Desenvolvimento espaço-temporal da cobertura vegetal de manguezal em área de aterro hidráulico: mapeamento e interpretação de aerofotografias digitais, e análise dos dados quantitativos

Anderson Tavares de Melo, Eduardo Juan Soriano-Sierra, Luiz Antônio Paulino

Resumo


A execução do aterro hidráulico da Via Expressa Sul, localizado no setor centro-sul da Ilha de Santa Catarina, teve início no ano de 1995, e foi finalizado em 1997 (aterro bruto). O aterro propiciou à vegetação de manguezal um novo ambiente de colonização, desenvolvendo-se rapidamente, em um curto intervalo de tempo. O presente trabalho lançou mão do mapeamento da cobertura vegetal, através da fotointerpretação de material aerofotogramétrico de cinco anos distintos (1994, 1997, 2002, 2004 e 2007), o que permitiu demonstrar a evolução espaço-temporal da vegetação, desde o ano posterior à execução do aterramento (1994), até uma situação mais recente (2007). Os dados resultantes permitiram quantificar a evolução em superfície das três faixas de vegetação – faixa de arbóreas (Laguncularia racemosa e Avicennia schaueriana); de capim-praturá (Spartina alterniflora) e a faixa transitória (espécies companheiras dos manguezais e de restinga).


Palavras-chave


Manguezal; Sucessão Vegetal; Mapeamento

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2011v24n4p59

Direitos autorais 2011 Anderson Tavares de Melo, Eduardo Juan Soriano-Sierra, Luiz Antônio Paulino

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.