Mudanças organizacionais observadas durante o processo de implementação das normas contábeis internacionais

Camila Pereira Boscov, Nelson Guedes de Carvalho

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar as principais mudanças organizacionais ocorridas com o processo de implementação do IFRS, categorizando os impactos encontrados em relação aos elementos de mudanças descritos por Mintzberg e Westley (1992, pp.40-41): cultura, estrutura, sistemas e pessoas. A estratégia de pesquisa foi um estudo de caso múltiplo, em 2011, em três empresas. O IFRS trouxe integração da área contábil com áreas fornecedoras de informações financeiras; o conselho de administração envolveu-se nessas mudanças, a área contábil ficou mais próxima do investidor e passou a conduzir consultorias financeiras; no entanto, houve desgaste no relacionamento com clientes devido a tantas novas exigências de mensuração. Houve grandes mudanças em sistemas, observou-se um maior uso de informações gerenciais na confecção de demonstrações financeiras e mudanças em covenants em função de novos critérios contábeis. Foi possível perceber alterações no perfil profissional do contador e de áreas fornecedoras de informações financeiras.


Palavras-chave


Normas contábeis internacionais; Implementação; Estudo de caso; Mudanças organizacionais; Estrutura

Referências


AAerts, W., & Tarca, A. (2010) Financial performance explanations and institutional setting. Accounting and Business Research, 40(5), 421-450. DOI: 10.1080/00014788.2010

Ahrens, T.C., & Chapman, C.S. (2006). Doing qualitative field research in management accounting: positioning data to contribute to theory. Accounting, Organization and Society, 31(8), 819-841. DOI: 10.1016/j.aos.2006.03.007

Auberts, F. A., & Grudnitski, G. (2011). The impact and importance of mandatory adoption of international financial reporting standards in Europe. Journal of International Financial Management & Accounting, 22, 39. DOI: 10.1111/j.1467-646X.2010.01043.x

Ballas, A.A., Skoutela, D., & Tzovas, C.A. (2010). The relevance of IFRS to an emerging market: evidence from Greece. Managerial Finance, 36(11), 931. DOI: 10.1108/03074351011081259

Banco Nacional de desenvolvimento econômico e social. (2011). Demonstração Contábil em IFRS de 2010. Recuperado em 14 de novembro, 2011, de http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Relacao_Com_Investidores/Desempenho/

Barth, M., Landsman, W., & Lang, M. (2008). International accounting standards and accounting. Quality. Journal of Accounting Research, 46(3), 467-498. DOI: 10.1111/j.1475-679X.2008.00287.x

Basil, D. C., & Cook, C.W. (1974). The management of change. Maindenhead: McGraw-Hill.

Beke, J. (2010). International accounting harmonization: evidence from Europe. International Business and Management, 1(1), 48-61. DOI:10.3968/j.ibm.1923842820100101.008

Brusca, I., & Condor, V. (2002). Towards the harmonization of local accounting systems in the international context. Financial Accountability & Management, 18(2), 129-162. DOI: 10.1111/1468-0408.00148

Campos, C. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta de análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista brasileira de enfermagem, 57 (5), 611-614.

Chang, C.C., Landis, M., & Yu, S.C. (2011). Investing in accounting: a call for professional involvement in higher education. American Journal of Business Education, 4(2), 27-32. DOI: 10.19030/ajbe.v4i2.3559

Cope, A., & Clark, C. (2003). Managing the people impact. Accountancy, 132(1321), 96-97.

Cummings, T. G., Worley, C. G. (2005). Organization development and change. South Western: Thomson.

Daft. R. L. (2003). Organizações: teorias e projetos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Daske, H., Hail, H. L., Leuz, C. & Verdi, R. (2008). Mandatory IFRS reporting around the world: early evidence on the economic consequences. Journal of Accounting Research, 46(5), 1085-1142. DOI: 10.2139/ssrn.1024240

Demonstrações financeiras padronizadas do grupo CCR de 2010. Recuperado em 27 de setembro, 2011, de http://ri.ccr.com.br/grupoccr/web/default_pt.asp?idioma=0&conta=28

Drucker, P. (1991, March 28). Board of Contributors: Don't Change Corporate Culture -- Use It! Wall Street Journal, New York, p.A14.

Fajardo, C. L. (2007). The move towards convergence of accounting standards world wide. Cambridge. Journal of American Academy of Business, 12, 57-61.

Firoz, M.C.A., Ansari, A.A., & Akhtar, K. (2011). IFRS – Impact on Indian banking industry. International Journal of Business and Management, 6(3), 277-283. DOI: 10.5539/ijbm.v6n3p277

Fleury, M. T. L. (1989). Cultura organizacional: os modismos, as pesquisas as intervenções: uma discussão metodológica, Revista de Administração, 24(1), 3-9. DOI: 10.1590/S1415-65552002000100011

______., & Fischer, R.M. (1996). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.

Fontana, R. M., & Neto, A. I. (2006). Uma abordagem sistêmica da mudança organizacional gerada na implantação de sistemas integrados de gestão da produção. In: XIII SIMPEP. Bauru, São Paulo.

Freitas, M. E. (1991). Cultura organizacional: formação, tipologias e impacto. São Paulo: Makron.

Gannon, D. J. (2008). International financial reporting standards for US companies: planning for adoption. The Corporate Governance Advisor, 16(6), 78-84.

Haji, Z. S., & Lisboa, L.P. (2001). Business combinations e consolidação das demonstrações contábeis: uma abordagem comparativa entre os pronunciamentos e normas dos US-GAAP, IASC e Brasil. Revista de Contabilidade e Finanças, 12(27), 33-58. DOI: 10.1590/S1519-70772001000300003

Hellman, N. (2011). Soft adoption and reporting incentives: a study of the impact of IFRS on financial statements in Sweden. Journal of International Accounting Research, 10(1), 61-83. DOI: 10.2308/jiar.2011.10.1.61

Hines, R.D. (1988). Financial accounting: in communicating reality, we construct reality. Accounting, Organizations and Society, 13, 251-261. DOI: 10.1016/0361-3682(88)90003-7

Hopwood, A.G. (1983). On trying to study accounting in the contexts in which it operates. Accounting, Organizations and Society, 8, 287-305.

Ikuno, L. M., Niyama, J. K., Botelho, D. R., & Santana C. M. (2010, Julho). Contabilidade internacional: uma análise da produção científica sobre nos principais periódicos internacionais da área (2000 a 2009). In: Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 16. DOI: 10.11606/rco.v6i15.52661

Iudícibus, S.; Martins, E. & Gelbcke, E. R (2010). Manual de contabilidade por ações: aplicável às demais sociedades. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Lainez, J. A., Jarne, J. I., & Callao, S. (1999). The Spanish accounting system and international accounting harmonization. The European Accounting Review, 8(1), 93-113. DOI: 10.1080/096381899336168

Levy, H. (2011). Impactos e perspectivas na implementação das IFRSs: os RIs na grande virada da contabilidade brasileira. In: Encontro Nacional de Ris e Mercado de Capitais, 13. São Paulo.

Lewin, K. (1947). Frontiers in Group Dynamics. Human Relations, 1, 5-41.

Marshall, K. (2010). Change is coming. Are you ready? Recuperado em 16 de março, 2011, de http://www.ey.com/publication/vwluassetsdld/changeiscoming_bb2024_october2010/$file/changeiscoming_bb2024_october2010.pdf?OpenElement.

Martins, G. A. (2006). Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas.

______., & Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Mihaela, S. C., Nicoleta, P. D., & Tudor, A. H. (2010). Controversial aspects regarding the accounting harmonization process in Romania. Harmonization, convergence or conformity? The Journal of Faculty of the Economics, 1(2), 899-905.

Miller, P. (1994). Accounting as social and institutional practice: an introduction. In: Hopwood, A. G., & Miller, P. (Eds). Accounting as social and institutional practice. Cambridge: Cambridge University Press. DOI: 10.1111/j.1467-6281.2005.00182.x

Mintzberg, H., & Westley, F. (1992). Cycles of organizational change. Strategic Management Journal, 13, 39-59. DOI: 10.1002/smj.4250130905

Neto, J. E. B, Dias, W.O, & Pinheiro, L. E. T (2009). Impacto da Convergência para as IFRS na Análise Financeira: um Estudo em Empresas Brasileiras de Capital Aberto. Revista Contabilidade Vista & Revista, 20(4), 131-153. Recuperado em 03/02/2015 , de http://web.face.ufmg.br/face/revista/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/719.

Nickel, D., & Coser, C. (2007). Mudança organizacional, aprendizagem e estresse: um estudo de caso numa IES. REGE - Revista de Gestão, 14(3), 91-106.

Oliveira, B., & Kovacs, E. (2006). Estrutura Organizacional e Estratégia: uma relação contingencial. In: XIII SIMPEP. Bauru, SP.

Oliveira, D. P. R. (2005). Sistemas, organizações e métodos: uma abordagem gerencial. 15a ed. São Paulo: Atlas.

Oliveira, V. A., & Lemes, S. (2011). Nível de convergência dos princípios contábeis brasileiros e norteamericanos às normas do IASB: uma contribuição para a adoção das IFRSs por empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Finanças, 22(56), 155-173. DOI: 10.1590/S1519-70772011000200003

Renders, A., & Gaeremynck, A. (2007). The impact of legal and voluntary investor protection on the early adoption of International Financial Reporting Standards (IFRS). Economist-Netherlands, 155(1), 49-72. DOI: 10.1007/s10645-006-9041-y

Robbins, S. P., & Decenzo, D.A. (2004). Fundamentos de administração: conceitos essenciais e aplicações. 4a ed. São Paulo: Prentice Hall.

Santos, E. S., Ponte, V. M. R., & Mapurunga, P. V. R. (2014). Adoção Obrigatória do IFRS no Brasil (2010): Índice de Conformidade das Empresas com a Divulgação Requerida e Alguns Fatores Explicativos. Revista de Contabilidade e Finanças, 25(65), 161-176. DOI: 10.1590/S1519-70772014000200006

Schein, E. (2007). Guia de sobrevivência da cultura corporativa. Rio de Janeiro: José Olympio.

Schipper, K. (2010). How can we measure the costs and benefits of changes in financial reporting standards? Accounting and Business Research, 40(3), 309-327. DOI: 10.1080/00014788.2010.9663406

Shetler, J. (2002). Complex adaptive systems, attractors, and patching: A complex systems science analysis of organizational change. Doctoral Dissertation, University of Texas at Austin, Texas, USA.

Shirley, R. (1974). Um modelo para mudança organizacional. Revista MSU Business Topics, 22(2), 37-43. DOI: 10.1590/S0034-75901976000600004

Silva, J., & Vergara, S. (2003). Sentimentos, subjetividade e supostas resistências à mudança organizacional. Revista de Administração de empresa, 43(3), 10-21. DOI: 10.1590/S0034-75902003000300002

Stoner, J.A.F., & Freeman, R. E. (1995). Administração. Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil.

Stovall, D.C. (2010). Transition to IFRS: what can we learn? The Business Review, 16(1), 17-18.

Suzuki, T. (2007). Accountics: impacts of internationally standardized accounting on the Japanese socio-economy. Accounting, Organizations and Society, 32, 263-301. DOI: 10.1016/j.aos.2006.10.002

______. (2010). Unexplored impacts of IFRS. Recuperado em 12 de Agosto, 2010, de http://www.sbs.ox.ac.uk/research/accounting/Pages/UnexploredImpactsofIFRS.aspx.

Trabelsi, R. (2010). Evaluating international accounting harmonization in an emerging country. Accounting and Management Information Systems, 9(3), 354-378. DOI: http://dx.doi.org/10.1108/ijaim.2011.36619baa.017

Vieira, R.B. (2010). Impactos da implantação parcial das IFRS no Brasil: efeitos na qualidade das informações contábeis das empresas de capital aberto. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, Ribeirão Preto, SP, Brasil. DOI: 10.11606/D.96.2010.tde-10122010-160415

Whittington, R., Pettigrew, A., Peck, S., Fenton, E., & Conyon, M. (1999). Change and Complementarities in the New Competitive Landscape: A European Panel Study, 1992-1996. Organization Science, 10(5), 83-600. DOI: 10.1287/orsc.10.5.583

Wood, T. (2004). Mudança organizacional. São Paulo: Atlas.

. São Paulo: Atlas.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/%25x



Locations of visitors to this page

R. Contemp. Contab., Florianópolis, Brasil. ISSN (impresso)1807-1821 - ISSN (eletrônico) 2175-8069