Adoecimento mental no contexto dos trabalhadores rurais: um estudo de revisão integrativa

Conteúdo do artigo principal

Cláudia Farias Pezzini
https://orcid.org/0000-0001-7777-7887
Raimundo Nonato Cunha de Franca

Resumo

Os serviços de saúde mental para o trabalhador rural deveriam estar alinhados à noção de comunidade, aos princípios do Sistema Único de Saúde e principalmente articulados a indicadores que impulsionassem ações territoriais. Neste sentido, o artigo analisa os dados de Saúde Mental no contexto do trabalhador rural, buscando articulação com as Políticas Nacionais de Saúde Mental e de Saúde do Trabalhador. Tem como objetivo discutir e analisar os dados de Saúde Mental da população rural, a partir de casos de transtorno e sofrimento mental divulgados em trabalhos científicos e nas mídias escritas. Adotou-se como questão norteadora: Qual a incidência de sofrimento ou transtorno mental na população rural no território brasileiro? O estudo é de cunho qualitativo, com revisão integrativa baseada em pesquisa documental e bibliográfica. A justificativa trata da necessidade de ampliar o olhar para o contexto de sofrimento, onde o trabalhador rural está inserido, e avaliar as demandas de saúde mental dessa população, considerando a integralidade do sujeito. Resultados indicaram casos comprovados de transtorno e sofrimento mental no campo referentes a: transtorno mental comum (TMC), transtorno mental (TM), dependência química, depressão e suicídio (incluindo tentativas), violências (física, sexual e incluindo tentativas de assassinato e assassinatos) e abuso sexual. A conclusão permite afirmar que o sofrimento mental existe no contexto da ruralidade, é conhecido e divulgado, mas enquanto demanda de Saúde Pública está invisível, não entrando na agenda política de forma integral e territorial.

Detalhes do artigo

Como Citar
PEZZINI, Cláudia Farias; FRANCA, Raimundo Nonato Cunha de. Adoecimento mental no contexto dos trabalhadores rurais:: um estudo de revisão integrativa. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 15, n. 42, p. 21–42, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/71280. Acesso em: 23 maio. 2024.
Seção
Artigos originais
Biografia do Autor

Cláudia Farias Pezzini, Universidade do Estado de Mato Grosso - Unemat

Mestranda em Ambientes e Sistemas de Produção Agrícola (Unemat). Psicóloga clínica, organizacional e professora da Faest/Uniserra - MT. Pós Graduada em Gestão de Pessoas pela Unijuí - RS, em Saúde Pública pela Unopar - PR e em Políticas Públicas pela Unemat - MT.

Raimundo Nonato Cunha de Franca, Universidade Federal de Mato Grosso e Universidade do Estado do Mato Grosso

Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2006) na Área de Concentração: Política, Governo e Sociedade. Professor Adjunto na Universidade do Estado do Mato Grosso. Professor do Programa de Pós-graduação Strictu Sensu em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola e do Programa de Mestrado em Sociologia Política da UFMT.

Referências

AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995.

APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo, Atlas, 2009.

BARBOZA, Tatiane Aparecida Venâncio, FRACOLLI, Lislaine Aparecida. A utilização do "fluxograma analisador" para a organização da assistência à saúde no Programa Saúde da Família. Cad. Saúde Pública, v.21, n.4, 2005.

BOTELHO, L. L. R., CUNHA, C. C. de A., e MACEDO, M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão E Sociedade, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Relatório do II Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo e da Floresta / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão participativa– Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Caderno de Atenção Básica n. 34. Saúde Mental. Brasília, 2013.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília, 2010.

_______. Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 2.437, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre a ampliação e o fortalecimento da Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador - RENAST no Sistema Único de Saúde - SUS e dá outras providências.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília, 2013.

_______. Ministério da saúde. PORTARIA Nº 2.728, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt2728_11_11_2009.html. Acesso 06 jul. 2019

_______. Ministério da Saúde. PORTARIA GM Nº 1679 DE 19 DE SETEMBRO DE 2002. Dispõe sobre a estruturação da rede nacional de atenção integral à Saúde do trabalhador no SUS e dá outras providências.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Cadernos de Atenção Básica, n. 41. Saúde do trabalhador e da trabalhadora. Brasília, 2018.

________. Renast 2016. Implementação da Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora: Avaliação das ações desenvolvidas no período de abril de 2015 a março de 2016. CGST/DSAST/SVS/MS – Relatório da Renast 2016.

BRASÍLIA, 2011. Mulheres do Campo e da Floresta Diretrizes e Ações Nacionais. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/mulheres-do-campo-e-da-floresta-diretrizes-e-acoes-nacionais. Acesso em: 4 de abril de 2019 incluído

LACERDA T; DIAS S. E C. (Org). Cuidando da Saúde dos Trabalhadores: a atuação dos ACS. CGSAT/DSAT/SVS-MS, 2011.

COSTA NETO, Mauricio Cirilo da; DIMENSTEIN, Magda. Cuidado psicossocial em saúde mental em contextos rurais. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 25, n. 4, p. 1653-1664, dez. 2017.

CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS (CREPOP) Saúde do Trabalhador no âmbito da Saúde Pública: referências para a atuação do (a) psicólogo (a) / Conselho Federal de Psicologia (CFP). -- Brasília, CFP, 2008.

FORTES, Sandra; VILLANO, Luiz Augusto Brites; LOPES, Claudia S. Nosological profile and prevalence of common mental disorders of patients seen at the Family Health Program (FHP) units in Petrópolis, Rio de Janeiro. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 30, n. 1, p. 32-37, Mar. 2008.

MIRANDA C. (Org). Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA). Tipologia Regionalizada dos Espaços Rurais Brasileiros: implicações no marco jurídico e nas políticas públicas/Carlos Miranda (Organizador da Série). Série Desenvolvimento Rural Sustentável. v. 22. Brasília: 2017.

MOREIRA, Jessica Pronestino de Lima et al. A saúde dos trabalhadores da atividade rural no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 8, p. 1698-1708, Aug. 2015.

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVAO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. Florianopolis, v. 17, n. 4, p. 758-764, Dec. 2008.

NARDI, Henrique C & RAMMINGER Tatiana. Políticas Púbicas em Saúde Mental e trabalho: Desafios Políticos e Epistemológicos. PSICOLOGIA: CIÊNCIA E PROFISSÃO, 32 (2), 374-387. 2012. Incluído

RENAST. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador Manual de Gestão e Gerenciamento, 1ª edição, São Paulo, 2006. Disponível em: https://renastonline.ensp.fiocruz.br/sites/default/files/007_ManualRenast07.pdf. Acesso em: 11 Jul 2019.

SANTOS, Nilma Angélica dos. A divisão sexual do trabalho na agricultura familiar: entre a invisibilidade e a desvalorização do trabalho (re) produtivo de mulheres trabalhadoras rurais do município de Brejo/MA frente à expansão da monocultura de soja. Pol. Públ. São Luís, Número Especial, p. 331-337, 2016.

SOARES (Org.). Saúde mental e a Saúde da Família: abordagem em Saúde Mental. Universidade Federal do Maranhão. UNA-SUS/UFMA. São Luís, 2014.

SOUZA, Thiago Santos; MEDINA, Maria Guadalupe. Nasf: fragmentação ou integração do trabalho em saúde na APS? Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. spe2, p. 145-158, Oct. 2018.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Dias da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 102-106, 2010.

TEIXEIRA, Mônica. A crítica à Reforma Psiquiátrica, da sua implantação e de seus fundamentos: os argumentos de Valentim Gentil. Rev. latinoam. psicopatol. fundam. São Paulo, v. 8, n. 2, p. 322-345, June 2005.

VASCONCELLOS, Luiz Carlos Fadel de; AGUIAR, Luciene. Saúde do Trabalhador: necessidades desconsideradas pela gestão do Sistema Único de Saúde. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 113, p. 605-617, Apr. 2017.

WEISHEIMER, Nilson. Sobre a invisibilidade social das juventudes rurais. Desidades. Rio de Janeiro, v. 1, p. 22-27, 2013.

WHM. WORLD HEALTH ORGANIZARTION (WHM). Mental Health Atlas. França, 2017. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272735/9789241514019-eng.pdf?ua=1>. Acesso em: 14 ago. 2019.