Manejo hídrico na rustificação em mudas de Maytenus ilicifolia [(Schrad.) Planch.]

João Alexandre Lopes Dranski, Ubirajara Contro Malavasi, Marlene de Matos Malavasi

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2017v30n1p45

Avaliou-se o efeito do tamanho da muda e do manejo da irrigação ao final do ciclo de produção sobre a qualidade de mudas de Maytenus ilicilofia. O experimento seguiu o delineamento inteiramente ao acaso em arranjo fatorial 2x3, em que mudas de duas classes de altura (maior ou menor que 18,0 cm) foram submetidas a três regimes hídricos (rega diária, rega a cada dois dias e redução gradativa da irrigação). Após oito semanas, quantificaram-se atributos morfofisiológicos e de desempenho. A redução gradativa da irrigação promoveu maior taxa de assimilação líquida de carbono. A rega a cada dois dias possibilitou maior taxa de crescimento secundário, velocidade de acúmulo de biomassa nos tecidos aéreos e radiculares, com menor taxa de extravasamento de eletrólitos. Após o plantio, esses tratamentos mantiveram o maior teor relativo de água nas folhas (TRA). O TRA em mudas de menor tamanho foi significativamente maior até a terceira semana do plantio. Portanto, mudas de maior tamanho, submetidas à rustificação por redução gradativa do regime de regas, apresentam melhor qualidade.


Palavras-chave


Déficit hídrico; Espinheira-santa; Produção de mudas; Qualidade de mudas

Texto completo:

PDF/A


Direitos autorais 2017 João Alexandre Lopes Dranski, Ubirajara Contro Malavasi, Marlene de Matos Malavasi

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.