Gênero e necessidades de saúde: A perspectiva das mulheres atendidas em um Centro de Atenção Psicossocial álcool e drogas

Conteúdo do artigo principal

Priscila Souza Cugler
Wagner Santos Figueiredo

Resumo

O uso prejudicial de álcool e drogas está cada vez mais presente na vida das mulheres. A proposta do estudo foi discutir as especificidades do gênero feminino no cuidado em saúde, a partir da compreensão das necessidades de saúde das mulheres atendidas em um CAPS AD. O referencial teórico articulou o conceito de gênero, com o entrelaçamento sobre necessidades de saúde e Atenção Psicossocial. A metodologia foi a pesquisa qualitativa em saúde, com instrumento de coleta de dados uma entrevista aberta referenciada pela história oral, para a apreensão das experiências de vida das mulheres. A interpretação dos dados foi a análise de conteúdo temática. Duas categorias de análise sobressaíram: os fenômenos psicossociais, que delimitam as necessidades de saúde pelas dimensões afetivo-relacionais, por situações de violência de gênero e vivência da maternidade; e os mecanismos para o enfrentamento de dificuldades, que apresentam como necessidade de saúde a maior consciência de si e o fortalecimento dos vínculos relacionais. Podemos considerar que as construções sociais e históricas de gênero refletem as ações cotidianas das mulheres, e para algumas delas, a forma de enfrentamento se dá pela via do consumo prejudicial de substância psicoativa. Nesse sentido, a Política Nacional de Saúde Mental e a Rede de Atenção Psicossocial podem considerar, para a organização do cuidado em saúde mental das mulheres com o uso problemático de álcool ou outras drogas, a intersecção entre gênero e SPA, com os seguintes núcleos de sentido: violência, relações afetivas, maternidade e consciência de si. 

Detalhes do artigo

Como Citar
SOUZA CUGLER, P. .; SANTOS FIGUEIREDO, W. Gênero e necessidades de saúde:: A perspectiva das mulheres atendidas em um Centro de Atenção Psicossocial álcool e drogas. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 13, n. 37, p. 161-181, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80665. Acesso em: 15 ago. 2022.
Seção
Política de Saúde Mental no Brasil e Atenção Psicossocial
Biografia do Autor

Priscila Souza Cugler, Universidade Federal de São Carlos

Prefeitura Municipal de São Carlos - SP

Vínculo: Psicóloga CLT (40h)

Universidade Federal de São Carlos

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde

Programa de Pós-graduação em Gestão da Clínica

Vínculo: aluna de mestrado (concluído)

Wagner Santos Figueiredo, Universidade Federal de São Carlos

Possui graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Campos (1983), mestrado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2000) e doutorado em Medicina (Medicina Preventiva) pela Universidade de São Paulo (2008). Atualmente é professor adjunto do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e docente do Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Gestão da Clínica. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Atenção Primária, atuando principalmente nos seguintes temas: atenção primária à saúde, gênero e saúde; masculinidades e saúde; violência; equipe multiprofissional e atendimento domiciliar.

Referências

ARAÚJO, Cristiane Nelise de Paula. CORRADI-WEBSTER, Clarissa Mendonça. Percepção do familiar sobre o tratamento de usuários de drogas: revisão integrativa. Ribeirão Preto, 2019 Disponível em https://www.revistas.usp.br/smad/article/view/164019/157477> Acesso em 25 ago. 2021.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita. Cuidado: Trabalho e interação nas práticas em saúde. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Rio de Janeiro: CEPESC – IMS/UERJ – ABRASCO, 2009. Disponível em: <https://www.cepesc.org.br/wp-content/uploads/2013/08/miolo-livro-ricardo.pdf> Acesso em 17 dez. 2017.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: O Mito do Amor Materno. Rio de Janeiro, 1985. Disponível em: <http://www.redeblh.fiocruz.br/media/livrodigital%20(pdf)%20(rev).pdf> Acesso em: 19 mar. 2018.

BELLOTTI, Meyrielle et al. Família atenção psicossocial: o cuidado à pessoa que faz uso abusivo de álcool e outras drogas. São Carlos, 2017. Disponível em https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-879513 >Acesso em: 27 ago. 2021.

CAMPOS, Ioneide de Oliveira et al. Mulheres em situação de violência doméstica acompanhadas em um Centro de Atenção Psicossocial. Belém, 2020. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-25912020000300009 > Acesso em 25 ago. 2021.

CECÍLIO, Luiz Carlos Oliveira. MATSUMOTO, Norma Fumie. Uma taxonomia operacional de necessidade de saúde. In: PINHEIRO R; FERLA A F; MATTOS R A (orgs.). Gestão em Redes: tecendo os fios da integralidade em saúde. Rio Grande do Sul:EdUCS/UFRS: IMS/UERJ: CEPESC, 2006. Disponível em:http://www.cepesc.org.br/wp-content/uploads/2013/08/GEST%C3%83O-EM- REDES_RS.pdf > Acesso em 12 de fevereiro de 2016.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa Qualitativa em ciências humana e sociais. Petrópolis: Vozes, 2011.

COELHO, Luciana Pereira. PAZ, Fernanda Marques. A Dinâmica Familiar como Fator de Risco para Uso de Substâncias: uma revisão da literatura. 2020. Disponível em http://sys.facos.edu.br/ojs/index.php/perspectiva/article/view/504/408 >Acesso em 27 ago. 2021.

COSTA-ROSA, Abílio et al. Atenção Psicossocial além da Reforma Psiquiátrica: Contribuições a uma Clínica Crítica dos processos de subjetivação na Saúde Coletiva. São Paulo, 2013. Disponível em <http://editoraunesp.com.br/catalogo/9788539304813,atencao-psicossocial-alem-da-reforma-psiquiatrica> Acesso em: 26 mai. 2018.

FÉLIX, Lívia Botelho et al. “O cuidado é dobrado”: maternar no contexto da atenção psicossocial. Belém, 2020. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-25912020000300011 > Acesso em 25 ago. 2021.

KINOSHITA, Roberto Tykanori et al. Atenção psicossocial e bem viver: relato de experiência de um Projeto Terapêutico Singular pelas dimensões da Felicidade Interna Bruta. 2020. Disponível em https://www.scielo.br/j/sdeb/a/LRfLgVBwRTRRkymn7wJBcLP/?lang=pt >Acesso em 26 ago. 2021.

LUCCHESE, Roselma et al. Histórico de violência contra a mulher que vivencia o abuso de álcool e drogas. 2017. Disponível em https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-33162 >Acesso em 29 ago. 2021.

MEIHY, José Carlos Sebe; HOLANDA, Fabiola. História Oral – Como fazer como pensar. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

MENDES-GONÇALVES. Ricardo Bruno. Práticas de Saúde: processos de trabalho e necessidades. In. AYRES, J. R. e SANTOS, L. (orgs). Saúde, Sociedade & História. São Paulo – Porto Alegre: Hucitec e Rede Unida, 2017.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento – Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec, 2014.

OLIVEIRA, Daiane Santos. Vivências e enfrentamentos de mulheres que usam drogas no exercício da maternidade. Dissertação de mestrado. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2016. 176 p. Disponível em https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/20739/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o_%20Enf_%20Daiane%20Santos%20Oliveira.pdf> Acesso em 18 jan. 2018.

RESENDE, Débora Kopke. Maternidade: uma construção histórica e social. Belo Horizonte, 2017. Disponível em <http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/15251> Acesso em 12 mai. 2018.

RIBEIRO, Hewdy Lobo et al. Dependência Química na Mulher e Violência Doméstica. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em <https://www.researchgate.net/profile/Amaury_Cantilino/publication/319499304_Drug_dependence_in_women_and_domestic_violence/links/5a6f25eaa6fdcc317b195e79/Drug-dependence-in-women-and-domestic-violence.pdf?origin=publication_list > Acesso em 17 mai. 2018.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a “Economia Política do Sexo”. Florianópolis, 2012. Disponível em <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/1919 >Acesso em: 14 fev. 2018.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, Patriarcado, Violência. São Paulo: Expressão Popular e Fundação Perseu Abramo, 2015.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Porto Alegre, 1995. Disponível em <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721/40667> Acesso em 15 fev. 2018.

SOCCOL, Keyty Lais Siepmann et al. Motivos da recaída ao uso de drogas por mulheres na perspectiva da fenomenologia social. 2019. Disponível em http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/2540/677 >Acesso em 27 ago. 2021.

SOUSA, Camila Viviane Lui de. Saúde Mental, Comunicação e Gênero: Oficinas Educativas e Atenção Psicossocial. 2020. Disponível em http://anais.uel.br/portal/index.php/SGPP/article/view/1255/1060 >Acesso em 27 ago. 2021.

TARGINO, Janine. Interfaces entre gênero e dependência química: trajetórias femininas. Campinas, 2017. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/viewFile/8650126/16529 Acesso em 04 de maio de 2018.

TEIXEIRA, Juliana Magna da Silva. PAIVA, Sabrina Pereira. Violência contra a mulher e adoecimento mental. Percepções e práticas de profissionais de saúde em um Centro de Atenção Psicossocial. 2021. Disponível em https://www.scielo.br/j/physis/a/7CRjQTCrkX7RXrC7XFT3jDs/ > Acesso em 24 ago 2021.