Interconexão Entre Academia e Profissionais Sobre as Práticas de Resposta à Fraude no Setor Público

Autores

Resumo

Esta pesquisa analisou a interconexão entre as abordagens acadêmicas e as práticas de gestão utilizadas por profissionais no setor público brasileiro quanto aos conceitos e ações de resposta à corrupção. Por meio de dois questionários verificou-se a classificação de importância atribuída pelos grupos a práticas antifraude, distribuídas em etapas definidas com base no Referencial de Combate à Fraude e Corrupção (TCU, 2018). Os resultados indicam que há interconexão entre os grupos ao nível de 61,43%, sendo Prevenção a etapa com maior quantidade de ações classificadas como Importantes pelos grupos. Assim, considerando que ações preventivas são as mais relacionadas à redução da Oportunidade, uma das arestas do Triângulo da Fraude (Cressey, 1953), os resultados reforçam a importância de mecanismos preventivos na mitigação proativa dos riscos de corrupção. Além disso, apenas três práticas foram classificadas como Muito Importantes por ambos, o que indica que a Aprendizagem Organizacional e o avanço organizacional eficiente também implicam em desaprender ou aprimorar abordagens utilizadas.

Referências

Abreu, C. (2011). A Economia da Corrupção nas Sociedades Desenvolvidas Contemporâneas. (1 ed.) Porto: CEPESE.

Albrecht, W. S., Howe, K. R., & Romney, M.B. (1984). Detecting Fraud: The Internal Auditor’s Perspective. Altamonte Springs: The Institute of Internal Auditors Research Foundation.

Albrecht, W. S., Albrecht, C. C., Albrecht, C. O., & Zimbelman, M. (2009). Fraud Examination. 3ª ed. South-Western Cengage Learning.

Almeida, S.R.V.; Alves, F. J. S. (2015). Testando o Triângulo de Cressey no contexto da convergência às Normas Internacionais de Contabilidade: um estudo empírico sobre comportamento ético de profissionais de contabilidade. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, n. 8, vol. 2, pp. 282-297. https://doi.org/10.5902/1983465910893

Ajzen, I. (1991). The Theory of Planned Behavior. Organizational Behavior And Human Decision Processes, n. 50, pp. 179-211. https://doi.org/10.1016/0749-5978(91)90020-T

ABNT NBR 37001, de 06 de março de 2017. Sistemas de gestão antissuborno: Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro: Associação Brasileira De Normas Técnicas.

Association Of Certified Fraud Examiners (ACFE). (2012). Report to the nations on occupation fraud and abuse.

Association Of Certified Fraud Examiners (ACFE). (2016). Report to the nations on occupation fraud and abuse.

Association Of Certified Fraud Examiners (ACFE). (2018). Report to the nations global study on occupational fraud and abuse.

Ashforth, B. E., Gioia, D. A., Robinson, S. L., & Treviño, L. K. (2008). Re-viewing organizational corruption. Academy of Management Review, vol. 33, n. 3, pp. 670-684. https://doi.org/10.5465/amr.2008.32465714

Avritzer, L.; Bignotto, N.; Guimaraes, J.; & Starling, H. M. M. (2008). Corrupção: Ensaios e Críticas. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Azevedo, E. B., Oliveira, A. G., Buch, C. L., Nascimento, T. C., & Silva, C. L. (2018). Corrupção, governança e desenvolvimento: uma análise seccional de dados para o Brasil. Revista Globalização, Competitividade e Governabilidade, vol. 12, n. 1, pp. 48-62.

Barbosa, D. M. C., Almeida, E. F., Bampi, L., Gonçalves, R. N., Pinheiro, T. C. P. R., & Teixeira, V. A. (2003). A Aprendizagem Organizacional Otimizando Resultados do Tribunal de Contas da União. Dissertação (Pós-graduação em Gestão Estratégica do Conhecimento e Inteligência Empresarial) – Pontífica Universidade Católica do Paraná, Brasília.

Bastos, A. V. B, Gondim, S. M. G., Loiola, E., Menezes, I. G., & Navio, V. L.R. (2002) Aprendizagem Organizacional versus Oganizações que Aprendem: Características e Desafios que cercam essas duas Abordagens de Pesquisa. In: Encontro de Estudos Organizacionais. Anais... Recife: Observatório da Realidade Organizacional. ANPAD.

Becker, G. (1968). Crime and Punishment: An Economic Approach. Journal of Political Economy, vol. 76, n. 2, pp. 169-217. https://doi.org/10.2307/2141078

Boll, J. L. S. (2010) A corrupção governamental no Brasil: construção de indicadores e análise de sua incidência relativa nos estados brasileiros (Dissertação de mestrado). Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, Porto Alegre.

Brooks, R. C. (1979) The Nature of Political Corruption. Political Science Quarterly, v. 24, n. 1. https://doi.org/10.2307/2141078

Cardoso, J. L., Souza, M. A., & Almeida, L. B. (2006). Perfil do Contador na Atualidade: um Estudo Exploratório. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, vol. 3, n. 3, pp. 275-284.

Cohen, L., & Felson, M. (1979) Social change and crime rate trends: a routine approach. American Sociological Review, vol. 44, pp. 588-608. https://doi.org/10.2307/2094589

Controladoria-Geral Da União (CGU). Guia de Integridade Pública: Orientações para a administração pública federal: direta, autárquica e fundacional. Brasília, DF, Brasil, 2015.

Costa, A. P. P. (2011) Casos de Fraudes Corporativas Financeiras: antecedentes, recursos substantivos e simbólicos relacionados. (Tese de doutorado). Faculdade Getúlio Vargas, São Paulo.

Costa, A. P. P, & Wood Jr, T. (2012) Fraudes Corporativas. Revista de Administração de Empresas, vol. 52, n. 4, pp. 464-472. https://doi.org/10.1590/S0034-75902012000400008

Cressey, D. R. (1953) Other people’s money: a study in the social psychology of embezzlement. Glencoe. IL: The Free Press.

Cronbach, L. J. (1951) Coefficient Alpha and the internal structure of tests. Psychoketrika, vol. 16, pp. 297-334. https://doi.org/10.1007/BF02310555

Filgueiras, F. (2006). A Corrupção na Política: Perspectivas Teóricas e Metodológicas. Caderno Cedes.

______. (2008a) Corrupção, democracia e legitimidade. Belo Horizonte: UFMG.

______. (2008b). Marcos teóricos da corrupção. In: AVRITZER, Leonardo et al. (Org.). Corrupção: ensaios e críticas. Belo Horizonte: UFMG, pp. 353-361.

______. (2009). Tolerância à corrupção no Brasil: uma antinomia entre normas morais e prática social. Opinião pública, Campinas, v. 15, n. 2, p.386-421. https://doi.org/10.1590/S0104-62762009000200005

Fishbein, M. A., & Ajzen, I. (1975). Belief, attitude, intention and behaviour: An introduction to theory and research, Reading, Massachusetts: Addison- Wesley.

Fonseca, J. J. S. (2002) Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC. Apostila. Disponível em: http://leg.ufpi.br/subsiteFiles/lapnex/arquivos/files/Apostila_-_METODOLOGIA_DA_PESQUISA(1).pdf .

Guimarães, T. A. (2004). Ambiente de aprendizagem e cultura em organizações: estudo de caso em organização militar. Revista de Administração, vol. 39, n. 3, pp. 231-241.

Hencsey, A. C. (2016). A definição, o processo de racionalização no triângulo de fraude e a complexidade de sua construção psicológica. Working Papers n. 53/2016. Observatório de Economia e Gestão de Fraude.

Hora, H. R. M., Monteiro, G. T. R., & Arica, J. (2010). Confiabilidade em Questionários para Qualidade: Um estudo com o Coeficiente Alfa de Cronbach. Produto & Produção, vol. 11, n.2, pp.85-103. https://doi.org/10.22456/1983-8026.9321

Huntington, S. P. (1975). A Ordem Política nas Sociedades em Mudança. Rio de Janeiro: Editora Forense-Universitária; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, vol. 3, pp. 305-360. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Key, V. O. (1936) The techniques of political graft in the United States. (Tese de doutorado). University of Chicago, Chicago.

Lorente, V. M. (2016). Corrupção no Brasil e estratégias de combate. R. bras. de Est. da Função públ. – RBEFP, n. 14, pp. 203-257.

Machado, M. R. R., Gartner, I. R. (2017). Triângulo de fraudes de Cressey (1953) e teoria da agência: estudo aplicado a instituições bancárias brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, vol. 14, n. 32, pp. 108-140. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n32p108

Machado, M. R., & Paschoal, B. (2016) Monitorar, investigar, responsabilizar e sancionar: A multiplicidade institucional em casos de corrupção. Novos estudos. CEBRAP [online], vol. 35, n. 1, pp. 11-36.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica. (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Matthiensen, A. (2011). Uso do Coeficiente Alfa de Cronbach em Avaliações por Questionários. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal de Roraima.

Melo, F. L. N. B., Sampaio, L. M. B., & Oliveira, R. L. Corrupção Burocrática e Empreendedorismo: Uma Análise Empírica dos Estados Brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, v. 19, n. 3. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20151611

Miranda, L. F. (2018). Unificando os conceitos de corrupção: uma abordagem através da nova metodologia dos conceitos. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 25, pp. 237-272. https://doi.org/10.1590/0103-335220182507

Nascimento, A. S., Aragão, I. R. B. N., Gomes, C. A. S., & Casa Nova, S. P. C. (2013). Pesquisa Científica e a Construção do Conhecimento: Possibilidade e Prática ou Utopia? Revista Evidenciação Contábil & Finanças, vol.1, n. 2, pp. 106-122. https://doi.org/10.18405/recfin20130207

NBC TA 240 (R1). (2016). Responsabilidade do auditor em relação a fraude, no contexto da auditoria de demonstrações contábeis. Brasília: Conselho Federal de Contabilidade.

Oliveira, M. Q., Pizanni, M. A., & Faria, J. A. (2015) A interdisciplinaridade na formação do contador e sua contribuição para o desenvolvimento de competências no âmbito organizacional. Revista de Estudos Contábeis, vol. 6, n. 11, pp. 23-45.

Oliveira Júnior, T. M, Costa, F. J. L., & Mendes, A. P. (2014) Perspectivas Teóricas da Corrupção no Brasil: Características, Limites e Alternativas. VI Encontro de Administração Pública e Governança da Anpad, Belo Horizonte.

Perera, L. C. J., Freitas, E. C., & Imoniana, J. O. Avaliação do sistema de combate às fraudes corporativas no Brasil. Revista Contemporânea de Contabilidade, vol. 11, n. 23, pp. 3-30. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2014v11n23p3

Petrucelli, J. R. (2013) Detecting Fraud in Organizations: Techniques, Tools, and Resources. United States of America: John Wiley & Sons. https://doi.org/10.1002/9781118555972

Petrucelli, J. R., Peters, J. R. (2017). Preventing Fraud and Mismanagement in Government: Systems and Structures. United States of America: John Wiley & Sons. https://doi.org/10.1002/9781119220046

Santos, R. A. (2016) Modelo preditivo de fraude ocupacional nas organizações privadas. (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Schramm, F. S. (2018). O Compliance como Instrumento de Combate à Corrupção no Âmbito das Contratações Públicas. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina.

Silva, M.F.G. A. (1996) Economia Política da Corrupção. Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Sobral, E. F. M. (2014) Corrupção e os Seus Efeitos Sobre a Dinâmica do Crescimento Econômico Regional: uma Análise do Caso Brasileiro. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco.

Torres, F. R. (2006) Aprendizagem e Institucionalização de Práticas de Controle Externo: o papel de visitas técnicas do Tribunal de Contas da União. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Transparency International. (2018) Índice de Percepção da Corrupção, disponível em < https://ipc2018.transparenciainternacional.org.br/> .

Transparency International. (2019). Barômetro Global da Corrupção: América Latina e Caribe. Opiniões e Experiências dos Cidadãos Relacionadas à Corrupção, disponível em https://barometro.transparenciainternacional.org.br/ .

Tribunal de Contas da União. (2018). Referencial de combate a fraude e corrupção: aplicável a órgãos e entidades da Administração Pública / Tribunal de Contas da União, Brasília.

Wells, J. T. (2014). Principles of Fraud Examination. (4. ed.), United States of America: John Wiley & Sons.

Publicado

2022-06-30