Contribuição dos componentes do modelo COSO no controle interno da administração pública: Um estudo nos municípios do estado de Santa Catarina

Autores

Palavras-chave:

Controle Interno, Componentes, Modelo COSO, Municípios Catarinenses

Resumo

Este artigo teve como objetivo analisar a contribuição dos componentes do modelo COSO no controle interno da administração pública nos municípios do estado de Santa Catarina. A pesquisa é classificada como quantitativa, descritiva e de levantamento. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário, com 80 questões fechadas. A população deste estudo são os 295 municípios do estado de Santa Catarina, que resultou em uma amostra de 295 respondentes (responsável pelo controle interno de cada município), caracterizando um censo. A técnica de análise de dados foi a análise fatorial exploratória. Como principais resultados, concluiu-se que os cinco componentes do modelo COSO contribuem no controle interno da administração pública nos municípios do estado de Santa Catarina, no sentido de identificar os pontos fortes e fracos de cada componente.

Biografia do Autor

João Luiz Gattringer, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Mestre em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Sidnei Vieira Marinho, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) e do Programa de Mestrado Profissional em Gestão, Internacionalização e Logística (PMPGIL) da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Zilton Bartolomeu Martins, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Doutor em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Professor do curso de Ciências Contábeis da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Referências

Akinleye, G. T., & Kolawole, A. D. (2020). Internal controls and performance of selected tertiary institutions in Ekiti state: A committee of sponsoring organisations (COSO) framework approach. International Journal of Financial Research, 11(1), 405-416. DOI: https://doi.org/10.5430/ijfr.v11n1p405

Araújo, D. J. C., Libonati, J. J., Miranda, L. C., & Ramos, F. S. (2016). Unidades de controle interno dos municípios brasileiros: Análise sob a ótica do COSO II. Revista Universo Contábil, 12(2), 39-58. DOI: https://doi.org/10.4270/ruc.2016213

Attie, W. (2011). Auditoria interna. 6. ed. Atlas.

Ayres, L. C. N., Cruz, V. L., Santos, R. R., & Leone, R. J. G. (2018). Controle interno em empresas familiares de pequeno porte: Uma aplicação do modelo COSO II. Revista da Micro e Pequena Empresa, 12(1), 3-17. DOI: https://doi.org/10.21714/19-82-25372018v12n1p317

Braga, M. V. A., Martins, A. C. M., Maranhão, C. F., Cunha, W. P., & Santos, R. T. (2018). Relato do uso do modelo COSO na gestão de contratos em governos. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 13(2), 1-8. DOI: https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v13i2.13659

Brandão, S. P. (2012). Impacto do controle interno no controle externo: pesquisa exploratória. Dissertação de Mestrado em Contabilidade, Universidade de Aveiro.

Beuren, I. M., & Zonatto, V. C. D. S. (2014). Perfil dos artigos sobre controle interno no setor público em periódicos nacionais e internacionais. Revista de Administração Pública, 48(5), 1135-1163. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-76121527

Carvalho, C. E. (2012). Relacionamento entre ambiente organizacional, capacidades, orientação estratégia e desempenho: Um estudo no setor hoteleiro brasileiro. Tese de Doutorado em Administração, Universidade do Vale do Itajaí.

Carvalho Júnior, C. F. F., Jácome, M. R., Almeida Holanda, F. M., Menezes, D. C. D. C. L., & Santos, M. D. F. O. (2021). Práticas de controle interno em cooperativas de crédito: Análise sob a ótica de presidentes, conselheiros de administração e auditores internos. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas, 8(15), 1-32. DOI: https://doi.org/10.5902/2359043242581

Cavalcante, D. S., Peter, M. D. G. A., & Machado, M. V. V. (2011). Organização dos órgãos de controle interno municipal no estado do Ceará: Um estudo na região metropolitana de Fortaleza. Advances in Scientific and Applied Accounting, 4(1), 24-43.

Córdova, G. C. S., & Paguay, E. R. B. (2017). Control interno. Matriz de riesgo: Aplicación metodología COSO II. Revista Publicando, 4(12), 106-125.

COSO - Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (2013). Executive Summary. https://www.coso.org/Documents/990025P-Executive-Summary-final-may20.pdf.

Cruz, C. F. D., & Afonso, L. E. (2018). Gestão fiscal e pilares da lei de responsabilidade fiscal: Evidências em grandes municípios. Revista de Administração Pública, 52(1), 126-148. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7612165847

Cruz, M. D. C. M. T., Silva, T. A. B., & Spinelli, M. V. (2016). O papel das controladorias locais no cumprimento da lei de acesso à informação pelos municípios brasileiros. Cadernos EBAPE, 14(3), 721-743. DOI: https://doi.org/10.1590/1679-395131556

Custódio, J. J., Fukuro, T. Y., Pavão, J. A., & Ferreira, J. L. D. (2019). Análise do controle interno no setor de almoxarifado de uma empresa de transporte à luz da metodologia COSO. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 9(2), 1-10. DOI: https://doi.org/10.18696/reunir.v9i2.648

Ferreira, G. J. B. C., Santos, J. G. C. S., & Vasconcelos, A. C. (2021). Avaliação do controle interno e tamanho dos órgãos sob jurisdição do tribunal de contas do Ceará. Administração Pública e Gestão Social, 13(2), 1-21.

Ferreira, M. A., & Oliveira, D. R. (2021). Planejamento e controle interno no setor público: Uma relação orientada para resultados. Brazilian Journal of Development, 7(4), 36020-36035. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-186

Galante, C., Beuren, I. M., & Oliveira, A. B. S. (2009). Controle interno: Seu uso por municípios da região oeste do estado de Santa Catarina. Revista Contabilidade e Controladoria, 1(1), 1-15. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v1i1.14704

Gattringer, J. L., & Marinho, S. V. (2020). O uso do modelo COSO na administração pública: Um estudo nos municípios catarinenses. Enfoque: Reflexão Contábil, 39(1), 75-95. DOI: https://doi.org/10.4025/enfoque.v39i1.44412

Hair Júnior, J. F., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2007). Fundamentos de métodos de pesquisa em Administração. Bookman.

Lopes, G. B., Valadares, J. L., Azevedo, R. R., & Brunozi Júnior, A. C. (2020). Evidências de isomorfismo e decoupling na gestão de controladorias municipais do estado de Minas Gerais. Advances in Scientific & Applied Accounting, 13(2), 89-111. DOI: http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2020130205

Macêdo, F. F. R. R., Machado, M. V. V., & Scarpin, J. E. (2014). Controle interno no setor público: Estudo em uma prefeitura do interior do Ceará sob a ótica da instrução normativa nº 1/1997 do tribunal de contas dos municípios do estado do Ceará. Planejamento e Políticas Públicas, 1(43), 155-178.

Maia, M. S., Silva, M. R., Dueñas, R., Almeida, P. P., Marcondes, S., & Ching, H. Y. (2005). Contribuição do sistema de controle interno para a excelência corporativa. Revista Universo Contábil, 1(1), 54-70.

Melo, M. S., & Leitão, C. R. S. (2021). Características do controle interno nas universidades federais brasileiras. Revista Gestão Universitária na América Latina, 14(1), 224-244. DOI: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2021.e74526

Moeller, R. R. (2007). COSO enterprise risk management: understanding the new integrated ERM framework. Nova Jersey: John Wiley & Sons.

Monteiro, R. P. (2015). Análise do sistema de controle interno no Brasil: Objetivos, importância e barreiras para sua implantação. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), 159-188. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n25p159

Morán, N. V. Q., Álava, V. A. P., Macías, S. C. M., Haro, X. F. O., & Salazar, J. A. P. (2018). El control interno y sus herramientas de aplicación entre COSO y COCO. Cofin Habana, 12(1), 268-283.

Moreira, M. A., Dias, A. G. S., & Souza, P. M. (2017). Controle interno como instrumento de gestão pública. Revista de Informação Contábil, 11(4), 39-53.

Mosquera, C. G. O. (2021). Control interno COSO ERM aplicado al talento humano del sector público en Ecuador. Revista Enfoques, 5(17), 32-39. DOI: https://doi.org/10.33996/revistaenfoques.v5i17.103

Peleias, I. R., Caetano, G., Parisi, C., & Pereira, A. C. (2013). Produção científica sobre controle interno e gestão de riscos no EnANPAD e Congresso USP: Análise bibliométrica no período 2001-2011. Revista Universo Contábil, 9(4), 29-49. DOI: https://doi.org/10.4270/ruc.2013429

Pinheiro, D. R., & Oliva, E. C. (2020). A atuação da auditoria interna na governança pública: Um estudo baseado na visão da alta administração das universidades públicas federais brasileiras. Contabilidade Vista & Revista, 31(2), 46-67. DOI: https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.4933

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Feevale.

Rae, K., Sands, J., & Subramaniam, N. (2017). Associations among the five components within COSO internal control-integrated framework as the underpinning of quality corporate governance. Australasian Accounting, Business and Finance Journal, 11(1), 28-54. DOI: http://dx.doi.org/10.14453/aabfj.v11i1.4

Rhoden, J. T., Bertollo, D. L., Eckert, A., & De Paula, R. L. (2019). Modelo COSO ERM na avaliação de sistemas de controles internos: Análise em uma indústria de concreto e cerâmica do Vale do Caí/RS. Pensamento & Realidade, 34(2), 43-63. DOI: https://doi.org/10.23925/2237-4418.2019v34i2p43-63

Sancovschi, M., Silva, A. H. C., Ribeiro, R. D., & Agostinho, T. B. (2019). Mudanças no sistema de controle interno de uma empresa brasileira do setor elétrico. Pensar Contábil, 21(76), 4-15.

Santos, S. R. T., & Tres, T. F. (2012). Controladoria, auditoria interna e controle interno: O entendimento dos gestores públicos municipais pertencentes ao COREDE Produção/RS. Anais Congresso USP de Controladoria e Contabilidade 2007, São Paulo/SP.

Silva, S. L. P., Costa, W. P. L. B., Silva, J. D., Nascimento, Í. C. S., & Rodrigues, R. R. F. (2020). A percepção dos gestores da unidade de controle interno em um órgão público do Rio Grande do Norte. Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí, 9(14), 16-39. DOI: https://doi.org/10.5965/2316419009142020016

Silva, W. A. C., Gomes, M. C. O., & Araújo, E. A. T. (2014). Controles internos determinantes para a eficiência na gestão do CEFET/MG. Revista Contabilidade e Controladoria, 6(1), 1-15. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v6i1.33374

Vasconcelos, V. L. D., Cruz, V. L., Santos, R. R. D., & Amorim, K. A. F. D. (2017). As práticas de auditoria interna em uma cooperativa de crédito sob a perspectiva do COSO II. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 12(2), 113-130.

Vincent, N. E., & Barkhi, R. (2021). Evaluating Blockchain using COSO. Current Issues in Auditing, 15(1), 57-71. DOI: https://doi.org/10.2308/CIIA-2019-509

Publicado

2022-06-30