Variedades locais de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze (Pinales: Araucariaceae) no sul do Brasil: uma breve discussão sobre domesticação de paisagens

Mario Sergio Muniz Tagliari, Nivaldo Peroni

Resumo


A Araucária é uma espécie emblemática da Floresta Ombrófila Mista – FOM. O comércio do “pinhão”, sua semente, é economicamente relevante para grupos regionais, influenciando no manejo e uso da espécie. As populações da espécie foram historicamente manipuladas pela ação humana, que identificam variedades locais, caracterizando certo grau de domesticação da espécie e da paisagem. Assim, o objetivo desse estudo foi identificar essas variedades, caracterizar o uso e manejo do “pinhão” em comunidades locais circundantes ao Parque Nacional de São Joaquim – PNSJ, e discutir interações homem-plantas que possam ser relevantes na estruturação de paisagens culturais domesticadas. Aplicamos questionários semi-estruturados a quinze agricultores-extratores no entorno do PNSJ. Realizando turnês guiadas, montamos nove parcelas de 1600 m2 para coleta de dados populacionais da Araucária. Nos questionários, quatro variedades foram citadas: “Cajuvá”, “Macaco”, “Do cedo” e “Do tarde” além de duas variedades identificadas nas turnês-guiadas (N=52). Todos entrevistados afirmaram usar, direta/indiretamente, o “pinhão”, além de citarem variedades que conhecem e/ou manejam na FOM, evidenciando processo de domesticação. A conservação da Araucária pode ser favorecida ao considerar populações humanas locais que usam e manejam os recursos dessa espécie, fortalecendo sua conservação ao nível de paisagens manejadas junto às Unidades de Conservação do estado.

 

 


Palavras-chave


Comunidades locais; Conservação; Manejo da Araucária; Paisagem cultural domesticada; Pinhão

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ADAN, N.; ATCHINSON, J.; REIS, M. S.; PERONI, N. Local knowledge, use and management of ethnovarieties of Araucaria angustifolia (Bert.) Ktze. in the Plateau of Santa Catarina, Brazil. Economic Botany, New York City, v. 70, n. 4, p. 353-364, 2016.

ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; ALENCAR, N. L. Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F. C. (Ed.). Métodos e Técnicas na Pesquisa Etnobotânica. 2 ed. Recife: Comunigraf, Brazil, 2008. p. 39-64.

ATKINSON, R.; FLINT, J. Accessing hidden and hard-to-reach populations: snowball research strategies. Social Research Update, Glasgow, v. 49, n. 1, p. 116-142, 2001.

BALÉE, W. Contingent diversity on anthropic landscapes. Diversity, Basel, v. 2, n. 2, p. 163-181, 2010.

BAYLEY, K. D. Methods of social research. New York: Free Press, 1994. 592 p.

BERKES, F.; DAVIDSON-HUNT, I. J. Biodiversity, traditional management systems, and cultural landscapes: examples from the boreal forest of Canada. International Social Science Journal, Malden, v. 58, n. 187, p. 35-47, 2006.

BERNARD, H. R. Research methods in Anthropology: qualitative and quantitative approaches. 4 ed. Oxford: Altamira Press, 2006. 824 p.

BROOKS, T. M.; MITTERMEIER, R. A.; DA FONSECA, G. A. B.; GERLACH, J.; HOFFMANN, M.; LAMOREUX, J. F.; MITTERMEIER, C. G.; PILGRIM, J. D.; RODRIGUES, A. S. L. Global biodiversity conservation priorities. Science, New York, v. 313, n. 2006, p. 58-61, 2006.

BYG, A.; BALSEV, H. Diversity and use of palms in Zahanema, eastern Madagascar. Biodiversity and Conservation, New York, v. 10, n. 6, p. 951-970, 2001.

CAPPARELLI, A.; HILGERT, N.; LADIO, A. Paisajes culturales de Argentina: pasado y presente desde las perspectivas etnobotánica y paleoetnobotánica. Revista de la Asociación Argentina de Ecología de Paisajes, Buenos Aires, v. 2, n. 2, p. 67-79, 2011.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: EMBRAPA/CNPF, 1994. p. 639.

CLEMENT, C. Domesticação de paisagens e plantas amazônicas: a interação de etnobotânica, genética molecular e arqueologia. In: MORCOTE-RIOS, G.; MORA, S. C.; FRANKY, C. C. (Ed.). Pueblos y paisajes antiguos de la selva amazónica. Bogotá: Universidade Nacional de Colombia, Facultad de Ciencias, Taraxacum, 2006. p. 97-112.

CLEMENT, C. R.; JUNQUEIRA, A. B. Between a pristine myth and an impoverished future. Biotropica, New York, v. 42, n. 5, p. 534-536, 2010.

DILLENBURG, L. R.; FRANCO, A. M. S.; COUTINHO, A. L.; KORNDORFER, C. L.; CLEBSHC, C. C.; DUARTE, L. S. Aspectos ecofisiológicos da regeneração de Araucaria angustifolia. In: FONSECA, C. R.; SOUZA, A. F.; LEAL-ZANCHET, N. A.; DUTRA, T., BACKES, A.; GANADO, G. (Ed.). Floresta com Araucária: ecologia, conservação e desenvolvimento sustentável. Ribeirão Preto: Editora Holos, 2009. p. 57-66.

DUARTE, R. I.; DA SILVA, F. A. L. S; SCHULTZ, J.; DA SILVA, J. Z.; REIS, M. S. Características de desenvolvimento inicial em teste de progênie de uma população de araucária na Flona de Três Barras-SC. Biodiversidade Brasileira, Brasília, v. 2, p. 114-123, 2012.

GUERRA, M. P.; SILVEIRA, V.; REIS, M. S.; SCHNEIDER, L. Exploração, manejo e conservação da araucária (Araucaria angustifolia). In: SIMÕES, L. L.; LINO, C. F. (Ed.). Sustentável Mata Atlântica: a exploração de seus recursos florestais. São Paulo: SENAC, 2002. p. 85-102.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Vol 2. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: Diretoria de Geociências, Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 2012. 271 p.

INCRA. Sistema Nacional de Cadastro Rural. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. 2013. Disponível em . Acesso em: 06 março 2018.

KANIESKI, M. R.; ARAUJO, A C. B.; LONGHI, S. J. Diversity quantification in Mixed Ombrophilous Forest by different alpha indexes. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 88, p. 567-577, 2010.

LADIO, A. Traditional knowledge of edible wild native and exotic plants in the context of cultural change in human populations of arid Patagonia. Bioremediation, Biodiversity and Bioavailability, Middlesex, v. 5, Special Issue 1, p. 60-64, 2011.

LEVINS, C.; COSTA, F. R. C.; BONGERS, F., PEÑA-CLAROS, M.; CLEMENT, C. R.; JUNQUEIRA, A. B.; NEVES, E. G.; TAMANAHA E. K.; et al. Persistent effects of pre-Columbian plant domestication on Amazonian forest composition. Science, New York, v. 355, p. 925-931, 2017.

MACHADO MELLO, A. J.; PERONI, N. Cultural landscapes of the Araucaria Forests in the Northern Plateau of Santa Catarina, Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, London, v. 11, n. 1, p. 1-14, 2015.

MATTOS, J. R. O Pinheiro brasileiro. Lages: Artes Gráficas, 1994. 225 p.

MONTEIRO, J. M.; ALBUQUERQUE, A. P.; LINS-NETO, E. M. F.; ARAÚJO, E. L.; AMORIM, E. L. C. Use patterns and knowledge of medicinal species among two rural communities in Brazil’s semi-arid northeastern region. Journal of Ethnopharmacology, Shannon, v. 105, n. 1-2, p. 173-186, 2006.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, London, v. 403, p. 853-858, 2000.

PROBER, S. M.; WALSH, F. J.; O’CONNOR, M. H. Australian aboriginal peoples’ seasonal knowledge: A potential basis for shared understanding in environmental management. Ecology and Society, Wolfville, v. 16, n. 2, p. 1-16, 2011.

PUCHALSKI, Â.; MANTOVANI, M.; REIS, M. S. Variação em populações naturais de Araucaria angustifolia (Bert.) O.Kuntze associada a condições edafo-climáticas. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 70, p. 137-148, 2006.

REIS, M. S.; LADIO, A.; PERONI, N. Landscapes with Araucaria in South America: evidence for a cultural dimension. Ecology and Society, Wolfville, v. 19, n. 2, p. 1-14, 2014.

REITZ, P. R.; KLEIN, R. M. Araucariáceas. In: REITZ, P. R. (Ed.). Flora ilustrada catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues, 1966. p. 3-55.

RIBEIRO, M. C.; METZGER, J. P.; MARTENSEN, A. C.; PONZONI, F. J.; HIROTA, M. M. The Brazilian Atlantic Forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, Boston, v. 142, n. 6, p. 1141-1153, 2009.

RIBEIRO, T. M.; MARTINS, S. V.; IVANAUSKAS, N. M.; POLISEL, R. T.; SANTOS, R. L. R. Restauração florestal com Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze no Parque Estadual de Campos do Jordão, SP: Efeito do fogo na estrutura do componente arbustivo-arbóreo. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 40, n. 94, p. 279-290, 2012.

RODERJAN, C. V.; GALVÃO, F.; KUNIYOSHI, Y. S.; HATSCHBACH, G. G. As unidades fitogeográficas do estado do Paraná. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 24, p. 76-92, 2002.

SHIBATA, M.; COELHO, C. M. M.; ARALDI, C. G.; ADAN, N.; PERONI, N. Qualidade fisiológica e física de sementes de variedades locais de Araucaria angustifolia. Acta Scientiarum, Maringá, v. 38, n. 2, p. 249-256, 2016.

THOMAS, L. F. Climate change and conservation. Acta Silvatica et Lignaria Hungarica, Sopron, v. 8, n. 1, p. 57-74, 2012.

VIBRANS, A. C.; SEVEGNANI, L.; UHLMANN, A.; SCHORN, L. A.; SOBRAL, M. G. GASPER, A. L. de; LINGNER, D. V.; BROGNI, E.; KLEMZ, G.; GODOY, M. B.; VERDI, M. Structure of Mixed Ombrophyllous Forests with Araucaria angustifolia (Araucariaceae) under external stress in Southern Brazil. Revista de Biología Tropical, São José, v. 59, n. 3, p. 1371-1387, 2011.

WREGE, M. S.; SOUZA, V. A.; FRITZSONS, E.; SOARES, M. T. S.; AGUIAR, A. V. Predicting current and future geographical distribution of Araucaria in Brazil for Fundamental Niche Modeling. Environment and Ecology Research, San Jose, v. 4, n. 5, p. 269-279, 2016.

ZECHINI, A. A.; SCHUSSLER, G.; SILVA, J. Z.; MATTOS, A. G.; PERONI, N.; MONTOVANI, A.; REIS, M. S. Produção, Comercialização e identificação de variedades de pinhão no entorno da Floresta Nacional de Três Barras – SC. Biodiversidade Brasileira, Brasília, v. 2, n. 2, p. 74-82, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2018v31n3p59

Direitos autorais 2018 Mario Sergio MUNIZ TAGLIARI, Nivaldo Peroni

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.