disponível em: http://www.clam.org.br/pdf/rogerport.pdf. Acesso em: 05 set. 2014.

SOUZA, Érica Renata de. Papai é homem ou mulher? Questões sobre a parentalidade transgênero no Canadá e a homoparentalidade no Brasil. Revista de Antropologia. v. 56 n. 2, p. 397-430, 2013. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ra/article/viewFile/82527/85502 Acesso em: 15 out. 15.

STRATHERN, Marilyn. Necessidade de Pais, necessidade de Mães. Revista Estudos Feministas n.2 ano 3, p. 303-329, 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16443. Acesso em: 20 maio 2014.

TEIXEIRA, Flavia do Bonsucesso. Histórias que não têm era uma vez: as (in)certezas da transexualidade. Revista Estudos Feministas, v. 20, n. 2., p. 501-212, 2012.

UZIEL, Anna Paula. Gênero, sexualidade e subjetividade: sobre o que calamos ou falamos pouco na psicologia. In: MINELLA, Luzinete Simões; ASSIS, Gláucia de Oliveira; FUNCK, Susana Bórneo (Orgs.). Políticas e fronteiras: desafios feministas. Tubarão: Ed. Copiart, 2014. p. 281-294

ZAMBRANO, Elizabeth. Parentalidades “impensáveis”: pais/mães homossexuais, travestis e transexuais. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 12, n. 26, p. 123-147, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0104-71832006000200006&script=sci_arttext. Acesso em: 10 mar. 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2018.e57007

Direitos autorais 2018 Mônica Angonese, Mara Coelho de Souza Lago

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.