Avaliação do sistema de combate às fraudes corporativas no Brasil

Luiz Carlos Jacob Perera, Eduardo Costa de Freitas, Joshua Onome Imoniana

Resumo


Este estudo investiga a eficiência do Sistema de Controles Internos (SCI) no combate às fraudes corporativas. Com o apoio de um survey, respondido por 156 profissionais da área de auditoria, foi possível ter um alcance nacional. Entre os principais resultados, verificou-se que as atividades vinculadas ao SCI têm desempenhado de forma eficaz as funções de combate às fraudes corporativas. Considerando as três ramificações da Árvore da Fraude: ‘corrupção’ e ‘apropriação indébita de ativos’ são fraudes combatidas com maior eficiência pelo canal de denúncias, controles internos e compliance; fraudes em ‘demonstrativos financeiros’, normalmente, vinculadas ao alto escalão corporativo, são percebidas com maior precisão pela auditoria externa. 


Palavras-chave


Sistema de controles internos (SCI). Fraudes corporativas. Comitê de auditoria. Compliance. Canal de denúncias.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMO, P. Pesquisa em Ciências Sociais. In HIRANO, Sedi. Pesquisa Social, Projeto e Planejamento. São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 1979.

ABREU, C. A Economia da Corrupção nas Sociedades Desenvolvidas Contemporâneas. Porto: Fronteira do Caos, 2011.

ALBRECHT, C.; KRANACHER, M.; ALBRECHT, S. Asset Misappropriation Research White Paper for the Institute for Fraud Prevention (2008). Institute Fraud Prevention. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2012.

AMERICAN INSTITUTE OF CERTIFIED PUBLIC ACCOUNTANTS (AICPA). Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2011.

ANTUNES, J. Contribuição ao Estudo da Avaliação de Risco e Controles Internos na Auditoria de Demonstrações Contábeis no Brasil. Dissertação (Mestrado em Contabilidade). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

ARAÚJO, G. V. O Combate à Corrupção no Brasil: Desafios e Perspectivas - I Concurso de Monografias e Redações – Controladoria Geral da União – 2005. Disponível em . Acesso em: 12 set. 2011

ARAÚJO, M.; SANCHEZ, O. A. A Corrupção e os Controles Internos do Estado. Lua Nova Revista de Cultura e Política, São Paulo, v. 65, p. 137-173, 2005.

ARRUÑADA, B. Audit Failure and the Crisis of Auditing. European Business Organization Law Review. v. 5, n. 4, p. 635-643, 2004.

ASSOCIATION OF CERTIFIED FRAUD EXAMINERS (ACFEa, 2010). Fraud Tree. Disponível em: Acesso em: janeiro 2013.

ASSOCIATION OF CERTIFIED FRAUD EXAMINERS (ACFEb, 2010). Report to the Nations – On Occupational Fraud and Abuse (2010). Global Fraud Study. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2011.

ASSOCIATION OF CERTIFIED FRAUD EXAMINERS (ACFEa, 2012). Anti-Fraud Resource Guide; First Quarter 2012; What Lurks Inside the Fraudster’s Mind? Disponível em: . Acesso em: janeiro 2013.

ASSOCIATION OF CERTIFIED FRAUD EXAMINERS, (ACFEb, 2012). Report to the Nations. On Occupational Fraud and Abuse (2012). Global Fraud Study. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2012.

BIERSTAKER, J. L.; BRODY, R. G.; PACINI, C. Accountants’ Perceptions Regarding Fraud Detection and Prevention Methods. Managerial Auditing Journal, v. 21, n. 5, 2006.

BLANQUÉ, P. Crisis and Fraud. Journal of Financial Regulation and Compliance, v. 11, n. 1, p. 1, 2002.

COMMITTEE OF SPONSORING ORGANIZATIONS OF TREADWAY COMMISSION (COSO). Internal Control, Integrated Framework. United States. 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2012.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). NBC TI 01 (2003). Da Auditoria Interna. Resolução do CFC n. 986/03. Dispõe sobre o item 12 da NBC TI 01. Normas de auditoria interna, proporcionando esclarecimentos adicionais sobre a responsabilidade do auditor interno nas fraudes e erros. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2011.

COZBY, P. C. Métodos de Pesquisa em Ciências do Comportamento. São Paulo: Atlas, 2001.

DANTAS, J. A.; ZENDERSKY, H. C.; SANTOS, S. C.; NIYAMA, J. K. A dualidade entre os benefícios do disclousure e relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. E & G Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 5, n. 11, p. 56-76, 2005.

DORMINEY, W. J.; FLEMING, A.S; KRANACHER, M.; RILEY JR., A. R. Beyond the Fraud Triangle: Enhancing Deterrence of Economic Crimes. Journal of the Association of Certified Fraud Examiners. Fraud Magazine, Austin-TX, U.S.A., v. 26, n. 5, Sep/Oct, 2011.

EMPRESA LIMPA. Dicionário Empresa Limpa – Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2012.

ERNST & YOUNG. Driving ethical growth - new markets, new challenges (2010). Disponível em: www.ey.com/Publication/vwLUAssets/Driving_ethical_growth_new_markets,new_ challenges:_11th_Global_Fraud_Survey/$FILE/EY_11th_Global_Fraud_Survey.pdf. Acesso em: 2 dez. 2012.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (FIESP). Corrupção: custos econômicos e propostas de combate. Questões para Discussão, março de 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DOS AUDITORES (IBRACON). Normas Internacionais de Auditoria e Código de Ética Profissional, 1998.

INSTITUTO DOS AUDITORES INTERNOS DO BRASIL (IIA). Normas Internacionais para Prática Profissional de Auditoria Interna (Normas) – Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2011.

IRWIN, T. H. Cornell University. A Ética como uma Ciência Inexata - as Ambições de Aristóteles para a Teoria Moral. Analytica, v. 1, n. 3, p. 13, 1996.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs and Ownership Structure. Journal of Financial Economics, v. 3, p. 305-360, Oct. 1976.

KPMG. Transaction and Forensic Services Ltda. A fraude no Brasil: Relatório da Pesquisa. Setembro, 2009.

LIKERT, Rensis. A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology, v. 22, n. 140, p. 5-55, NY: June, 1932.

MACIEL, F. G. O Combate à Corrupção no Brasil: Desafios e Perspectivas. I Concurso de Monografias e Redações – Controladoria Geral da União – 2005.

MOORE, D. A.; TETLOCK, P. E; TANLU, L. e BAZERMAN, M. H. Conflicts of Interest and the Case of Auditor Independence: Moral Seduction and Strategic Issue Cycling. Academy of Management Review, v. 31, n. 1, p. 10-29, 2006.

MURCIA, F. D.; BORBA, J. A.; SCHIEHLL, E. Relevância dos Red Flags na Avaliação do Risco de Fraudes nas Demonstrações Contábeis: A Percepção de Auditores Independentes Brasileiros. Revista Universo Contábil. Blumenau, v. 4, n. 1, jan./mar., p. 25-45, 2008.

PEREIRA, A. C.; NASCIMENTO, W. S. Um Estudo sobre a Atuação da Auditoria Interna na Detecção de Fraudes nas Empresas do Setor Privado no Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Gestão de Negócios. FECAP Ano 7. n. 19, set./dez., 2005.

PRICEWATERHOUSECOOPERS (PwC, 2011). Economic crime: people, culture and controls. Disponível em: ; Acesso em: 11 nov.2012.

ROCKNESS, H.; ROCKNESS, J. Legislated Ethics: From Enron to Sarbanes-Oxley, the Impact on Corporate America – Journal of Business Ethics, v. 57, p. 31-54, 2005.

SÁ, A. L.; HOOG, W. A. Z. Corrupção, Fraude e Contabilidade. Curitiba. 3. ed. Juruá Editora, 2010.

SÁ, A. L. Fraude em Balanços. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1962.

SANCHES, M. V. Sistemas de Controles Internos e de Fiscalização em Demonstrações Contábeis: Uma Análise Crítica de Normas Específicas. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis). Pós-Graduação em Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

SANTOS, R.; AMORIM, C.; HOYOS, A. Corrupção e Fraude: Princípios Éticos e Pressão Situacional nas Organizações. Journal on Innovation and Sustainability. v. 1, n. 2, 2010.

SIEGEL, S. Estatística não paramétrica. Rio de Janeiro: McGraw Hill, 1975.

SILVA, A. H. C; CARDOZO, J. S. S. Teoria dos Escândalos Corporativos: Uma Análise Comparativa de Casos Brasileiros e Norte-americanos. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ. Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 105-108, jan./abr., 2012.

SILVA, L. M. Contabilidade Forense: Princípios e Fundamentos. São Paulo: Atlas, 2012.

SIMÕES, E. D. A Economia da Corrupção nas Sociedades Desenvolvidas Contemporâneas. Porto: Fronteira do Caos, 2011.

WELLS, J. T. Principles of Fraud Examination. 2nd. ed. New Jersey: Wiley, 2008.

YALLAPRAGADA, R.; ROE, C. W.; TOMA, A. G. Accounting Fraud, and White-Collar Crimes in the United States. Journal of Business Case Studies. v. 8, n. 2, p. 187-192, mar./apr. 2012.

YIN, R. K. Estudo de Caso, Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2014v11n23p3



Locations of visitors to this page

Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, Brasil. ISSN (impresso)1807-1821 - ISSN (eletrônico) 2175-8069