Micoplasmose hemotrópica felina em onça-pintada (Panthera onca): relato de caso

Rafaela Guimaraes Sanchioli

Resumo


Por estar frequentemente sujeitos a situações estressantes, animais mantidos em cativeiro estão mais predispostos à imunossupressão. Quando na presença de infecções concomitantes ou em situações de estresse, Mycoplasma haemofelis pode desenvolver os sinais clínicos da micoplasmose hemotrópica felina. A transmissão do M. haemofelis ocorre por meio de vetores artrópodes hematófagos, como pulgas, carrapatos e piolhos. As infecções variam de anemia hemolítica com risco de morte iminente a anemia crônica sutil. A administração de imidocarb no tratamento de felinos selvagens infectados por hemoplasmas pode apresentar maior eficácia devido à sua natureza injetável e menor número de aplicações, quando comparado ao uso de doxiciclina por via oral durante um período maior. Como medida profilática para felinos selvagens, o enriquecimento ambiental aparenta ser mais eficaz quando comparado às demais formas de prevenção comumente adotadas em gatos domésticos. Este artigo tem por objetivo relatar um caso de micoplasmose hemotrópica felina em onça-pintada (Panthera onca) e discorrer sobre sua relação com a imunodepressão causada por condições de estresse em cativeiro.


Palavras-chave


Estresse; Imunossupressão; Mycoplasma haemofelis; Onça-pintada

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n2p153

Direitos autorais 2015 Rafaela Guimaraes Sanchioli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.