Fitase em dietas com níveis reduzidos de fósforo não-fítico para frangos de corte

Maria Cristina de Oliveira, Rafael Henrique Marques, Rodrigo Antônio Gravena, Ana Beatriz Traldi, Carlos Rosa Godoy, Vera Maria Barbosa de Moraes

Resumo


Avaliou-se a inclusão de fitase em dietas com níveis reduzidos de fόsforo não-fítico (FNF) e o desempenho, rendimento de carcaça e características da cama de frangos. O delineamento foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 3 - dois níveis de fitase (0 e 25U/Ng) e três níveis de FNF (100, 85 e 70% das exigências), totalizando seis tratamentos com cinco repetições. A redução do FNF para 70% das exigências diminuiu o ganho de peso e o consumo de ração e piorou a conversão alimentar. A inclusão de fitase aumentou o ganho de peso e o consumo de ração aos 21 dias. A interação níveis de FNF x fitase foi significativa para ganho de peso aos 42 dias. A redução do FNF para 70% das exigências diminuiu o consumo de ração aos 42 dias e aumentou o peso relativo do fígado e do coração. O teor de nitrogênio foi reduzido em camas de frangos alimentados com dietas contendo fitase e o teor de fόsforo diminuiu com a redução do FNF dietético. Concluiu-se que dietas com 85% da exigência de FNF suplementadas com 25U/Ng de fitase podem ser usadas sem prejuízo ao desempenho e às características de carcaça e cama.


Palavras-chave


Desempenho; Enzimas; Nutrição animal; Poluição ambiental; Rendimento de carcaça

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2009v22n4p169

Direitos autorais 2011 Maria Cristina de Oliveira, Rafael Henrique Marques, Rodrigo Antônio Gravena, Ana Beatriz Traldi, Carlos Rosa Godoy, Vera Maria Barbosa de Moraes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.