A transferência de cuidados:

Um dispositivo para análise do cuidado compartilhado na rede de Atenção Psicossocial

Autores

Palavras-chave:

Saúde Mental, Atenção Primária à Saúde, Transferência da Responsabilidade pelo paciente, Continuidade da Assistência ao Paciente

Resumo

Trata-se de uma pesquisa qualitativa que tem o objetivo de compreender como é realizada a transferência de cuidados entre os Centros de Atenção Psicossocial e a Atenção Primária à Saúde em um município da região metropolitana de Curitiba-PR. Participaram da pesquisa doze profissionais por meio de entrevista semiestruturada e para a análise dos dados utilizou-se o referencial teórico da Análise Institucional. A transferência de cuidados é entendida e operacionalizada pelos profissionais pela lógica do encaminhamento seguido de desresponsabilização pelo usuário, isto é, um cuidado não compartilhado, predominando a continuidade do cuidado na unidade de saúde como um cuidado medicalizante. No entanto, todos os profissionais participantes da pesquisa entendem a necessidade de construir novas formas de cuidado que possibilitem a comunicação entre os serviços e elencam diversas práticas que tencionam esse paradigma instituído. Entende-se que em todo processo de institucionalização de modelos de cuidado existem os processos já instituídos e as linhas de fuga ao modelo hegemônico. Portanto, pode-se dizer que é preciso questionar os processos de trabalho e as práticas cristalizadas para que seja possível a sua superação.

Biografia do Autor

Taynara Praisner

Psicóloga, formada pela Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO). Especialista em Psicologia em Saúde pela Residência Multiprofissional em Saúde da Família da Faculdades Pequeno Príncipe (FPP) de Curitiba. Área de interesse Atenção Psicossocial, Saúde Coletiva, Saúde da Família.

Christiane Luiza Santos, Prefeitura de São José dos Pinhais-PR

Possui graduação em Odontologia pela UFPR (2003). Mestre (2015) e Doutora em Políticas Públicas pela UFPR (2019). Especialista em Saúde Coletiva pela Universidade Positivo (2008) e em Estratégia de Saúde da Família pela UFPEL (2013). Especialista em Odontopediatria pela UFPR (2009) e Especialista em Tecnologias Construtivistas Educacionais pelo IEP Sírio Libanês (2018). Pesquisa, desenvolve e suporta ações dentro da participação popular na elaboração de políticas públicas, inovações democráticas e controle social. Trabalha dentro da Saúde Coletiva nas áreas de Políticas Públicas em Saúde, Gestão em Saúde, Avaliação de Processos de Trabalho em Saúde e Tecnologias em Saúde e Atenção Primária em Saúde com foco na Territorialização, Educação Permanente, Promoção e Prevenção em Saúde e Educação Popular.

Referências

AMARANTE, Paulo. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. 4. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013.

ANDERS, Valentín et al. Etimologias de Chile. 2019. Disponível em: http://etimologias.dechile.net/?transferencia. Acesso em: 29 jan. 2019.

ANTONACCI, Milena Hohmann. Avaliação de boas práticas em saúde mental na atenção psicossocial. 2015. Tese (Doutorado em Enfermagem Psiquiátrica) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2015.

BEZERRA, Indara Cavalcante et al. “Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá”: processo de medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Interface (Botucatu), Botucatu, v.18, n.48, p. 61-74, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0650. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000100061&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 336 de 19 de fevereiro de 2002. Define e estabelece diretrizes para o funcionamento dos Centros de Atenção Psicossocial. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 19 fev. 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 23 dez. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 21 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 64 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde). ISBN 978-85-334-1582-9.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 152 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Caderno de Atenção Básica, n. 27). ISBN 978-85-334-1697-0.

CAMPOS, Gastão Wagner de Souza; DOMITTI, Ana Carla. Apoio Matricial e Equipe de Referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.23, n.2, p. 399-407, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007000200016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 ago. 2020.

COSTA-ROSA, Abílio da. O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. In: AMARANTE, Paulo (Org.). Ensaios: subjetividade, saúde mental e sociedade., p. 141-168. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000.

DANTAS, Natália Freitas; PASSOS, Izabel Christina Friche. Apoio matricial em saúde mental no sus de belo horizonte: perspectiva dos trabalhadores. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v.16, n.1, p. 201-220, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00097. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462018000100201&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 ago. 2020.

L’ABBATE, Solange. Análise Institucional e Intervenção: breve referência à gênese social e histórica de uma articulação e sua aplicação na Saúde Coletiva. Mnemosine, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p. 194-219, 2012. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/mnemosine/article/view/41580. Acesso em: 29 ago. 2020.

LOPES, Maria Lucia da Silva et al. Sim, é possível fazer conexões entre as equipes da atenção básica e domiciliar. In: MERHY, Emerson Elias (Org.). Avaliação compartilhada do cuidado em saúde: surpreendendo o instituído nas redes., p. 210-214. 1. ed. Rio de Janeiro: Hexis, 2016. 23 cm. (Políticas e cuidados em saúde; Livro 1). ISBN: 978-85-629-8719-9.

LOURAU, René. Análise Institucional e Práticas de Pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ, 1993.

LOURAU, René. Analista Institucional em Tempo Integral. São Paulo: HUCITEC, 2004.

MERHY, Emerson Elias. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In: CAMPOS, Cezar Rodrigues (Org.). Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte: reescrevendo o público., p.103-120. São Paulo: Xamã, 1998.

MERHY, Emerson Elias. O ato de cuidar como um dos nós críticos “chaves” dos serviços de saúde. Campinas: [s.n.], 1999.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. 406 p.

SILVA, Tatiana Fernandes Carpinteiro. Implementação do estágio pré-piloto e desenvolvimento de um instrumento de avaliação da fidelidade da intervenção para períodos críticos: transferência de cuidados no Rio de Janeiro. 2013. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

VASCONCELOS, Cipriano Maia de; PASCHE, Dário Frederico. O Sistema Único de Saúde. In: CAMPOS, Gastão Wagner de Souza (Org.). Tratado de Saúde Coletiva., p. 531-562. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

PRAISNER, T.; SANTOS, C. L. A transferência de cuidados:: Um dispositivo para análise do cuidado compartilhado na rede de Atenção Psicossocial. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 13, n. 37, p. 204-224, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80815. Acesso em: 26 jan. 2022.