Fluxos da rede de atenção psicossocial infantojuvenil: compreensão por meio da construção de itinerários

Debora Estela Massarente Pereira, Rosana Thereza Onocko-Campos

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi compreender as concepções vigentes e a organização do fluxo da Rede de Atenção Psicossocial Infantojuvenil por meio da investigação de Itinerários Terapêuticos. O referencial teórico utilizado foi a avaliação qualitativa participativa. Para a coleta de dados foram realizadas entrevistas com familiares e adolescentes, estudo de prontuários e grupo focal com trabalhadores. Com a análise dos dados foi possível identificar que independentemente das normativas ministeriais há - na prática - diferentes redes construídas a partir dos diagnósticos e da faixa etária; que os CAPSi têm sido ordenadores dos fluxos na rede; que fazem parte da rede de apoio das famílias de forma significativa; que esses serviços têm trabalhado intersetorialmente a despeito da sobrecarga de trabalho que isso parece representar para seus trabalhadores; e que ainda é preciso avançar na articulação com setores envolvidos com a promoção de fatores protetivos como o da cultura, esporte, lazer, etc. ampliando assim a possibilidade de inserção social de crianças e adolescentes, um dos objetivos primordiais da Reforma Psiquiátrica.


Palavras-chave


Saúde Mental Infantojuvenil; Itinerário Terapêutico; CAPSi, Atenção Psicossocial; Intersetorialidade.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.