Cultivo em larga escala de organismos planctônicos para alimentação de larvas e alevinos de peixes: II - Organismos Zooplanctônicos

Odete Rocha, Lúcia Helena Sipaúba Tavares

Resumo


Uma ou mais espécies dentro de cada um dos principais grupos taxonômicos representados no zooplâncton de água doce foram cultivadas em laboratório, alimentadas com algas clorofíceas cultivadas para esta finalidade. O potencial de crescimento das diferentes populações foi investigado determinando-se a taxa intrínseca de aumento natural para cada espécie cultivada. O maior valor da taxa intrínseca foi obtido para o rotífero Brachionus falcatus; valores intermediários para os cladóceros Daphnia similis, D. laevis, Ceriodaphnia silvestrii e Moina micrura e o mais baixo valor para o copépode Argyrodiaptomus furcatus. Estes valores refletiram as diferenças existentes entre os ciclos de vida destes organismos, isto é, os tempos de geração extremamente curtos de Ciliophora e Rotifera e os mais longos para os Copepoda. Os maiores rendimentos tanto em termos numéricos quanto em biomassa foram obtidos para Rotifera e Ciliophora. Estes alcançaram densidades de 300.000 indivíduos/l e 1.600.000 indivíduos/l respectivamente e biomassa de 480 mg P.S./l e 80 mg P.S./l.

Palavras-chave


Cultivo de Zooplâncton; Crescimento populacional; Biomassa; Aquicultura

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 1994 Odete Rocha, Lúcia Helena Sipaúba Tavares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.