Brincadeira: aspectos conceituais e metodológicos

Mauro Luis Vieira, Emma Otta, Rogério F. Guerra

Resumo


O objetivo deste artigo é rever os dados da literatura relacionados ao comportamento de brincar em animais. Neste sentido, as dificuldades para definir de modo preciso e as diversas teorias (dispêndio de energia, treino de padrões comportamentais de ataque e defesa, facilitação de desenvolvimento físico e social, etc) sobre a brincadeira foram discutidos. Os efeitos do isolamento social, das diferenças sexuais e a manipulação da atividade motora através de uso de drogas, assim como a forma como os animais utilizam pistas sensoriais durante a brincadeira foram analisados em detalhes. Concluiu-se que a brincadeira é uma atividade bastante complexa, não sendo crítica para o desenvolvimento comportamental e social de várias espécies - a brincadeira pode ser um fator facilitador do desenvolvimento. Por outro lado, parece ser um sistema motivacional próprio que é, em parte, modulado por estímulos ambientais físicos e sociais.

Palavras-chave


Brincadeira; Gasto de energia; Isolamento social; Pistas sensoriais; Diferenças sexuais; Desenvolvimento

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 1991 Mauro Luis Vieira, Emma Otta, Rogério F. Guerra

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.