Abordagem ecofisiológica dos manguezais: uma revisão

Sávia Soares Pascoalini, Dielle Meire de Santana Lopes, Antelmo Ralph Falqueto, Mônica Maria Pereira Tognella

Resumo


O manguezal apresenta elevada produtividade primária que é, em parte, resultado dos mecanismos fisiológicos aplicados pelas espécies vegetais às restrições ambientais. O objetivo desta síntese é avaliar o estado da arte dos estudos ecofisiológicos sobre os manguezais e identificar lacunas que possibilitem ampliar o conhecimento científico sobre os manguezais brasileiros e suas potenciais contribuições para as mudanças climáticas. O agravamento das restrições ambientais, como o aumento da salinidade, maior tempo de alagamento e deficiência de nutrientes, induz a diminuição da assimilação fotossintética, resultando na redução do desenvolvimento das espécies. A resposta de determinada espécie ao estresse depende de sua tolerância. Conclui-se que os estudos ecofisiológicos da vegetação de mangue são pontuais, e seus resultados divergem entre os estudos de campo e laboratório. No Brasil, esse conhecimento ainda é incipiente, dificultando a previsão do comportamento das espécies diante das mudanças climáticas.


Palavras-chave


Fotossíntese; Inundação; Nutrientes; Salinidade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2014v27n3p1

Direitos autorais 2014 Sávia Soares Pascoalini, Dielle Meire de Santana Lopes, Antelmo Ralph Falqueto, Mônica Maria Pereira Tognella

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.