Atuação da Psicologia frente a entrada de crianças no ambiente de Terapia Intensiva

Conteúdo do artigo principal

Ana Luisa Remor da Silva
Larissa Cabral Crespi
Letícia Gabarra
Maria Emilia Pereira Nunes
Mônica Girardi Cerutti

Resumo

Cada vez mais a psicologia tem buscado aprimoramento técnico e teórico para maior contribuição na área da saúde. Com esses avanços a psicologia passa a integrar as equipes multiprofissionais dos hospitais gerais, atuando em diversas unidades como as de Terapia Intensiva (UTI). Um dos temas de discussão no cotidiano da UTI é a proibição da entrada de crianças menores de 12 anos devido a preocupação com os danos psicológicos deixados por essa experiência. Com o objetivo de problematizar e sistematizar a intervenção do psicólogo nessa temática será exposto nesse trabalho a experiência cotidiana de psicólogos com a presença de crianças no ambiente de UTI para visitar familiares internados. Busca-se intervir com a mesma e sua família antes e após a entrada dela na UTI para que sejam observados as angústias, medos, fantasias expressados por ela. Acredita-se que a presença da criança nesse contexto colaborará para diminuição do medo relacionado a morte do parente e para uma melhor conceituação futura sobre hospitalização e processo de morte.

Detalhes do artigo

Como Citar
DA SILVA, . L. R.; CRESPI, . C.; GABARRA, .; NUNES, . E. P.; CERUTTI, . G. Atuação da Psicologia frente a entrada de crianças no ambiente de Terapia Intensiva. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 6, n. 13, p. 171, 2014. DOI: 10.5007/cbsm.v6i13.68954. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68954. Acesso em: 7 out. 2022.
Seção
Resumos