Desenvolvimento inicial do milho em função de doses e fontes de nitrogênio aplicadas na semeadura

Luís Sangoi, Paulo Roberto Ernani, Paula Bianchet

Resumo


O crescimento do plantio direto fez com que aumentassem as doses de nitrogênio aplicadas na semeadura do milho. Em função disso, o trabalho objetivou avaliar o efeito de fontes e doses de fertilizantes nitrogenados na germinação do milho. Testaram-se duas fontes nitrogenadas (ureia e sulfato de amônio) e quatro doses de N (0, 50, 100 e 200Ng.ha-1), aplicadas em cinco solos com diferentes texturas. As unidades experimentais foram caixas plásticas com 50cm de comprimento, 22cm de largura e 13cm de profundidade. Foram semeadas quatro linhas por caixa com 10 sementes cada, a 2,5cm de profundidade. Os fertilizantes foram aplicados nas linhas de semeadura, a 5cm da superfície do solo. A aplicação de doses de N superiores a 50Ng.ha-1 na forma de ureia prejudicou a germinação do milho em quatro dos cinco solos avaliados. A adição de sulfato de amônio somente reduziu germinação do milho no Neossolo Quartzarênico com menor quantidade de argila. Doses crescentes de N aumentaram a condutividade elétrica do solo. Este incremento foi mais pronunciado com aplicação do sulfato de amônio. A volatilização de amônia diminuiu mais a germinação do milho do que a salinidade quando foram aplicadas altas doses de fertilizantes nitrogenados.


Palavras-chave


Fertilizantes nitrogenados; Salinidade; Volatilização; Zea mays L.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2009v22n4p53

Direitos autorais 2011 Luís Sangoi, Paulo Roberto Ernani, Paula Bianchet

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.