Informações contábeis tempestivas: uma análise dos mecanismos isomórficos do processo de fechamento contábil

Autores

  • Gisele Fernanda Salvador Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado
  • Claudio Parisi Fecap - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado
  • Ivam Ricardo Peleias Fecap - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado
  • Reinaldo Guerreiro Professor Titular do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8069.2018v15n36p119

Palavras-chave:

Isomorfismo, Teoria Institucional, Contabilidade Gerencial, Fechamento Contábil

Resumo

Organizações preocupadas com sua continuidade e crescimento despendem considerável esforço para obter eficácia e conferir eficiência aos sistemas de controle gerencial. Esta pesquisa teve como objetivo conhecer a influência dos mecanismos isomórficos no processo de fechamento contábil tempestivo. É um estudo de caso acerca dos processos de uma organização multinacional representativa no segmento em que atua. Foram realizadas entrevistas, aplicados questionários e analisados filmes institucionais, para identificar e avaliar a ação das contribuições por meio de exames dos três mecanismos do isomorfismo em relação ao fechamento contábil tempestivo. Constatou-se que não há relação entre os três mecanismos do isomorfismo. Foi identificada uma influência relativa do isomorfismo mimético, por conta do Sistema Toyota de Produção, uma forte influência do mecanismo coercitivo por influência da matriz em relação à tempestividade do fechamento contábil, não tendo sido identificada evidência relativa à influência do isomorfismo normativo.

Biografia do Autor

Gisele Fernanda Salvador, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Mestre em Ciências Contábeis na Fecap - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Claudio Parisi, Fecap - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Doutor em Controladoria e Contabilidade na Universidade de São Paulo

Professor-Pesquisador do Mestrado em Ciências Contábeis da Fecap - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Ivam Ricardo Peleias, Fecap - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Doutor em Controladoria e Contabilidade na Universidade de São Paulo

Professor-Pesquisador do Mestrado em Ciências Contábeis da Fecap - Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Reinaldo Guerreiro, Professor Titular do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP

Doutor em Controladoria e Contabilidade na Universidade de São Paulo

Referências

ALMEIDA, J. E. F. Qualidade da Informação Contábil em Ambientes Competitivos. 2010. 188 p. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Departamento de Contabilidade e Atuária, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, 2010.

ALMEIDA, J. E. F.; SARLO NETO, A.; BASTIANELLO, R. F.; MONEQUE, E. Z. Alguns aspectos das práticas de suavização de resultados no conservadorismo das companhias abertas listadas na BM&DBOVESPA. Revista de Contabilidade & Finanças – USP, São Paulo, v. 23, n. 58, p. 65-75, jan./abr. 2012. https://doi.org/10.1590/S1519-70772012000100005

ANNI, Y. A.; KRISMIAJI. Enterprise Resource Planning Implementation and Accounting Information Quality. GSTF International Journal on Business Review, Schweis, v. 2, n. 4, p. 25-31, jul. 2013. https://doi.org/10.5176/2010-4804_2.4.247

BEUREN, I. M.; DALLABONA; L. F. Presença de mecanismos isomórficos em empresas contábeis. Revista Alcance - Eletrônica, Vol. 20 - n. 01 - p. 96-116 - jan./mar. 2013 http://dx.doi.org/10.14210/alcance.v20n1.p096-116

BEUREN, I. M.; FACHINI, G. J.; NASCIMENTO, S. Evidências de Isomorfi smo nas Funções da Controladoria das Empresas Familiares Têxteis de Santa Catarina. Revista Contemporânea de Contabilidade. UFSC, Florianópolis, ano 07, v.1, n°13, p. 35-62, Jan./Jun., 2010. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2010v7n13p35

BRANDAU, M.; ENDENICH, C.; TRAPP, R.; HOFFJAN, A. Institutional drivers of conformity – Evidence for management accounting from Brazil and Germany. International Business Review, n. 22, p. 466-479, 2013. https://doi.org/10.1016/j.ibusrev.2012.07.001

BRUDAN, A. Rediscovering performance management: systems, learning and integration. Measuring Business Excellence, Bradford, USA, v. 14, n. 1, p. 109-123, 2010. https://doi.org/10.1108/13683041011027490

CHENG, H.; YU, C. J. Institutional pressures and initiation of internationalization: evidence form Taiwanese small- and medium-sized enterprises. International Business Review, United Kingdom, n. 17, p. 331-348, 2008. https://doi.org/10.1016/j.ibusrev.2008.01.006.

COLMENARES, L. Benefits of ERP systems for accounting and financial management. Proceedings of the Academy of Information and Management Sciences, New Orleans, v. 13, n. 1, 2009.

DAVENPORT, T. H. The Future of Enterprise System-Enabled Organizations. Information Systems Frontiers. ABI/INFORM Global, v. 2, n. 2, p. 163-180, aug. 2000. https://doi.org/10.1023/A:1026591822284

DAVIS, S.; ALBRIGHT, T. The Changing Organizational Structure and Individual Responsibilities of Managerial Accountants: A Case. Journal of Managerial Issues, v. 12, n. 4, p. 446-467, 2000.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W.W. A Gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 74 – 89, 2005.

EDWARDS, E.; WULFF, J. K.; AMETT, L. A.; HICKIE, D. W. L. et. al. The Controller’s New Agenda. Financial Executive, v. 11, n. 1, p. 25-31, jan./fev. 1995.

EPSTEIN, G. Alcoa's angels. Barron's, v.81, n.10, p.18, 05 mar. 2001.

FELIX, I. M. N.; GUARIDO FILHO, E. R.; GONÇALVES, S. A. Isomorfismo normativo versus isomorfismo mandatório na adoção de práticas organizacionais. Organizações em contexto, São Bernardo do Campo, v. 11, n. 22, jul.-dez. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v11n22p383-419

FREZATTI, F.; GUERREIRO, R.; AGUIAR, A. B.; GOUVÊA, M. A. Análise do Relacionamento entre a Contabilidade Gerencial e o Processo de Planejamento das Organizações Brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 2ª ed., p. 33-54, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552007000600003

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GODOI, C. K. Perspectiva de análise do discurso nos estudos organizacionais. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

GUERREIRO, R.; FREZATTI, F.; LOPES, A. B.; PEREIRA, C. A. O entendimento da contabilidade gerencial sob a ótica da teoria institucional. Revista Organizações e Sociedades, v. 12, n. 35, p. 91-106, out./dez. 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-92302005000400005

GUERREIRO, R. A Abordagem Institucional na Contabilidade Gerencial. Revista Contabilidade e Finanças, São Paulo, n. 40, p. 3-6, jan./abr., 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772006000100001

HEALY, P. M.; PALEPU, K.G. Information asymmetry, corporate disclosure, and the capital markets: A review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting and Economics, Boston, p. 405-440, 2001. https://doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00018-0

KIRCH, G.; DE LIMA, J. B. N.; TERRA, P. R. S. Determinantes da Defasagem na Divulgação das Demonstrações Contábeis das Companhias Abertas Brasileiras. Revista Contabilidade e Finanças -USP, São Paulo, v. 23, n. 60, p. 173-186, set./dez. 2012. https://doi.org/10.1590/S1519-70772012000300003

KNEIPP, J. M.; GOMES, C. M.; BICHUETI, R. S.; MACCARI, E. A. Gestão para a Sustentabilidade em Empresas do Setor Mineral. Revista de Ciências da Administração, v. 14, n. 33, p. 52-67, ago. 2012. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2012v14n33p52

MACCARI, E. A.; SAUAIA, A. C. A. Aderência de sistemas de informação na tomada de decisão: um estudo multicaso com jogos da empresa. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, São Paulo, v. 3, n. 3, p. 371-388, 2006. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2012v14n33p52

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S. DA. Estruturação da estrutura organizacional: o caso de uma empresa familiar. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, Ed. Especial, art. 1, p. 11-32, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552010000600002

MIZRUCHI, M. S.; FEIN, L. C. The Social Construction of Organizational Knowledge: A Study of the Uses of Coercive, Mimetic, and Normative Isomorphism. Administrative Science, v. 44, p 653-683, 1999. https://doi.org/10.2307/2667051

MOORES, K., YUEN, S. Management accounting systems and organizational configuration: a life-cycle perspective. Accounting, Organizations and Society, v. 26, p.351-389, 2001. https://doi.org/10.1016/S0361-3682(00)00040-4

OLETO, R.R. Percepção da qualidade da informação. Ciência da Informação. Brasília, v. 35, n. 1, p. 57- 62, jan./abr. 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-19652006000100007

PAIM, I.; NEHMY, R. M.Q; GUIMARÃES, C. G. Problematização do conceito"Qualidade" da Informação. Ciência da Informação. Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 111-119, jan./jun. 1996.

RAMALHO, L. D. F. Estudo sobre sistemas de custos gerenciais de subsidiárias alemãs em operação no Brasil: um enfoque da nova teoria institucional. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, 2016.

RENAND, F. Cultura Gerencial Chinesa versus Cultura Ocidental. Revista de Ciências da Administração, Santa Catarina, v. 9, n. 17, jan/abr. 2007. https://doi.org/10.5007/%25x

SANTANA, G. A. S.; MÁRIO, P. C.; SEDIYAMA, M. Y. N.. Análise do orçamento sob uma abordagem teórica da perspectiva institucional. Revista Contabilidade e Controladoria (RC&C), Curitiba, v. 1 n. 3, p. 200-216, set/dez. 2009. http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v1i3.20659

SCOTT, W. R. The Adolescence of Institutional Theory. Administrative Science Quarterly, v. 32, n. 4, p. 493-511, dez. 1987.

SCOTT, W.R. Institutions and Organizations. New Jersey: Sage, 2001.

SCOTT, W. R. Approaching Adulthood: The Maturing of Institutional Theory. Springer Science, v. 37, n. 5, p. 427-442, out. 2008. https://doi.org/10.1007/s11186-008-9067-z

SIEWEKE, J. Imitation and Processes of Institutionalization – Insights from Bourdieu’s Theory of Practice. Schmalenbach Business Review, Düsseldorf, Alemanha, p. 24-42, jan. 2014. https://doi.org/10.1007/BF03396868

SLACK, T.; HININGS, B. Institutional Pressures and Isomorphic Change: Na Empirical Test. Organization Studies, v. 15, n. 6, p. 803-827, 1994.

SUGIMORI, Y.; KUSUNOKI, K.; CHO, F.; UCHIKAWA, S. Toyota Production System and Kanban System: materialization of just-in-time and respect-for-human system. International Journal of Production Research, v. 15, n. 6, p. 553-564, 1977.

VAN DER STEDE, W. A. The effect of national culture on management control and incentive system design in multi-business firms: evidence of intracorporate isomorphism. European Accounting Review v. 12, n 2, p. 263-285, 2003. https://doi.org/10.1080/0963818022000009859

VICENTE, C. S.; MAJOR, M. J.; PINTO, J. C. Estudo da Mudança nas Práticas de Controlo de Gestão em Portugal. Contabilidade & Gestão, v. 10, p. 9-40, mar. 2011.

WAGNER, J. Performance measurement systems in 20th Century: a historical perspective into the trends during the 80’s and 90’s. International Journal on GSTF Business Review, Schweis, v. 1, n. 3, p. 56-61, Jan. 2012. https://doi.org/10.5176/2010-4804_1.3.95

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

ZHOU, M.; AGUIRRE-URRETA, M. Financial Closing Time and Cost of Equity: The Role of Senior Information Systems Executives. Review of Business Information Systems, v. 17, n. 1, p. 41-52, 2013. https://doi.org/10.19030/rbis.v17i1.7583

ZUCKER, L.; TOLBERT, P. S. Institutional sources of change in the formal structure of organizations: the diffusion of civil service reform, 1880-1935. Administrative Science Quarterly, v. 28, p. 22-39, 1983.

Downloads

Publicado

2018-12-19

Edição

Seção

Artigos