A MENINA-MOÇA QUE ESCREVIA CARTAS. O QUE A REFORMA PSIQUIÁTRICA TEM A ENFRENTAR NO CAMPO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA?

Conteúdo do artigo principal

Ivana Carneiro Botelho
Maria Elizabeth Barros de Barros

Resumo

O artigo analisa as práticas que a Reforma Psiquiátrica tem a enfrentar no campo da Saúde Mental Infantojuvenil por meio da montagem de um caso – “A Menina-moça que escrevia cartas”.  Nas correspondências feitas pela Menina-moça havia pedidos de saída, sobretudo do Abrigo onde era institucionalizada. Com este caso, vemos o “inevitável caminho” do abrigamento, tal como é considerado pelos profissionais de instâncias encaminhadoras. Debruçamo-nos sobre os efeitos das práticas asilares, entre eles o que envolve homogeneização do cuidado, reclusão e infantilização. Junto à história da Menina-moça atravessa uma narrativa de “Maria”, que mostra, com seu jeito, maneiras de lidar com as pessoas do Abrigo, em especial, com as meninas, forçando invenções das práticas de cuidado nesta instituição e formando uma postura em campo de contestar as práticas naturalizadas.

Detalhes do artigo

Como Citar
CARNEIRO BOTELHO, Ivana; BARROS DE BARROS, Maria Elizabeth. A MENINA-MOÇA QUE ESCREVIA CARTAS. O QUE A REFORMA PSIQUIÁTRICA TEM A ENFRENTAR NO CAMPO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA?. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 15, n. 46, p. 108–128, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80232. Acesso em: 25 maio. 2024.
Seção
Artigos originais

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Caminhos para uma política de saúde mental infanto-juvenil. Brasília, 2005.

CIESP. Do confinamento ao acolhimento. Institucionalização de crianças e adolescentes com deficiência: desafios e caminhos. O cerne da questão: síntese dos dados apontados pela pesquisa. Rio de Janeiro: CIESP/Rio. 2008. 52p.Disponível em: http://www.ciespi.org.br/media/Livros%20e%20Periodicos/Livros%20e%20periodicos%20pg%203/2Do_confinamento%20ao%20acolhimento.pdf. Acesso em: 18 de Abril. 2021.

COUTO, Maria Cristina Ventura; DUARTE, Cristiane S.; DELGADO, Paulo Gabriel Godinho. A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30 (4): 384-389. São Paulo. 2008.

COUTO, Maria Cristina Ventura. Política de Saúde Mental para crianças e adolescentes: especificidades e desafios da experiência brasileira (2001-2010). Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPUB-UFRJ), 2012. 178 p.

CRUZ, Nelson Falcão de Oliveira; GONCALVES, Renata Weber; DELGADO, Pedro Gabriel Godinho. Retrocesso da reforma psiquiátrica: o desmonte da política nacional de saúde mental brasileira de 2016 a 2019. Trabalho, Educação e Saúde, 18 (3). Rio de Janeiro. 2020.

DELGADO, Pedro Gabriel Godinho. Reforma psiquiátrica: estratégias para resistir ao desmonte. Trabalho, Educação e Saúde, 17 (2). Rio de Janeiro. 2019.

LOBO, Lilia Ferreira. Os Infames da História: pobres, escravos e deficientes no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

MACHADO, Leila Domingues; LAVRADOR, Maria Cristina. Loucura e Subjetividade. In: MACHADO, Leila Domingues; LAVRADOR, Maria Cristina; BARROS, Maria Elizabeth Barros, M. E. (orgs.). Texturas da Psicologia: subjetividade e política no contemporâneo., p. 45-58. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

PILOTTI, Francisco; RIZZINI, Irene. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

TENÓRIO, Fernando. A psicanálise e a clínica da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 2001.

RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal. História da saúde mental infantil: a criança brasileira da Colônia à República Velha. Psicologia em Estudo, 11 (1): 29-38. Maringá.2006.

RIZZINI, Irene. Crianças e menores: do pátrio poder ao pátrio dever. Um histórico da legislação para a infância no Brasil. In: PILOTTI, Francisco; RIZZINI, Irene. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. p. 97-149. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

RIZZINI, Irene. et alli. Crianças e adolescentes com deficiência mental e/ou transtorno mental: entre as dimensões do confinamento e as lacunas dos dispositivos de cuidado. Texto elaborado para a IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial. Brasília, 27 de junho a 1 de julho de 2010. Disponível em: http://www.ciespi.org.br/media/Artigos/Artigos%20pag%201/2010_Criancas_Rizzini.pdf. Acesso em: 18 de Abril. 2021.

ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. (1908-1967). 1 ed especial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

SCHEINVAR, Estela. Avances y limites de la legislacion en vigor para la infancia y la adolescencia en Brasil. Revista de Estudios Sobre Juventud, 22: 112-127. México, D.F. 2005.

XAVIER, Aracely. As ações, lutas, estratégias e desafios do Movimento de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente no Espírito Santo. Dissertação de Mestrado. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2008, 167 p.