MULHERES EM SITUAÇÃO DE RUA: UM ESTUDO SOBRE VULNERABILIDADES SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO UM ESTUDO SOBRE VULNERABILIDADES SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO

Conteúdo do artigo principal

Ingride Souza Lima
Rafael Coelho Rodrigues
Dóris Firmino Rabelo

Resumo

Este artigo objetivou-se através da revisão integrativa de literatura, identificar as principais vulnerabilidades sociais decorrentes das desigualdades de gênero que são vivenciadas por mulheres em situação de rua. Foi realizada uma revisão bibliográfica na literatura científica, por meio das bases de dados: BVS/LILACS e SCIELO, entre os anos 2010 e 2020 utilizando a análise descritiva de dados. Foram identificadas cinco categorias de análise, que demonstram que as mulheres em situação de rua vivenciam um processo de invisibilização dos processos de desigualdades sociais, racial e de gênero.

Detalhes do artigo

Como Citar
SOUZA LIMA, Ingride; COELHO RODRIGUES, Rafael; FIRMINO RABELO, Dóris. MULHERES EM SITUAÇÃO DE RUA: UM ESTUDO SOBRE VULNERABILIDADES SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO: UM ESTUDO SOBRE VULNERABILIDADES SOCIAL, RACIAL E DE GÊNERO. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 15, n. 46, p. 60–83, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/81341. Acesso em: 25 maio. 2024.
Seção
Artigos originais

Referências

ALCANTARA, C. S.; ABREU, D. P.; FARIAS, A. A. Pessoas em Situação de Rua: das Trajetórias de Exclusão Social aos Processos Emancipatórios de Formação de Consciência, Identidade e Sentimento de Pertença. Revista Colombiana de psicologia, Bogotá , v. 24, n. 1, p. 129-143, 2015.

ANDES. Portaria da Capes corta bolsas de diversos programas de pós-graduação. 2020.

ASNAKE, M. A importância da publicação científica para o desenvolvimento da saúde pública. Rio de Janeiro, Ciênc. saúde coletiva, v.20, n.7, 2015.

BARBOSA, J. C. G. Implementação das políticas públicas voltadas para a população em situação de rua: desafios e aprendizados. Ipea, 2018.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Meta Instituto de Pesquisa de Opinião. Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Brasília (DF): Meta Instituto de Pesquisa de Opinião, SAGI, 2008.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Rua: aprendendo a contar - pesquisa nacional sobre a população em situação de rua. Brasília: Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação, 2009.

CAMPELLO, T. et al. Faces da desigualdade no Brasil: um olhar sobre os que ficam para trás. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. 3, p. 54-66, 2018.

CAMPOS, D. A.; CARDOSO, H. M.; MORETTI-PIRES, R. O. Vivências de pessoas LGBT em situação de rua e as relações com a atenção e o cuidado em saúde em Florianópolis, SC. Saúde em debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. spe8, p. 79-90, 2019 .

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

DE ANTONI, C.; ASSMANN, A. M. As Violências Institucional e Estrutural Vivenciadas por Moradoras de Rua. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 21, n. 4, p. 641-651, 2016.

FARIAS, V. C. C. Possibilidades de inserção/reinserção produtiva dos moradores de rua no município de Porto Alegre.2007. 139 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

FIPE, FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONOMICAS. Pesquisa censitária da população em situação de rua, caracterização socioeconômica da população adulta em situação de rua e relatório temático de identificação das necessidades desta população na cidade de São Paulo. São Paulo, 2015.

FLORES, J. 'Dignidade menstrual': Brasil ainda está longe de ser a Escócia? ’. Universa Uol, 2020.

FRANGELLA, S. M. Corpos urbanos errantes: uma etnografia da corporalidade de moradores de uma rua em São Paulo. 2004. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, São Paulo, 2004.

GOMES, J. D. G. Primeira infância e maternidade nas ruas da cidade de São Paulo. Relatório de pesquisa. São Paulo: USP, 2017.

HONORATO, B. E. F.; OLIVEIRA, A. C. S. População em situação de rua e COVID-19. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 54, n. 4, p. 1064-1078, 2020.

INSTITUTO PATRICIA GALVÃO. Dossiê violência contra mulher Violência e Racismo. In: Violência contra as mulheres, 2015.

NIELSEN, S. F. et al. Psychiatric disorders and mortality among people in homeless shelters in Denmark: a nationwide register-based cohort study. The Lancet, v. 377, n. 9784, p. 2205-2214, 2011.

PASSOS, S. M. B. Mulheres/mães usuárias de crack: histórias de desproteção social. 2016. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

PRADO, M. A. M.; MACHADO, F. V. Preconceito contra homossexualidades: hierarquia da invisibilidade. São Paulo: Cortez, 2008.

ROSA, A. S.; BRETAS, A. C. P. Violence in the lives of homeless women in the city of. Interface, comunicação, saúde, educação, São Paulo, v. 19, n. 53, p. 275-285, 2015.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. 1.ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, p. 151, 2004.

SCAVONE, L. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Caderno Pagu, Campinas, n. 16, p. 137-150, 2001.

SANTOS, T. E. S. A visão do trabalho entre pessoas LGBT em situação de rua (monografia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

SILVA JUNIOR, F. J. G.; MONTEIRO, C. F. S. Os significados da morte e do morrer: a perspectiva de usuários de crack. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 20, n. 2, p. 378-383, 2012.

SOUZA, J. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

MESSAS, et al. Por uma psicopatossociologia das experiências dos usuários de drogas nas cracolândias/cenas de uso do Brasil. In: SOUZA, JESSÉ. (Org.). Crack e exclusão social. Brasília. Ministério da Justiça e Cidadania. Secretaria Nacional de Política sobre Drogas, p. 163, 2016.

SOUZA, M. T; SILVA, M. D; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, São Paulo, vol.8 n.1, 2010.

RAUPP, L.; ADORNO, R. C. F. Territórios psicotrópicos na região central da cidade de Porto Alegre, RS, Brasil. Saúde e Sociedade, v. 24, n. 3, p. 803-815, 2015.

RILEY, E. D. et al. Risk factors for stimulant use among homeless and unstably housed adult women. Drug Alcohol Depend, 2015.

TAKEUCHI, J. C. S. Vidas nas ruas e IST-AIDS: sobrevivência e riscos na cidade de Santos. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Serviços Sociais) – Universidade Federal de São Paulo, Santos, 2018.

ZANELLO, V. Dispositivo materno e processos de subjetivação: desafios para a psicologia. In: ZANELLO, VALESKA; PORTO, MADGE (Org.). Aborto e (não) desejo de maternidade (s): questões para a psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, p. 103-122, 2016.