O (des)emprego em duas perspectivas keynesianas

Maria Carolina Pinho Levy, Adriana Nunes Ferreira, Paulo Sérgio Fracalanza

Resumo


O presente artigo pretende explorar a nítida incompatibilidade existente entre as concepções novo-keynesiana e pós-keynesiana no que diz respeito ao fenômeno do desemprego. Tais formulações teóricas tão distintas estão aqui expostas de forma ordenada e seguidas da análise acerca das políticas públicas tidas por elas como adequadas para a mitigação do desemprego. Ao final, as escolas de pensamento apresentadas serão contrapostas buscando-se demonstrar que, por se tratarem de visões de mundo irreconciliáveis, nada há de semelhante entre elas à exceção da denominação.


Palavras-chave


Novos-keynesianos; Pós-keynesiano; Desemprego

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8085.2009v12n1p58

Creative Commons License
Revista Textos de Economia. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN: 2175-8085 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional
> > > > >