Os Caminhos da Contrarreforma Psiquiátrica Brasileira Um estudo documental

Conteúdo do artigo principal

Clara Parente Barreto Oka
Pedro Henrique Antunes Costa

Resumo

Diante de significativas mudanças legislativas e ideológicas no bojo das políticas sociais no Brasil, o presente estudo buscou examinar como tem se estruturado o movimento de Contrarreforma Psiquiátrica na realidade brasileira a partir de 2015. Além de analisar objetivamente as mudanças ocorridas na esfera da Saúde Mental e da Política de Drogas, esse artigo busca discuti-las transversal e intersetorialmente, na perspectiva de promover maior compreensão dos elementos políticos e sociais imbricados - e que dirigem - esse processo. Trata-se de uma pesquisa documental de abordagem qualitativa. Foram analisados documentos estatais de diversas naturezas (leis, portarias, resoluções) que impactam direta ou indiretamente o campo da SM entre 2015-2020. Após delimitação do corpus de análise, os documentos foram submetidos à análise de conteúdo temática, seguida da extração dos focos de incidência e elaboração a posteriori de categorias. Observou-se uma tendência emergente de retrocessos e desmontes no campo das políticas de saúde, que se materializam em seis principais frentes: a) desmonte sistemático dos serviços de base territorial, b) reinstituição da lógica hospitalocêntrica e asilar-manicomial, c) absolutismo médico-psiquiátrico, d) perspectiva moral-religiosa no âmbito das drogas, e) violação dos direitos humanos e f) privatização e mercantilização do cuidado. Essa ofensiva neoliberal sublinha a necessidade de se pensar com autocrítica dentro da LA e da RP e evidencia que a discussão da loucura extrapola os campos da psiquiatria e dialoga com a exploração e opressão na e pela sociedade capitalista. Assim, pensar a superação dos mecanismos manicomiais implica obrigatoriamente esboçar transformações em outras dimensões da realidade.

Detalhes do artigo

Como Citar
PARENTE BARRETO OKA, .; HENRIQUE ANTUNES COSTA, . Os Caminhos da Contrarreforma Psiquiátrica Brasileira: Um estudo documental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 14, n. 40, p. 01–29, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80847. Acesso em: 3 fev. 2023.
Seção
Artigos originais

Referências

AMARANTE, P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 491-494, 1995.

AMARANTE, P. Arquivos de saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2003.

AMARANTE, P.; NUNES, M. O. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios, Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 2067-2074, 2018.

AMARANTE, P. Mudanças na Política Nacional de Saúde Mental: participação social atropelada, de novo. Boletim informativo do Observatório de Análise Política em Saúde (OAPS) e do Centro de Documentação Virtual (CDV), Salvador, n. 15, p. 5-6, 2018.

BARCELLOS, W. S. Políticas Nacional de Drogas: um objeto de intervenção ao serviço social brasileiro. Anais do XVI Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social, v. 16, n. 1, p. 1-19, 2018.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 1990.

BRASIL. Lei 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: Casa Civil, 2001.

BRASIL. Portaria nº 1.482, de 25 de outubro de 2016. Inclui na Tabela de Tipos de Estabelecimentos de Saúde do Cadastro Nacional de 108 Estabelecimentos de Saúde - CNES o tipo 83 - Polo de Prevenção de Doenças e Agravos de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Portaria de Consolidação nº 6, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2017a.

BRASIL. Portaria nº 3.992, de 28 de dezembro de 2017. Altera a portaria de consolidação nº 6/GM/MS, para dispor sobre o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços públicos de saúde do Sistema Único de Saúde. 2017b.

BRASIL. Portaria de consolidação nº 3, 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as redes do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2017c.

BRASIL. Resolução n. 32, de 14 de dezembro de 2017. Brasília: Ministério da Saúde, 2017d.

BRASIL. Portaria 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as portarias de consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2017e.

BRASIL. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução nº 35, de 25 de janeiro de 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2018a.

BRASIL. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução nº 36, de 25 de janeiro de 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2018b.

BRASIL. Portaria nº 3.659, de 14 de novembro de 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2018c.

BRASIL. Portaria nº 3.718, de 22 de novembro de 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2018d.

BRASIL. Portaria nº 544, de 7 de maio de 2018. Define diretrizes para o cadastro do novo porte de Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e Outras Drogas do Tipo IV (CAPS AD IV) Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2018e.

BRASIL. Portaria nº 2.434, de 15 de agosto de 2018. Altera a Portaria de Consolidação n° 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para reajustar o valor das diárias de internação hospitalar acima de 90 (noventa) dias do Incentivo para Internação nos Hospitais Psiquiátricos. Brasília: Ministério da Saúde, 2018f.

BRASIL. Resolução nº 1, de 9 de março de 2018. Define as diretrizes para o realinhamento e fortalecimento da PNAD - Política Nacional sobre Drogas. Brasília: Ministério da Justiça, 2018g.

BRASIL. Nota Técnica nº 11/2019, de 4 de fevereiro de 2019. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2019a.

BRASIL. Decreto nº 9.761, de 11 de abril de 2019. Aprova a Política Nacional sobre Drogas. Brasília: Presidência da República, 2019b.

BRASIL. Decreto nº 9.926, de 19 de julho de 2019. Dispõe sobre o Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas. Brasília: Presidência da República, 2019c.

BRASIL. Lei nº 13.840, de 5 de junho de 2019. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes de drogas e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas. Brasília: Casa Civil, 2019d.

BRASIL. Resolução nº 3, de 24 de julho de 2020. Regulamenta, no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad, o acolhimento de adolescentes com problemas decorrentes do uso, abuso ou dependência do álcool e outras drogas em comunidades terapêuticas. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2020a.

BRASIL. Portaria nº 1.325, de 18 de maio de 2020. Revoga o Capítulo III, do Anexo XVIII da Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, que trata do "Serviço de Avaliação e Acompanhamento de Medidas Terapêuticas Aplicáveis à Pessoa com Transtorno Mental em Conflito com a Lei", no âmbito da Política Nacional de Atenção às Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional. Brasília: Ministério da Saúde, 2020b.

BRASIL. Portaria nº 69, de 14 de maio de 2020. Aprova recomendações gerais para a garantia de proteção social à população em situação de rua, inclusive imigrantes, no contexto da pandemia do novo Coronavírus, Covid-19. Brasília: Ministério da Cidadania, 2020c.

BRAVO, M. I. S.; VASCONCELOS, A. M. (Orgs). Serviço Social e Saúde. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: UERJ, 2004.

CAPUTO, L. R.; TOMAZ, M.; BEDIM, V. B.; DUARTE, M. J. O. A saúde mental em tempos de desafios e retrocessos: uma revisão. Argumentum, Vitória, v. 12, n. 2, p. 91-106, 2020.

CARDOSO, A. J. C.; TRINO, A.; PEDRA, M.; MEDEIROS, P. P. (2014). Reforma Psiquiátrica e a Política Nacional de Saúde Mental, Tempus actas de saúde coletiva, Brasília, v. 8, n. 1, p. 57-63, 2014.

CAVALCANTE. R. O social para a saúde mental sob a contrarreforma neoliberal. Argumentum, Vitória, v. 12, n. 2, p. 36-43, 2020.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA; MECANISMO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE À TORTURA; MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas – 2017. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2018.

COSTA, P. H. A.; MENDES, K. T. Contribuição à crítica da economia política da Contrarreforma Psiquiátrica Brasileira. Argumentum, Vitória, v. 12, n. 2, p. 44-59, 2020.

COSTA, P. H. A.; COLUGNATI, F. A. B; RONZANI, T. M. Avaliação de serviços em saúde mental no Brasil: revisão sistemática da literatura. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 10, p.3243-3253, 2015.

DELGADO, P. G. Limites para a inovação e pesquisa na reforma psiquiátrica. Physis, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 13-18, 2015.

FILHO, I. M. M. et al. Retrocesso nas políticas nacionais de saúde mental e de álcool e outras drogas no brasil a partir da nota técnica n°11/2019. Revisa, v. 8, n. 2, p. 115-118, 2019.

GOMES, T. M. S. Reforma Psiquiátrica e formação sócio-histórica brasileira: elementos para o debate. Revista Argumentum, Vitória, v. 10, n. 3, p. 24-34, 2018.

GOULART, M. S. B. A construção da mudança nas instituições sociais: a reforma psiquiátrica. Pesquisas e práticas psicossociais, São João del-Rei, v. 1, n. 1, p. 1-19, 2006.

GOULART, M. S. B.; DURÃES, F. A Reforma e os hospitais psiquiátricos: histórias da desinstitucionalização. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 112-120, 2010.

GUIMARÃES, T. A. A.; ROSA, L. C. S. A remanicomialização do cuidado em saúde mental no Brasil no período de 2010-2019: análise de uma conjuntura antirreformista. O Social em Questão, Rio de Janeiro, n. 44, p. 111-138, 2019.

HEIDRICH, A. V. Reforma Psiquiátrica à Brasileira: análise sob a perspectiva da desinstitucionalização. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Rio Grande do Sul, 2007.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Nota Técnica. Perfil das Comunidades Terapêuticas Brasileiras. Brasília: IPEA, 2017.

LIMA, D. K. R. R.; GUIMARÃES, J. Articulação da Rede de Atenção Psicossocial e continuidade do cuidado em território: problematizando possíveis relações. Physis, Rio de Janeiro, v. 29, n. 3, 1-20, 2019.

LUSSI, I. A. O. et al. Saúde mental em pauta: afirmação do cuidado em liberdade e resistência aos retrocessos. Caderno Brasileiro de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 27, n.1, p. 1-3, 2020.

MAIOR, N. M. S. S.; SILVA, B. L.; COSTA, R. O. As inflexões da contrarreforma do Estado na política de Saúde Mental: os caminhos da reforma psiquiátrica. Anais do XVI Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social, v. 16, n. 1, p. 1-12, 2018.

PASSOS, E. H.; SOUZA, T. P. Redução de danos e saúde pública: construções alternativas à política global de "guerra às drogas". Psicologia e sociedade, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 154-162, 2011.

PITTA, A. M. F. Um balanço da Reforma Psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 12, p. 4579-4589, 2011.

PRUDENCIO, J. D. L.; SENNA, M. C. M. Retrocessos na atenção a usuários de álcool e outras drogas. Argumentum, Vitória, v. 10, n. 3, p. 79-93, 2018.

RIBEIRO, F. M. L.; MINAYO, M. C. S. As comunidades terapêuticas religiosas na recuperação de dependentes de drogas: o caso de Manguinhos, Interface, Botucatu, v. 19, n. 5, p. 515-526, 2015.

SAMPAIO, M. L.; JÚNIOR, J. P. B. Rede de Atenção Psicossocial: avaliação da estrutura e do processo de articulação do cuidado em saúde mental. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 37, n. 3, p. 1-16, 2021.

VASCONCELOS, E. M. A gravidade do neoliberalismo radical pós 2008 e nossas estratégias de resistência. Argumentum, Vitória, v. 12, n. 2, p. 8–26, 2020.