Percepção entomológica por docentes e discentes do município de Santa Cruz do Xingu, Mato Grosso, Brasil

Anna Frida Hatsue Modro, Milton de Sousa Costa, Emanuel Maia, Fernando Hiroshi Aburaya

Resumo


Este trabalho objetivou identificar e interpretar a percepção entomológica de alunos e professores residentes em Santa Cruz do Xingu, região do Médio Araguaia. Entrevistas semi-estruturadas foram realizadas em dezembro de 2006 com alunos e professores dos ensinos fundamental, médio e Educação de Jovens e Adultos em dezembro de 2006, no Município de Santa Cruz do Xingu, Mato Grosso. Dos seres vivos percebidos como “insetos” por todos os entrevistados, 82,75% pertenceram à Classe Insecta, as demais citações foram pertencentes ao Reino Fungi e a outras Classes do Reino Animalia (Amphibia, Arachnida, Chilopoda, Diplopoda, Gastropoda, Mammalia e Reptilia). Os “insetos” foram definidos, como bichos pequenos, nojentos ou perigosos. Em contato com os “insetos”, 76% dos entrevistados admitiram matá-los e a maior razão para tal reação foi o dano psicológico causado pela presença destes animais (65%). Para 78% dos entrevistados, os “insetos” foram seres sem importância positiva. Devido ao pouco conhecimento sobre os seus aspectos positivos, a percepção dos “insetos” por alunos e professores residentes da região de Santa Cruz do Xingu está relacionada, principalmente, à atribuição de qualidades negativas a estes animais, provocando reações de agressividade contra os “insetos” assim que percebidos no ambiente.


Palavras-chave


Insetos; Etnoentomologia; Médio Araguaia; Educação

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2009v22n2p153

Direitos autorais 2011 Anna Frida Hatsue Modro, Milton de Sousa Costa, Emanuel Maia, Fernando Hiroshi Aburaya

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.