Josué de Castro e a combinação das perspectivas multidirecionais e cíclicas da mudança social

Maria José de Rezende

Resumo


Josué de Castro filiava-se, em linhas gerais, às perspectivas centradas na tese da progressividade histórica. Ao dialogar - de maneira crítica - com o evolucionismo sociológico, com o materialismo histórico, com o darwinismo social e com o malthusianismo, ele construiu uma análise que tanto não se ajustava inteiramente a quaisquer das três primeiras correntes quanto refutava inteiramente as pressuposições desta última. Ele supunha a existência de um caráter progressivo nas condições sociais, econômicas e políticas que indicava ser possível resolver sem rupturas revolucionárias o pauperismo e a fome que atingiam amplos contingentes populacionais no século XX. Seus textos demonstram que a evolução nunca tinha sido pensada em vista da humanidade como um todo. Cabia, assim, aos homens de ciência e aos políticos progressistas o redimensionamento do progresso de modo a trazer benefícios às populações famélicas e pobres do mundo todo. Ná havia um curso natural, linear e definitivo panos avanços e não-avanços sociais. A diretividade progressiva devia ser constante, construída e aperfeiçoada.

Palavras-chave


Mudança social; Evolução; Progresso; Desenvolvimento; Fome; Pobreza; Subdesenvolvimento

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2003 Maria José de Rezende

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.