Por que alguns estabelecimentos agropecuários superam outros em Santa Catarina? Uma visão baseada em recursos (VBR)

Luis Augusto Araujo, Elizabete Catapan, Marcia Mondardo

Resumo


A Visão Baseada em Recursos preconiza que os estabelecimentos agropecuários se destacariam de outros em termos de desempenho econômico devido a posse e utilização de recursos estratégicos. O artigo objetiva analisar a associação existente entre a heterogeneidade do desempenho de estabelecimentos agropecuários de Santa Catarina e as capacidades dos seus recursos percebidas pelos agricultores. É um estudo com abordagem de pesquisa quantitativa e os dados tratados com estatísticas descritivas, testes de médias e análise de correlação. Os resultados sugerem haver evidencias de que a capacidade de comercialização e marketing e de gestão da informação estão associadas com a renda. Além disso, sugerem que as médias e as variâncias de desempenho econômico dos estabelecimentos são estatisticamente iguais, tanto em relação ao sistema de produção como em relação ao ano agrícola.

Palavras-chave


Visão Baseada em Recursos; Agricultura familiar; Estabelecimento agropecuário; Capacidades

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, L. A. Indicadores técnicos e econômicos para a gestão de propriedades rurais produtoras de fumo em Santa Catarina. Florianópolis: EPAGRI, 63p., 2009 (EPAGRI. Documentos, 233).

AUGUSTO, C.A; SOUZA, J.D. “Economia dos custos de transação e visão baseada em recursos: aspectos complementares”. In: Anais do 48º Congresso da Sociedade brasileira de economia, Administração e Sociologia Rural. Campo Grande, MS, Brasil. 2010 (Disponível em http://www.sober.org.br/palestra/15/98.pdf, acesso em 30/102018).

BALESTRIN, A.; VERSCHOORE, J. Redes de Cooperação Empresarial: Estratégias de Gestão na Nova Economia. Bookman Editora, 2016.

BIRKINSHAW, J.; MARK, K. 25 ferramentas de gestão: um guia sobre os conceitos mais importantes ensinados nos melhores MBAs do mundo. São Paulo: HSM, p. 200, 2017.

BARBOSA, R. de A.; MACHADO, A. G. C. “Estratégias de inovação sob a perspectiva da Visão Baseada em Recursos: um estudo na Embrapa”. Gestão & Regionalidade (Online), v. 29, n. 87, 2013.

BARNEY, J. “Firm resources and sustained competitive advantage”. Journal of management, v.17, n.1, p. 99-120, 1991.

BARNEY, J. B.; ARIKAN, A. M. “The resource-based view: Origins and implications”. Handbook of strategic management, v. 124188, 2001.

BARNEY, J. B.; CLARK, D. N. “Resource-based theory: Creating and sustaining competitive advantage”. Oxford University Press on Demand, 2007.

BRANDÃO, H. P. Aprendizagem, contexto, competência e desempenho: um estudo multinível. Tese de Doutorado em Psicologia/UnB, Brasília, 2009.

BOEHLJE, M. "Structural changes in the agricultural industries: How do we measure, analyze and understand them?" American Journal of Agricultural Economics v. 81, n.5, p.1028-1041, 1999.

BRITO, L. A. L.; VASCONCELOS, F. C. “Firm Performance in an extremely environment: year, industry and firm effects”. In: XXVII ENCONTRO NACIONAL DA ANPAD, 2003a, Atibaia. Anais...Atibaia, 2003a. CD-ROM.

CASTANIAS, R. P.; HELFAT, C. E. “The managerial rents model: theory and empirical analysis. Journal of Management, v.27, n.6, p.661-678, 2001.

CARNEIRO, J. M. T.; CAVALCANTI, M. A. F. D.; SILVA, J. F. da. “Os determinantes da sustentabilidade da vantagem competitiva na visão resource-based”. Encontro da ANPAD, v. 23, 1999.

CARVALHO, D. M. de; PRÉVOT, F.; MACHADO, J. A. D. O uso da teoria da visão baseada em recursos em propriedades rurais: uma revisão sistemática da literatura. p.506518, 2014. (Disponível em https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0080210716303612, acesso em 30/10/2018).

DEJOUX, C. “Pour une approche transversale de la gestion des compétences”, Gestion 2000, n. 6, vol. 17, pp. 15-31, 2000.

DESARBO, W. S. et al. “Revisiting the Miles and Snow strategic framework: uncovering interrelationships between strategic types, capabilities, environmental uncertainty, and firm performance”. Strategic Management Journal, v. 26, p. 47-74, 2005.

DESARBO, W. S. et al. “Identifying sources of heterogeneity for empirically deriving strategic types: a constrained finite-mixture structural-equation methodology”. Management Science, v. 52, n. 6, p. 909-924, 2006.

FLEURY, M. T. L; FLEURY, A. C. C. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. 3. ed. 6. reimpr. São Paulo: ATLAS, 2011.

FOSS, K.; FOSS, N. J. “The Next Step in the Evolution of the VBR: Integration with Transaction Cost Economics”. Management Revue, v. 15, n. 1, mar/2004.

GOHR, C. F. et al. “Recursos estratégicos e vantagem competitiva: aplicação do modelo VRIO em uma organização do setor sucroalcooleiro”. Revista Gestão Organizacional, v. 4, n. 1, p. 60, 2011.

GRANT, R. M. "The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation." California management review, v. 33, n.3, p.114-135, 1991.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. “Competing for the Future”. Harvard Business Review, July-August, 1994.

HULLEY, SB; CUMMINGS, SR; BROWNER, WS; GRADY, D; HEARST, N; NEWMAN, TB. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. 2ª Ed. Porto Alegre: Editora Artmed; 2003.

IBGE. Censo Agropecuário de 2017. (Disponível em https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censoagropecuario/censo-agropecuario-2017, acesso em 26/10/2018).

LARENTIS, F. et al. O perfil dos gestores: um estudo exploratório dos modelos mentais e das competências. Revista Eletrônica de Gestão Empresarial - PROPAD/UFPE, Pernambuco, v. 10, n. 3, p. 537-566, 2012.

LEITE FILHO, G. A.; CARVALHO, F. de M.; ANTONIALLI, L. M. ‘Heterogeneidade de desempenho das pequenas empresas brasileiras: uma abordagem da Visão Baseada em Recursos (VBR)’. Revista eletrônica de administração (REAd), v. 18, n. 3, 2012.

McGAHAN, A. M., PORTER, M. E. “How Much Does Industry Matter Really?” Strategic Management Journal. Vol. 18, p. 15-30, 1997.

McGAHAN, A. M., PORTER, M. E. “What do we know about variance in accounting profitability?”. Management Science, vol. 48, p. 834-851, 2002.

MICHAUX, V. Articular as competências individual, coletiva, organizacional e estratégica: esclarecendo a teoria dos recursos e do capital social. Competências coletivas: no limiar da estratégia. Porto Alegre: Bookman, p.1-21, 2011.

MINTZBERG, H. Managing: desvendando o dia a dia da gestão. Porto Alegre: Bookman, 2010.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL J. Safári de Estratégia: Um Roteiro pela Selva do Planejamento Estratégico. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman Editora, 2010.

NAVARRO, Z. “O mundo rural no novo século: um ensaio de interpretação”. In: FILHO, J.E.R.V.; GASQUES, J.G. Agricultura, transformação produtiva e sustentabilidade. Brasília: IPEA, 2016.

PAVÃO, Y. M. P.; SEHNEM, S.; HOFFMANN, V. E. “Análise dos recursos organizacionais que sustentam a vantagem competitiva”. Revista de Administração, v. 46, n. 3, p. 228-242, 2011.

PEDROZO, E. Á. et al. “Recursos Estratégicos em Propriedades Rurais Familiares”. Revista de Administração, v. 7, n. 13, p. 13-37, 2013.

PENROSE, E. T. The theory of the growth of the firm, 1959. Cambridge, M.A, 1959.

PETERAF, M. A. “The cornerstones of competitive advantage: a resource‐based view”. Strategic Management Journal. v.14, n.3, p.179-91, mar. 1993.

RUMELT, R. P. “How much does Industry Matter?” Strategic Management Journal, v.12, p.5-29, 1991.

SERRA, F.A.R.; FERREIRA, M.P.; PEREIRA, M.F.; AND LISSONI, J. “Evolução da pesquisa em RBV: um estudo dos últimos EnANPAD’s”. In: FERREIRA, M.P.; PEREIRA, M.F.; SERRA, F.A.R.; MORITZ, G. de O. Estratégia em diferentes contextos empresariais. São Paulo: ATLAS, p. 29-52, 2010.

TYWONIAK, S.A. “Le modèle des ressources et des compétences: un nouveau paradigme pour le management stratégique », Laroche H. et Nioche J. P”. (Eds) Repenser la stratégie: Fondements et perspectives, Collection Entreprendre, Série Vital Roux. Paris: Vuibert, p. 135-164, 1998.

VALENTIN, E. K. "SWOT analysis from a resource-based view”.Journal of Marketing theory and Practice, v.9, n.2, p. 54-69, 2001.

VIK, J.; MCELWEE, G. “Diversification and the entrepreneurial motivations of farmers in Norway”. Journal of small business management, v. 49, n. 3, p. 390-410, 2011.

WALLEY, K.; CUSTANCE, P.; SMITH, F. “Farm diversification: a resource based approach”. Journal of Farm Management, v. 14, n. 4, p. 275-289, 2011.

WERNERFELT, B. "A resource‐based view of the firm." Strategic Management Journal, v.5, n.2, p.171-180, 1984.

PRAHALAD, C.K.; HAMEL, G. “The Core Competencies of the Corporation”. Harvard Business Review. 1990.

RIBEIRO, R.; ROSSETTO, C. R.; VERDINELLI, M. A. “Comportamento estratégico da empresa e a visão baseada em recursos: um estudo no setor varejista de material de construção”. Gestão & Produção, v. 18, n. 1, p. 175-192, 2011.

ROQUEBERT, J. A.; PHILLIPS, R. L.; WESTFALL, P. A. "Markets vs. management: What'drives' profitability?" Strategic Management Journal, p. 653-664, 1996.

RUGMAN, A. M.; VERBEKE, A. "Edith Penrose's contribution to the resource‐based view of strategic management." Strategic Management Journal, v. 23, n. 8, p.769-780, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8085.2019v22n1p141

Creative Commons License
Revista Textos de Economia. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN: 2175-8085 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional
> > > > >