Competitividade e inovação nas Microcervejarias da região Noroeste do Rio Grande do Sul

Fabiano Geremia, Thales de Oliveira Costa Viegas, André Rodrigo Braganholo, Ricardo Aguirre de Moraes, Leandro Gabriel Flamino

Resumo


Esse trabalho analisa as características competitivas das microcervejarias artesanais da região Noroeste do estado do Rio Grande do Sul. As cervejas artesanais têm ganhado espaço na preferência dos consumidores, uma vez que uma cerveja artesanal apresenta uma fórmula de produção ímpar, bem como aromas e sabores diferenciados, o que atrai novos consumidores. Neste artigo são analisadas as especificidades competitivas das empresas, as características da estrutura produtiva, os processos de aprendizagem, as vantagens de localização e a estrutura institucional de apoio. Com base na literatura sobre a dinâmica inovativa do referencial Neo-schumpeteriano, foi realizada uma pesquisa de campo, com questionário estruturado para fundamentar a análise das características e capacitações tecnológicas das empresas. Os resultados obtidos apontam que a qualidade da matéria-prima, as inovações nos produtos e nos processos produtivos são extremamente relevantes para a sobrevivência das empresas nesse nicho de mercado, já que a concorrência não se manifesta via preços, mas por meio da diferenciação (qualidade) de produto. Conclui-se que o processo de gurmetização, que transformou o comportamento dos consumidores, criou um novo mercado, o qual se constitui na principal justificativa para a existência de microcervejarias na região Noroeste. Outros fatores competitivos locais não foram considerados relevantes pelas empresas.


Palavras-chave


Microcervejarias; Processos de aprendizado; Competitividade

Texto completo:

PDF

Referências


AFEBRAS. Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil. Disponível em: http://afrebras.org.br/setor/bebidas-alcoolicas/composicao-de-mercado. Acesso em: 09 de abril de 2016.

BELL, M.; PAVITT, K. Technological accumulation and industrial growth: contrasts between developed and developing countries. Industrial and Corporate Change, n. 2, 1993.

CARVALHO, G. D. G.; NASCIMENTO, D. E.; STRAUHS, F. R.; CARVALHO, H. G.; CRUZ, J. A. W. O papel da cooperação para a inovação em micro e pequenas empresas do estado do Paraná. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 12, p. 419-442, 2016. Disponível em: https://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/2531. Acesso em: 15 jun 2019.

CERVBRASIL. Associação Brasileira da Indústria da cerveja. Disponível em: http://www.cervbrasil.org.br/paginas/index.php?page=mercado-cervejeiro. Acesso em: mar. de 2016.

CERVESIA. Soluções em tecnologia cervejeira e gestão de processos. Disponível em: http://www.cervesia.com.br/dados-estatisticos.html. Acesso em: 08 abr. 2016.

FREEMAN, C., SOETE, L. A economia da inovação industrial. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

GIORGI, Victor de Vargas. A "cultura cervejeira" em Ribeirão Preto (1996-2016): entre uma prática transformadora e um recurso conservador. 2017. 183 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.

GOIA, M. R.; CHAVES, R. L. P. Cerveja Artesanal Carioca: A Fabricação de uma Cultura. Revista ADM.MADE, v. 20, n. 2, p. 56-71, 2017.

HOBSBAWM, E. Introduction: Inventing Traditions. In: HOBSBAWM, E.; (EDS.), T. R. The Invention of Tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

LAGES, M. P. A formação do consumo gourmet no Brasil: o caso dos cafés especiais e dos corpos que os acompanham. 2015. 184 f., il. Dissertação (Mestrado em Sociologia) —Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

LIMBERGER, S. C.; TULLA, A. A emergência de microcervejarias diante da oligopolização do setor cervejeiro (Brasil e Espanha). Finisterra, Lisboa, n. 105, p. 93-110, ago. 2017. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0430-50272017000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 15 jul. 2019.

LUNDVALL, B. Innovation as an interactive process from user-producer interaction to the national system of innovation. In: DOSI, G. et al. (Ed.). Technical change and economic theory. London: Pinter, 1988.

MAIER, T. Sources of Microbrewery Competitiveness in the Czech Republic. AGRIS on-line Papers in Economics and Informatics, v. 8, n. 4, p. 97-110. 2016.

MAIER, T. Selected Aspect of the Microbreweries Boom. AGRIS on-line Papers in Economics and Informatics, v. 5, n. 4, p. 135-142. 2013.

MALERBA, F. Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, v. 102, n. 413, p. 845-859, Jul. 1992.

MALERBA, F., CALOGHIROU, Y., MCKELVEY, M.D; RADOSEVIC, S. Dynamics of Knowledge Intensive Entrepreneurship: Business Strategy and Public Policy. London, U.K.: Routledge, 2015.

MCKELVEY, M; ZARING, O. SZUCS, S. Governance of Regional Innovation Systems: An Evolutionary Conceptual Model of How Firms Engage. DRUID15, Rome, June 15-17, 2015.

MORADO, R. Larousse da cerveja. São Paulo. Larousse do Brasil, 2009.

RAIS. Relação Anual de Informações Sociais. Mistério do Trabalho e do Emprego. Disponível em: http://bi.mte.gov.br/bgcaged/. Acesso em: 02 mar. 2016.

REDESIST. Rede de pesquisa em sistemas e arranjos produtivos e inovativos locais. Disponível em: http://www.redesist.ie.ufrj.br/resultados/publicacoes-questionarioapls. Acesso em: 24 mar. de 2016.

REGIS, S. V. C.; PEREIRA, Y. V.; SALAZAR, V. S. Cervejas Artesanais e a Experiência de Consumo do Nordestino Brasileiro. Temática, NAMID-UFPB, Ano XIII, n. 6, p. 34-50, jun. 2017.

RITA, L. P. S.; SOUZA, W. A. R.; ZANCAN, C.; FERREIRA JUNIOR, R. R.; DANTAS, ANDERSON DE BARROS. Avaliação do sistema setorial de inovação - SSI: análise da indústria química de alagoas. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 12, p. 27-59, 2016. Disponível em: https://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/2512. Acesso em 15 jun. 2019.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SCHWARTZ, D.; BAR-EL, R. The role of a local industry association as a catalyst for building an innovation ecosystem: An experiment in the State of Ceara in Brazil. Innovation: Management Policy & Practice, v. 17, n. 3, p. 383-399, 2015.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Demanda de Consumo. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/Microcevejarias-ganham-espaço-no-mercado-nacional. Acesso em 08 de abril de 2016.

SIMANTOB, M.; LIPPI, R. Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas. São Paulo: Ed. Globo, 2003.

STEFENON, R. Vantagens competitivas sustentáveis na indústria cervejeira: o caso das cervejas especiais. Revista Capital Científico - Eletrônica, v. 10, n. 1, p. 1-16, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8085.2019.e63302

Creative Commons License
Revista Textos de Economia. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN: 2175-8085 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional
> > > > >