Avaliação do Índice de Estado Trófico como ferramenta para monitoramento de atividades aquícolas em reservatórios continentais

Autores

  • Emílio Sousa Pinho Embrapa Pesca e Aquicultura
  • Clauber Rosanova Instituto Federal do Tocantins
  • Flávia Tavares Matos Embrapa Pesca e Aquicultura
  • Rubens Tomio Honda Faculdade Católica do Tocantins
  • Guilherme Wolff Bueno Universidade Estadual Paulista
  • Alberto Akama Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2018v31n4p23

Palavras-chave:

Aquicultura, Reservatórios, Tanque-rede

Resumo

A aquicultura é a atividade que mais cresce entre os setores de produção de alimentos, porém, se executada inadequadamente, pode causar a deterioração da qualidade da água. O objetivo do trabalho foi avaliar a utilização do Índice de Estado Trófico (IET) como ferramenta de monitoramento de atividades aquícolas, especificamente do Parque Aquícola Sucupira, área de cultivo de peixes em tanques-rede no reservatório do Lajeado em Palmas/TO. O monitoramento foi realizado entre janeiro e agosto de 2017, envolvendo a coleta de amostras para análises dos parâmetros de fósforo total e clorofila-a. Paralelamente, houve coleta de dados de temperatura, turbidez, oxigênio dissolvido, condutividade, pH e sólidos totais dissolvidos. As variáveis limnológicas (temperatura, condutividade, turbidez, oxigênio dissolvido, pH e sólidos totais dissolvidos), com exceção do fósforo total, apesar das pequenas variações de oxigênio e sólidos totais, estão de acordo com as recomendações da Resolução CONAMA 357/05. Os dados obtidos permitem concluir que a área aquícola apresentou predominância de estado trófico supereutrófico e que o estado trófico do reservatório nas proximidades dos tanques-rede sofre forte influência externa de atividades antrópicas, principalmente no período chuvoso. No período da seca, por não haver a diluição de nutrientes devido à escassez de chuvas, ocorre aumento na concentração de fósforo na água, levando a um estado hipereutrófico. O resultado se deve ao fato de o lago apresentar naturalmente altos índices de fósforo, portanto, não é possível afirmar que a aquicultura seja uma atividade impactante, sendo necessária a adoção de um programa de monitoramento com uma malha amostral mais abrangente em futuros estudos.

Biografia do Autor

Emílio Sousa Pinho, Embrapa Pesca e Aquicultura

Graduando de Engenharia Ambiental e Sanitária da Faculdade Católica do Tocantins. Estagiário de P&D do Núcleo Temático de Pesca e Aquicultura da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Tem experiência na área de Engenharia Ambiental, com ênfase em Limnologia, atuando principalmente nos seguintes temas: tanque-rede, aquicultura e monitoramento ambiental.

Clauber Rosanova, Instituto Federal do Tocantins

Graduado em Zootecnia pela UNESP - Jaboticabal. pós graduado em Gestão Agroindustrial pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), possui MBA Executivo em Gestão Empresarial Estratégica (EDUCON/NAIPPE), mestrado em Produção Vegetal pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), é doutorando do programa de pós graduação em Ciências do Ambiente - PPG/CIAMB - UFT Campus Palmas. Atuou como Coordenador do Curso de Zootecnia e docente da Faculdade Católica do Tocantins (FACTO), atuou ainda como Coordenador de Pesquisa junto a Pró Reitoria de Pesquisa e Inovação do IFTO - Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins - Campus Palmas e atualmente é professor dos cursos Técnico em Gestão do Agronegócio e Tecnólogo em Agronegócios, Inspetor do Serviço de Registro Genealógico da ARCO - Associação Brasileira de Criadores de Ovinos. Tem experiência na área de Zootecnia, com ênfase em produção de pequenos ruminantes, comportamento animal e forragicultura, atuando principalmente nos seguintes temas: pecuária de corte e leite, ovinocaprinocultura, etologia, bioclimatologia, arranjo produtivo local, desenvolvimento sustentável e análise e elaboração de projetos. Atualmente é pesquisador com bolsa de produtividade em pesquisa vigente no CNPq e orientador nos programas de iniciação científica do IFTO e CNPq. Lecionou as seguintes disciplinas: Introdução a Zootecnia, Comportamento e Bem Estar Animal, Bioclimatologia Zootécnica, Ovinocultura, Caprinocultura, Produção e Manejo de Ruminantes, Fundamentos do Agronegócio, Cadeias e Complexos Agroindustriais, Gestão de Empreendimentos Rurais, Consultoria no Agronegócio, Cadeias Produtivas de Produtos de Origem Animal, Gestão e Elaboração de Projetos entre outras.

Flávia Tavares Matos, Embrapa Pesca e Aquicultura

Doutora em Engenharia Ambiental e mestre em Aquicultura pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduada em Zootecnia pela Universidade de São Paulo (1999), com especialização em Animal Sciences (University of Florida). Atualmente é Pesquisadora da Embrapa Pesca e Aquicultura, onde atua na área de sistemas de produção aquícola, com ênfase no tratamento de efluentes de aquicultura e capacidade suporte de reservatórios para a produção de pescado.

Rubens Tomio Honda, Faculdade Católica do Tocantins

Possui graduação em Biologia Bacharelado pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998), mestrado em Biofísica Molecular pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e doutorado em Biologia (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (2006). Foi professor adjunto I do Centro Universitário Nilton Lins (2005-2011) e Coordenador do Mestrado/Doutorado do curso de Biologia Urbana (2008-2010). Foi Membro Afiliado da Academia Brasileira de Ciências (ABC)(2008-2012). Atualmente exerce atividade acadêmica na Facultade Católica do Tocantins (FACTO) e na Fundação Universidade do Tocantins (UNITINS). Tem experiência na área de Bioquímica, com ênfase em Bioquímica de Macromolécula biológicas, atuando principalmente nos seguintes temas: ecofisiologia de peixes e poluição de ambientes aquáticos.

Guilherme Wolff Bueno, Universidade Estadual Paulista

Doutor em Ciências Animais pela Universidade de Brasília - UnB e University of Guelph - UoG, Ontário, Canadá. Pós-doutorando no Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista - Unesp Campus do Litoral Paulista. Mestre em Engenharia de Pesca e Recursos Pesqueiros e Graduado em Zootecnia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste. MBA em Gerenciamento de Projetos na FG&;. Atuou como Presidente do Instituto Água Viva na elaboração e execução de projetos de pesquisa, extensão e inovação tecnológica em aquicultura e pesca. Foi Chefe de Divisão na Coordenação de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura em Águas da União no Ministério da Pesca e Aquicultura. Atuou durante 5 anos como Consultor na Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - ONU/FAO realizando análise de projetos relacionados a cadeia produtiva aquícola, novas tecnologias para aquicultura e avaliação da capacidade de suporte de recursos hídricos. Na Universidade Estadual Paulista "J&lio de Mesquita Filho" - UNESP, é professor das disciplinas de Economia, Elaboração e Gestão de Projetos Aquícolas e Empreendedorismo. Atualmente é Assessor na Agência Unesp de Inovação - AUIN e Pesquisador no Centro de Aquicultura da Unesp - Caunesp. Atua na área de Recursos Pesqueiros, com ênfase em Aquicultura e Bioeconomia, desenvolvendo pesquisas e projetos principalmente nos seguintes temas: benchmarking econômico e ambiental de empreendimentos aquícolas, modelagem matemática aplicada à avaliação da capacidade de suporte e sustentabilidade de sistemas de produção de organismos aquáticos.

Alberto Akama, Universidade Federal do Tocantins

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (1993), mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade de São Paulo (1999) e doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade de São Paulo (2004). Atuou como docente na Universidade Federal do Tocantins de 2008 a 2013. Atualmente é pesquisador adjunto do Museu Paraense Emílio Goeldi, onde atua no estudo da diversidade da fauna de peixes amazônicos e coordena o núcleo Amazônia Oriental do Programa Nacional de Pesquisas em Biodiversidade e Ecossistemas (PPBio). Tem experiência na área de Zoologia, com ênfase em Sistemática de Siluriformes Neotropicais e Conservação das Espécies Animais.

Referências

ALVES, R. C. P.; BACCARIN, A. E.; LEONARDO, A. F. G. Efeito da produção de peixes em tanques-rede sobre a sedimentação no Córrego do Arribada (baixo Tietê – SP). In: SIMPÓSIO: ECOLOGIA DE RESERVATÓRIOS – IMPACTOS POTENCIAIS, AÇÕES DE MANEJO E SISTEMAS EM CASCATA. 2012, Avaré, 2012. 71 p.

APHA – AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Standard methods for the examination of water and wastewater. 20 ed. Washington: APHA, 1998.

BUENO, G. W.; MATOS, F. T. de; CANZI, C.; OSTRENSKY, A.; SAMPAIO, M. B.; BARONE, R. S. C.; ROUBACH, R. A capacidade de suporte: produção de peixes cultivados em reservatórios: bases conceituais (Parte I). Panorama da Aqüicultura, Rio de Janeiro, n. 126, p. 48-63, 2011.

BUZELLI, G. M.; CUNHA-SANTINO, M. B. Análise e diagnóstico da qualidade da água e estado trófico do reservatório de Barra Bonita (SP). Revista Ambiente & Água, Taubaté, v. 8 , n. 1, p. 186-205, 2013.

CETESB – COMPANHIA DE TECNOLOGIA E SANEAMENTO AMBIENTAL. Relatório de qualidade das águas interiores do estado de São Paulo 2008/CETESB. Vol. 1. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2009a. 531 p.

CETESB – COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Variáveis de

qualidade de água. São Paulo, 2009b. Disponível em <http://www.cetesb.sp.gov.br/Agua/rios/variaveis.asp#transparencia>. Acesso em: 20 outubro 2016.

DEUS, R.; BRITO, D.; MATEUS, M.; KENOV, I.; FORNARO, A.; NEVES, R.; ALVES, C. N. Impact evaluation of a pisciculture in the Tucuruí reservoir (Pará, Brazil) using a two-dimensional water quality model. Journal of Hydrology, Amsterdam, v. 487, p. 1-12, 2013.

ESTEVES, F. A. Fundamentos em limnologia. 2 ed. Rio de Janeiro: Interciência/FINEP, 1998. 602 p.

FAO – FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION. The state of world fisheries and aquaculture 2016. Contributing to food security and nutrition for all. Roma: FAO, 2016. 200 p.

GREGOR, J.; MARŠÁLEK, B. Freshwater phytoplankton quantification by chlorophyll a: a comparative study of in vitro, in vivo and in situ methods. Water Research, London, v. 38, n. 3, p. 517-522, 2004.

KUBITZA, F. Qualidade da água no cultivo de peixes e camarões. 1 ed. Jundiaí: Editora Kubitza. 2003. 229 p.

LAMPARELLI, M. C. Graus de trofia em corpos d’gua do estado de São Paulo: avaliação dos métodos de monitoramento. 2004. 207 f. Tese (Doutorado em Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo. 2004.

MALLASEN, M.; CARMO, C. F.; TUCCI, A.; BARROS, H. P.; ROJAS, N. E. T.; FONSECA, F. S.; YAMASHITA, E. Y. Qualidade da água em sistema de piscicultura em tanques-rede no reservatório de Ilha Solteira, SP. Boletim do Instituto de Pesca, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 15-30, 2012.

MARQUES, A. K. Análise da diversidade fitoplanctônica no reservatório da Usina Hidroelétrica Luis Eduardo Magalhães, no médio Tocantins – TO: estrutura da comunidade, flutuações temporais e espaciais. 2006. 158 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente) - Universidade Federal do Tocantins, Palmas. 2006.

MATOS, F. T.; WEBBER, D. C.; FONTOURA, A. C.; PINHO, E.; ROUBACH, R.; BUENO, G. W.; FLORENCIO, D.; BARROS, D. J. Monitoramento de qualidade de água das atividades aquícolas em reservatórios continentais brasileiros. Palmas: Embrapa Pesca e Aquicultura, (Séries Embrapa), 2016. 66 p.

MURPHY, J.; RILEY, J. P. A modified single solution method for the determination of phosphate in natural water. Analytica Chimica Acta, Amsterdam, v. 27, p. 31-36, 1962.

PEIXOTO, R. H. P. B. Efeitos da implantação do reservatório da Usina Hidrelétrica Luis Eduardo Magalhães sobre a qualidade da água do rio Tocantins (TO, Brasil). 2007. 222 f. Tese (Doutorado em Engenharia Ambiental) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2007.

PENA, L.; FERREIRA, C.; ALMEIDA, M. Comportamento dos índices do estado trófico de Carlson (IET) e modificado (IETM) no reservatório da UHE Luís Eduardo Magalhães. Tocantins-Brasil. In: CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL, 29, 2004, San Juan. Anales... San Juan: AIDIS, 2004. p. 1-6.

PEREIRA, V. L. R. A limnologia e o gerenciamento integrado do reservatório da Usina Hidrelétrica Luis Eduardo Magalhães – UHE Lajeado, Tocantins. 2002. 284 f. Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) - Universidade de São Paulo, São Carlos, 2002.

PEZZATO, L. E.; BARROS, M. M.; FRACALOSSI, D. M. Nutrição de peixes. In: CYRINO, J. E. P.; URBINATI, E. C.; FRACALOSSI, D. M. (Ed.). Tópicos especiais em piscicultura de água doce tropical intensiva. São Paulo: Tecart, 2004. p. 75-169.

PRADO, R. B. Influência do uso e ocupação do solo na qualidade da água: estudo no médio rio Pardo – SP (período de 1985 a 1997). 1999. 209 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Engenharia Ambiental) - Universidade de São Paulo, São Carlos. 1999.

MAIA, A. A. D; CARVALHO, S. L.; CARVALHO, F. T. Comparação de dois índices de determinação do grau de trofia nas águas do Baixo Rio São José dos Dourados, São Paulo, Brasil. Engenharia Sanitaria e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 613-622, 2015.

SORBELLO, G. Linee guida per la realizzazione di impianti di maricoltura in Sicilia. Sicilia: Assessorato Territorio Ed Ambiente, Departamento Regionale Territorio e Ambiente, 2008. 63 p.

TOLEDO, A. P. Informe preliminar sobre os estudos para a obtenção de um índice para avaliação do estado trófico de reservatórios de regiões quentes tropicais. São Paulo: CETESB, 1990. 12 p.

VINATEA-ARANA, L. Princípios químicos de qualidade da água em aqüicultura. Florianópolis: Editora da UFSC, 1997. 166 p.

Downloads

Publicado

2018-11-29

Edição

Seção

Artigos