Dispersão de sementes e densidade populacional de Psychotria nuda (Rubiceae) em fragmento urbano de Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas no sul do Brasil

Bianca Raboch Tierschnabel, João Carlos Ferreira de Melo Júnior, Sidnei Silva Dornelles

Resumo


O presente trabalho objetivou reconhecer os agentes dispersores de Psychotria nuda num fragmento de Floresta Atlântica e estimar a sua densidade populacional. A área de estudo compreende um fragmento de floresta ombrófila em estádio médio de regeneração. A densidade populacional foi estimada em área de 1 ha. O padrão de distribuição da espécie foi determinado pelo índice de Morisita. Vinte indivíduos adultos foram observados para determinação de dispersores e mais dez para avaliar a eficácia do tipo de dispersão mediante marcação de frutos e instalação de redes coletoras. Em 1 ha foram registrados 1.131 indivíduos. O índice de Morisita encontrado para a população foi de 1,317, sinalizando padrão agregado de distribuição. Os resultados obtidos para a dispersão mostraram que a barocoria é mais frequente que a zoocoria. Foi registrada apenas Tachyphonus coronatus (tiê-preto) como ave dispersora de P. nuda. Conclui-se que o padrão de distribuição agregado encontrado pode estar relacionado com a falta de um agente dispersor mais eficiente quando comparado à dispersão barocórica, o que justifica o padrão de distribuição agregado. Em termos populacionais, a espécie apresenta uma taxa balanceada entre recrutamento e morte de indivíduos, garantindo sua ocorrência no fragmento florestal.

 


Palavras-chave


Conservação da biodiversidade; Dispersão barocórica; Dispersão zoocórica; Estrutura populacional; Mata Atlântica

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, E. M.; ALVES, M. A. Fenologia de Psychotria nuda e P. brasiliensis (Rubiaceae) em uma área de Floresta Atlântica no sudeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 14, p. 335-346, 2000.

ALMEIDA, E. M.; COSTA, P. F.; BUCKERIDGE, M. S.; ALVES, M. A. S. Potential bird dispersers of Psychotria in a area of Atlantic forest on Ilha Grande, RJ, Southeastern Brazil: a biochemical analysis of the fruits. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 66 n. 1 p. 1-8, 2006.

ALMEIDA-NETO, M.; CAMPASSI, F.; GALETTI, M.; JORDANO, P.; OLIVEIRA-FILHO, A. Vertebrate dispersal syndromes along the Atlantic Forest: broad-scale patterns and macroecological correlates. Global Ecology and Biogeography, Ottawa, v. 17. p. 503-513, 2008.

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Stuttgart, v. 22, p. 711-728, 2013.

ARRIOLA, I. A.; MELO JÚNIOR, J. C. F. A diversidade de galhas pode predizer o estado de conservação de remanescentes florestais da Mata Atlântica? In: MELO JÚNIOR, J. C. F.; OLIVEIRA, T. M. N. (Org). Ciências Ambientais: ensaios e perspectivas. Vol. 1. 1 ed. Joinville: Univille, 2017. p. 67-104.

BERTANI, D. F. Ecologia de populações de Psychotria suterella Müll. Arg. (Rubiaceae) em uma paisagem fragmentada de Mata Atlântica. 2006. 126 f. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2006.

BFG – THE BRAZIL FLORA GROUP. Growing knowledge: an overview of seed plant diversity in Brazil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 66, p. 1085-1113, 2015.

BORCARD, D.; GILLET, F.; LEGENDRE, P. Numerical ecology with R. New York: Springer, 2011. 319 p.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H. Field & laboratory methods for general ecology. Iowa: W.C. Brown Publishers, 1984. 226 p.

BROWN, S.; LUGO, A. E. Tropical secondary forests. Journal of Tropical Ecology, Winchelsea, v. 6, n. 1, p. 1-32, 1990.

CARVALHO, J. O. P. Análise estrutural da regeneração em floresta tropical densa na região do tapajós no estado do Pará. 1982. 139 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 1982.

CHAZDON, R. L.; LETCHER, S. G.; BREUGEL, M.; MARTÍNEZ-RAMOS, M.; FRANS BONGERS, F.; FINEGAN, B. Rates of change in tree communities of secondary Neotropical forests following major disturbances. Philosophical Transactions of the Royal Society of London, London, v. 28, n. 362 p. 273-289, 2007.

CLIMATE-DATE. Dados climáticos para cidades mundiais. 2017. Disponível em . Acesso em: 17 abril 2017.

CORRÊA, C. E.; SANTOS, F. A. M. Distribuição espacial de Psychotria nuda em Floresta Ombrófila Densa, Ubatuba, SP. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, VIII, 2007, Caxambu. Anais..., Caxambu: Sociedade de Ecologia do Brasil, 2007. Versão eletrônica.

DELPRETE, P. G.; SMITH, L. B.; KLEIN, R. M. Rubiáceas. In: REIS, A. (Ed.). Flora ilustrada catarinense. Vol. 2. Itajaí: Herbário “Barbosa Rodrigues”, 2005. p. 349-842.

FADINI, R. F.; DE MARCO JR., P. Interações entre aves frugívoras e plantas em um fragmento de mata atlântica de Minas Gerais. Ararajuba, Londrina, v. 12, n. 2, p. 97-103, 2004.

FERMINO JUNIOR, P. C. P.; PAULILO, M. T. S.; REIS, A.; SANTOS, M. Espécies pioneiras e climáticas da Floresta Ombrófila Densa: anatomia foliar comparada. Insula, Florianópolis, v. 33, p. 21-37, 2004.

FRANCISCO, M. R.; GALETTI, M. Aves como potenciais dispersoras de sementes de Ocotea pulchella Mart. (Lauraceae) numa área de vegetação de cerrado do sudeste Brasileiro. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 11-17, 2002.

GALETTI, M.; FERNANDEZ, J. C. Palm heart harvesting in the Brazilian Atlantic Forest: changes in industry structure and the illegal trade. Journal of Applied Ecology, London, v. 35 p. 294-301, 1998.

GALETTI, M.; PIZO, M. A. fruit eating by birds in a forest fragment in southeastern Brazil. Ararajuba, Londrina, v. 4, p. 71-79, 1996.

GOMES, M. Rubiaceae. In: LIMA, M. P. M.; GUEDES-BRUNI, R. R. (Ed.). Reserva Ecológica de Macaé de Cima, nova Frigurgo, RJ. Aspectos florísticos das espécies vasculares. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 1996. p. 345-426.

GORENSTEIN, M. R. Estrutura populacional de Psychotria nuda (Cham & Schltdl.) Wawra, Hyeronima alchorneoides Allemão e Marlierea obscura Berg. em Floresta Ombrófila Densa Submontana na Ilha do Cardoso, litoral sul de São Paulo. In: MACHADO, G.; PRADO, P. I. K. L (Ed.). Prática da Pesquisa em Ecologia da Mata Atlântica. Cananéia: EDUSP, 2007. p. 1-6.

GUARIGUATA, M. R.; PINARD, M. A. Ecological knowledge of regeneration from seed in neotropical forest trees: implications for natural forest management. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 11, n. 2, p. 87-99, 1998.

GWYNNE, J. A.; RIDGELY, R. S.; TUDOR, G.; ARGEL, M. Aves do Brasil – Pantanal & Cerrado. 1 ed. São Paulo: Editora Horizonte, 2010. 322 p.

HARPER, J. L. Population biology of plants. London: Academic Press, 1990. 892 p.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 276 p.

IZA, O. B. Parâmetros de autoecologia de uma comunidade arbórea de Floresta Ombrófila Densa, no Parque Botânico do Morro Baú, Ilhota, SC. 2002. 92 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2002.

JANZEN, D. H. Why bamboos wait so long to flower? Annual Review of Ecology and Systematics, Palo Alto, v. 7, p. 347-391, 1976.

JORDANO, P. Patterns of mutualistic interactions in pollination and seed dispersal: connectance, dependence asymmetries, and coevolution. American Naturalist, Chicago, v. 129, p. 657-677, 1987.

JUDD, W. S; CAMPBELL, C. S; KELLOGG, E. A; STEVENS, P. S; DONOGHUE, M. J. Plant Systematics: a phylogenetic approach. Sunderland: Sinauer Associates, 2008. 607 p.

LAGOS, A. R.; MULLER, B. L. A. Hotspot brasileiro: Mata Atlântica. Saúde e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 35-45, 2007.

MELO, M. M. R. F. Demografia de árvores em Florestal Pluvial Atlântica, Ilha do Cardoso, SP, Brasil. 2000. 141 f. Tese (Doutorado Ciências) - Universidade de São Carlos, São Carlos. 2000.

MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Mata Atlântica. 2016. Disponível em . Acesso em: 24 julho 2017.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, London, v. 403, p. 853-858, 2000.

PEREIRA, Z. V.; VIEIRA, M. F.; CARVALHO-OKANO, R. M. Fenologia de floração, morfologia floral e sistema de incompatibilidade em espécies distílicas de Rubiaceae em fragmento florestal do sudeste brasileiro. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo,v. 29, n. 3, p. 471-480, 2006.

PIZO, M. A. Seed dispersal and predation in two popu-lations of Cabralea canjerana (Meliaceae) in the Atlan-tic Forest of southeastern Brazil. Journal of Tropical Ecology, Winchelsea, v. 13, p. 559-578, 1997.

POOLE, R. W. An introduction to Quantitative Ecology. New York: McGraw-Hill, Inc., 1974. 532 p.

PRATA, B. E. M.; ASSIS, M. A.; JOLY, C. A. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea na transição da Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas – Floresta Ombrófila Densa Submontana do Núcleo Picinguaba/PESM, Ubatuba, sudeste do Brasil. Biota Neotropica, Campinas, v. 11, n. 2, p. 1-15, 2011.

ROBINSON, G. R.; HANDEL, S. N. Forest restoration on a closed landfill: rapid addition of new species by bird dispersal. Conservation Biology, San Francisco, v. 7, p. 271-278, 1993.

ROCHA, C. F. D.; BERGALLO, H. G.; ALVES, M. A. S.; SLUYS, M. V. A biodiversidade nos grandes remanescentes florestais do estado do Rio de Janeiro e nas restingas da Mata Atlântica. São Carlos: Rima Editora, 2003. 163 p.

ROLLET, B. Arquitetura e crescimento das florestas tropicais. Belém: SUDAM, 1978. 22 p.

SCHUPP, E. W. Quantity, quality and the effectiveness of seed dispersal by animals.Vegetatio, Perth, v. 107/108, p. 15-29, 1993.

SCOLFORO, J. R. S.; PULZ, F. A.; MELO, J. M. Modelagem da produção, idade das florestas nativas distribuição espacial das espécies e a análise estrutural. In: SCOLFORO, J. R. S. (Org.). Manejo florestal. Lavras: UFLA/FAEPE, 1998. p. 189-246.

SEVEGNANI, G. C.; GROSE, A. V.; SOARES, D. C.; CARDOSO, F.; DORNELLES, S. S. Avifauna no fragmento florestal do Jardim Botânico da UNIVILLE e em seu entorno. Revista Univille, Joinville, v. 14, n. 2, p. 25-32, 2009.

SICK, H. Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997. 912 p.

SIGRIST, T. Avifauna brasileira: descrição das espécies. São Paulo: Avis Brasilis, 2009. 600 p.

SILVA, M. C.; CASTELETI, C. H. M. Estado da biodiversidade da Mata Atlântica brasileira. In: GALINDO-LEAL. C.; CÂMARA. I. G. (Ed.). Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica, 2005. p. 43-59.

SILVA JÚNIOR, M. C. Composição florística, fitossociologia e estrutura diamétrica na mata de galeria do Monjolo, Reserva Ecológica do IBGE (RECOR), DF. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer, Brasília, v. 4, p. 30-45, 1999.

TABARELLI, M.; GASCON, C. Lessons from fragmentation research: improving management and policy guidelines for biodiversity conservation. Conservation Biology, San Francisco, v. 19, p. 734-739, 2005.

TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C.; GASCON, C. Forest fragmentation, synergisms and the impoverishment of neotropical forests. Biodiversity and Conservation, New York, v. 13, p. 1419-1425, 2004.

TAYLOR, C. M. Psychotria. In: WANDERLEY, M. G. L.; SHEPHERD, G. T.; MELHEM, T. S.; GIULIETTI, A. M. (Ed.). Flora fanerogâmica do estado de São Paulo. Vol. 5. São Paulo: Instituto de Botânica, 2007. p. 389-412.

WEISBAUER, M. B.; GIEHL, E. L. H.; JARENKOW, J. A. Padrões morfológicos de diásporos de árvores e arvoretas zoocóricas no Parque Estadual de Itapuã, RS, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 22, p. 425-435, 2008.

WUNDERLE JR, J. M. The role of animal seed dispersal in accelerating native forest regeneration on degraded tropical lands. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 99, n. 1/2, p. 223-235, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2018v31n2p9

Direitos autorais 2018 Bianca Raboch Tierschnabel, João Carlos Ferreira de Melo Júnior, Sidnei Silva Dornelles

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.