Narrativa e novas formas de cuidado em saúde mental

Conteúdo do artigo principal

Naiana Marinho Gonçalves
Ruzia Chaouchar dos Santos
Henrique Araujo Aragusuku
Daniela Barros da Silva Freire Andrade

Resumo

O presente estudo tem como finalidade investigar o potencial da narrativa enquanto instrumento de intervenção psicossocial capaz de suscitar processos terapêuticos em um grupo de adolescentes do CAPSI do município de Cuiabá – MT. As análise desenvolvidas apoiam-se na Teoria Histórico-Cultural – de acordo com Vigotski (2009; 2010a, 2010b), Prestes (2010) e Molon (1999; 2000; 2011), além das contribuições de Aguiar & Ozella (2006) - e a Teoria das Representações Sociais, segundo Jodelet (2001), Jovchelovitch (2008), Moscovici (2003) e Nóbrega (2001), sendo privilegiada a abordagem Ontogenética das Representações Sociais, conforme Duveen e Lloyd (2008). O estudo também se fundamenta nas contribuições teóricas de Bruner (1997; 2001; 2002) sobre a narrativa, além das considerações de Jovchelovitch & Bauer (2002). A noção de espaço narrativo proposta por Sennett (1990) citado por Andrade (2006) permite pensar a importância da significação do espaço ao longo do processo terapêutico. Tal articulação teórica é proposta no sentido de auxiliar na compreensão da narrativa enquanto um instrumento psicológico de mediação e de promoção de aprendizagem e desenvolvimento, assim como norteou as ações realizadas junto aos adolescentes usuários da referida unidade de saúde. A abordagem metodológica adotada, incialmente baseou-se na técnica de observação participante que, posteriormente, orientou a realização de oficinas socioafetivas que privilegiou a narrativa e a ludicidade enquanto instrumentos de intervenção.

Detalhes do artigo

Como Citar
GONÇALVES, . M.; DOS SANTOS, . C.; ARAGUSUKU, . A.; ANDRADE, . B. da S. F. Narrativa e novas formas de cuidado em saúde mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 8, n. 20, p. 152–174, 2016. DOI: 10.5007/cbsm.v8i20.69218. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69218. Acesso em: 2 out. 2022.
Seção
Trabalho com Cultura e Arte: Implicações em Saúde Mental e Atenção Psicossocial
Biografia do Autor

Naiana Marinho Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Graduanda em Psicologia, pela Universidade Federal de Mato Grosso, campus Cuiabá. Com ênfase curricular em Intervenções em Processos de Saúde e Sofrimento Psíquico. Tem experiência em psicologia, na modalidade de estágio básico, nos seguintes contextos de atuação, Socioeducativo, Sociocomunitário, Organizacional e do Trabalho, e em Saúde. Na modalidade de Estágio Supervisionado Específico possui experiência no campo da saúde mental infanto-juvenil, atuando em um Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSI), a partir da abordagem psicossocial. No presente momento, atua enquanto bolsista PIBIC/CNPq no Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN). Investiga principalmente temáticas voltadas aos processos de desenvolvimento humano, partindo das discussões concernentes à Teoria das Representações Sociais, Psicologia Histórico-Cultural, Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem, Educação Infantil e Estudos sobre Narrativas.

Ruzia Chaouchar dos Santos, Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) - UFMT

Mestranda da Pós-graduação em Educação (PPGE) pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá. Graduada em Psicologia pela mesma Universidade, com ênfase curricular em Intervenções em Processos de Saúde e Sofrimento Psíquico. Possui Experiência de Estágio Básico nos contextos Socioeducativo, Sociocomunitário, Organizacional e do Trabalho e em Saúde. Tem experiência de Estágio Supervisionado Específico no campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil, tratando-se de uma abordagem psicossocial junto aos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSI). Atualmente é bolsista da CAPES, e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Educação de Mato Grosso (GEPPEMAT/UFMT). E do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN).

Henrique Araujo Aragusuku, Graduado em Psicologia, pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá.

Graduado em Psicologia, pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá.

Daniela Barros da Silva Freire Andrade, Universidade Federal de Mato Grosso, campus Cuiabá.

Possui doutorado em Educação: Psicologia da Educação, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso. Na pós-graduação coordena o grupo de pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN). Tem experiência na área da Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem, Psicologia Social com ênfase em representações sociais. Atualmente desenvolve pesquisas no contexto da formação inicial de professores associadas as questões específicas da Infância, Educação Infantil e Ensino Fundamental.