Arte, cultura e loucura como formas de (não) reconhecimento social e resistência política

Conteúdo do artigo principal

Fabiane Helene Valmore
https://orcid.org/0000-0002-9309-8558
Anna Carolina Vicentini Zacharias
https://orcid.org/0000-0003-1100-5846
Beatriz Venancia Dias
https://orcid.org/0000-0003-0151-4663
Carla Gabriela Wünsch
https://orcid.org/0000-0002-1263-1120
Harete Vianna Moreno
https://orcid.org/0000-0002-2451-3914

Resumo

O objetivo deste estudo foi refletir os lugares da arte, cultura e da loucura na produção de reconhecimento social e resistência política tensionando os agenciamentos e forças transversalizadas no contexto da Luta Antimanicomial. Trata-se de um recorte de pesquisa autoetnográfica realizada em serviços públicos de saúde mental na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Utilizando da Análise de Conteúdo do material produzido em entrevistas semiestruturadas realizada com os artistas destes serviços, notou-se o potencial da arte na produção de ressignificação de trajetórias de vida e de resistência política, todavia, o autorreconhecimento encontra limites impostos pela instituição artística e pelo contexto sociopolítico.

Detalhes do artigo

Como Citar
VALMORE, Fabiane Helene; VICENTINI ZACHARIAS, Anna Carolina; DIAS, Beatriz Venancia; WÜNSCH, Carla Gabriela; VIANNA MORENO, Harete. Arte, cultura e loucura como formas de (não) reconhecimento social e resistência política. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 15, n. 42, p. 129–152, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80844. Acesso em: 20 maio. 2024.
Seção
Artigos originais
Biografia do Autor

Fabiane Helene Valmore, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Bacharel em Ciências Sociais e mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná - UFPR. Tecnóloga Mecânica. Professora na Educação Profissional da Secretaria de Estado da Educação do Paraná.

Anna Carolina Vicentini Zacharias, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Graduada e Licenciada em Letras na UNESP Araraquara. Mestra em Teoria e História Literária pela UNICAMP.

Beatriz Venancia Dias, Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

Psicóloga. Especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP-Fiocruz). Mestranda do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde da UNIFESP. Membra do Observatório de Saúde Mental de Crianças, Jovens e Adultos nas Sociedades Contemporâneas.

Carla Gabriela Wünsch, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal de Pelotas. Docente da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Mato Grosso.

Harete Vianna Moreno, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo - FSP-USP

Doutoranda em Ciências - Faculdade de Saúde Pública/USP. Mestra em Ensino de Ciências da Saúde - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Fonoaudióloga na Prefeitura de São Paulo.

Referências

AMARANTE, Paulo; TORRE, Eduardo H. G. “Loucura e diversidade cultural: inovação e ruptura nas experiências de arte e cultura da reforma psiquiátrica e do campo da saúde mental no Brasil”. In: Interface – Comunicação, Saúde, Educação, [S.L.], v. 21, n. 63, p. 763-774, dez. 2017. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0881>. Acesso em: 14 mar. 2021.

AMORIM, Ana Karenina de M. A. A.; SEVERO, Ana Kalliny de S. S. “Saúde mental, cultura e arte: discutindo a reinserção social de usuários da rede de atenção psicossocial”. In: Gerais, Rev. Interinst. Psicol., Belo Horizonte, v. 12, n. 2, p. 282-299, dez. 2019. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.36298/gerais2019120207>. Acesso em: 29/03/2021.

ARTAUD, Antonin. Pra dar um fim no juízo de Deus. Podcast Teatro Oficina. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=NDRRKJQw4w4>. Acesso em: 18 abr. 2021.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da Ciência: por uma sociologia clínica no campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

CANGUILHEM, Georges. O Normal e o Patológico. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 1995.

DELGADO, Pedro. Reforma psiquiátrica: estratégias para resistir ao desmonte. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, e0020241, 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00212>. Acesso em: 19 abr. 2021.

DESVIAT, Manuel (Org.). Coabitar a diferença: da reforma psiquiátrica à saúde mental coletiva. Coordenação de Paulo Amarante. Tradução: Marta Donila Claudino. 1ª ed. São Paulo: Zagodoni, 2018. 248p.

FANON, Frantz. “O negro e a linguagem”. In: Pele negra, máscaras brancas. São Paulo: UBU, 2020, pp. 31-54.

FOUCAULT, Michel. O Enigma da Revolta. São Paulo: Ed. N-1, 2018.

______. História da Loucura. São Paulo: Perspectiva, 2017, p. 530.

GONÇALVES, Vera F.; YAMAGUTI, Claudiney A.; KALCKMANN, Suzana. “Arte-cultura como possibilidade terapêutica na qualidade de vida dos usuários dos serviços de saúde mental: avaliação das experiências do município de Carapicuíba – SP”. In: BIS. Boletim do Instituto de Saúde, v. 20, n. 1, p. 117-123, 31 jul. 2019.

KRENAK, Aylton. Ideias para adiar o fim do mundo. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LOBOSQUE, Ana M. Experiências da loucura. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. 176p.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Trad.: Renata Santini. São Paulo: N-1, 2018. 80p.

MINAYO, Maria. C. de S. “Técnicas de análise de material qualitativo: análise de conteúdo”. In: MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec, 2014, pp. 303-360.

MIRANDA, André. “Obras de artistas da Colônia Juliano Moreira têm destino incerto”. In: O Globo, 09 de setembro de 2012. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/obras-de-artistas-da-colonia-juliano-moreira-tem-destino-incerto-6035667>. Acesso em: 18 abr. 2021.

ØRJASÆTER, Kristin Berre; STICKLEY, Theodore; HEDLUND, Marianne; NESS, Ottar. Transforming identity through participation in music and theatre: exploring narratives of people with mental health problems. International Journal Of Qualitative Studies On Health And Well-Being, [S.L.], v. 12, n. 1, p. 1379339, jan. 2017. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/17482631.2017.1379339.

PORTUGAL, Clarice M.; MEZZA, Martin; NUNES, Monica. “A clínica entre parênteses: reflexões sobre o papel da arte e da militância na vida de usuários de saúde mental*”. In: Physis: Revista de Saúde Coletiva, [S.L.], v. 28, n. 2, pp. 1-19, 13/08/2018. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312018280211>. Acesso em: 19 mar. 2021.

RIBEIRO, Sérgio L. “A Criação do Centro de Atenção Psicossocial Espaço Vivo”. In: Psicologia, ciência e profissão, n. 24, v. 3, pp. 92-99, 2004. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/pcp/v24n3/v24n3a12.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2021.

RIVERA, Karina. “Minha loucura é ser artista” (entrevista com Arlindo Oliveira da Silva). In: CIEDS. 07/10/2019. Disponível em: <https://www.cieds.org.br/noticias/detalhe/minha-loucura-e-ser-artista>. Acesso em: 19 abr. 2021.

SZASZ, Tomas. O Mito da Doença Mental: Fundamentos de uma teoria da conduta pessoal. São Paulo: Círculo do Livro, 1988.

SILVA, Guilherme B.; FERRETE, Yuri A.; HOLANDA, Adriano F. “A consolidação do modelo asilar: a legislação brasileira de 1930 a 1966”. In: Pluralidades em Saúde Mental, v. 8, n. 2, 2019, pp. 129-142. Disponível em: <https://revistapsicofae.fae.edu/psico/article/view/252>. Acesso em: 29 mar. 2021.

SILVA, Mario A. M. A descoberta do insólito: literatura negra e literatura periférica no Brasil (1960-2000). Tese de Doutorado. Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). São Paulo: UNICAMP, 2011. 448p.

YASUI, Silvio. Rupturas e encontros: desafios da reforma psiquiátrica brasileira. 2006. 208f. Tese de Doutorado. Curso de Doutorado em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2006.

ZACHARIAS, Anna C. V. Stella do Patrocínio: da internação involuntária à poesia brasileira. Dissertação de Mestrado. Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas: UNICAMP, 2020.