A influência da orientação política dos prefeitos na probabilidade de implementação de Institutos Federais e Campi Universitários em tempos de REUNI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2020.e65249

Palavras-chave:

Políticas Publicas, biprobit, REUNI, Ensino Superior, Ensino Técnico

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo avaliar se as decisões de implementação das unidades educacionais do ensino técnico e superior tiveram como um dos fatores decisivos a orientação política dos prefeitos dos municípios durante o período do primeiro governo petista (2003 a 2010). Para fazer a estimação foi usado um modelo probit bivariado com o objetivo de mitigar os vieses de simultaneidade decorrentes da correlação entre implantar um novo Instituto Federal e implantar um novo campus. Foram encontrados indícios de que houve um impacto significativo na probabilidade de concessão dos IFs devido à orientação política dos prefeitos, em todo o país exceto na região Nordeste. Assim, o estudo conclui que a orientação política dos prefeitos pode ter influenciado na concessão dos IFs no período analisado.

Biografia do Autor

Akauã Flores Arroyo, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduado em Ciencias Econômicas pela UFSC (2013-2017) e atualmente mestrando do Programa de Pós-Graduação em Econômia da UFSC (PPGEco) desde 2018

Referências

BARBOSA, M. P.; PETTERINI, F. C.; FERREIRA, R. T. Avaliação do impacto da política de expansão das universidades federais sobre as economias municipais. In: ANPEC-

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CENTROS DE PÓSGRADUAÇÃO EM ECONOMIA [BRAZILIAN ASSOCIATION OF GRADUATE PROGRAMS IN ECONOMICS]. Anais do XLIII Encontro Nacional de Economia [Proceedings of the 43rd Brazilian Economics Meeting]. [S.l.], 2016.

BRASIL. Decreto no 6.094. [S.l.]: Ministério da Educação, Abril, 2007.

BRASIL. Decreto no 6.096. [S.l.]: Ministério da Educação, Abril, 2007.

BRASIL. Lei no 8.948. [S.l.]: Ministério da Educação, Dezembro, 1994.

BRASIL. Lei no 11.892. [S.l.]: Ministério da Educação, Dezembro, 2008.

BRASIL. Decreto no 4.048. [S.l.]: Ministério da Educação, Janeiro, 1942.

BRASIL. Decreto no 8.621. [S.l.]: Ministério da Educação, Janeiro, 1946.

BRASIL. Decreto no 8.622. [S.l.]: Ministério da Educação, Janeiro, 1946.

BRASIL. Lei no 11.195. [S.l.]: Ministério da Educação, Novembro, 2005.

CAMERON, A. C.; TRIVEDI, P. K. Microeconometrics using stata. [S.l.]: Stata press College Station TX, 2010. v. 2.

CIAVATTA, M.; RAMOS, M. Ensino médio e educação profissional no brasil: dualidade e fragmentação. Retratos da Escola, v. 5, n. 8, p. 27–41, 2012.

FLORAX, R. J. The university: a regional booster? economic impacts of academic knowledge infrastructure. 1992.

GREENE, W. H. Econometric analysis. [S.l.]: Pearson Education India, 2003.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria Básica-5. [S.l.]: AMGH Editora, 2011.

HADDAD, F. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. [S.l.]: MEC–Ministério da Educação, INEP–Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2008.

HSU, H. P. Theory and problems of probability, random variables, and random processes. [S.l.]: McGraw-hill New York, 1996.

KUENZER, A. Z. A educação profissional nos anos 2000: a dimensão subordinada das políticas de inclusão. Educação e Sociedade, SciELO Brasil, v. 27, n. 96, p. 877–910, 2006.

LUCAS, R. On the mechanisms of development planning. Journal of Monetary Economics, v. 22, n. 1, p. 3–42, 1988.

MARTINS, C. B. O ensino superior brasileiro nos anos 90. São Paulo em perspectiva, SciELO Brasil, v. 14, n. 1, p. 41–60, 2000.

MARTINS, C. B. A reforma universitária de 1968 e a abertura para o ensino superior privado no brasil. Educação & sociedade, SciELO Brasil, v. 30, n. 106, 2009.

MEC. Um novo modelo em educação profissional e técnologica: Concepção e Diretrizes. Ministerio da Educação, 2010. Acessado em Outubro de 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias= 6691-if-concepcaoediretrizes&Itemid=30192.

MEC. Expansão da educação superior e profissional e tecnológica: mais formação e oportunidades para os brasileiros. Ministério da Educação, 2011. Acessado em Outubro de 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/expansao/images/APRESENTACAO_ EXPANSAO_EDUCACAO_SUPERIOR14.pdf.

MEC. Análise sobre a Expansão das Universidades Federais 2003 a 2012. Ministerio da Educação, 2013. Acessado em Outubro de 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ docman/janeiro-2013-pdf/12386-analise-expansao-universidade-federais-2003-2012-pdf.

MEC/SETEC, S. da Educação Profissional e T. Prestação de contas ordinárias anual: relatório de gestão 2010. [S.l.], 2011.

ROLIM, C.; KURESKI, R. Impacto econômico de curto prazo das universidades federais na economia brasileira. In: XIII Regional Economic Meeting (South ANPEC). Porto Alegre-RS, August. [S.l.: s.n.], 2010. p. 11–13.

ROMER, P. M. Endogenous technological change. Journal of political Economy, The University of Chicago Press, v. 98, n. 5, Part 2, p. S71–S102, 1990.

SAMPAIO, H. Evolução do ensino superior brasileiro. São Paulo, NUPES, Documento de Trabalho, v. 8, p. 91, 1991.

SOARES, M. d. J. A. As escolas de aprendizes artífices-estrutura e evolução. In: Fórum Educacional. [S.l.: s.n.], 1982. v. 6, n. 3, p. 58–92.

SOUZA, J. G. de. Evolução histórica da universidade brasileira: abordagens preliminares. Revista de Educação PUC-Campinas-ISSNe 2318-0870, n. 1, 2012.

TAVARES, M. G. Evolução da rede federal de educação profissional e tecnológica: as etapas históricas da educação profissional no brasil. 2012.

TEIXEIRA, A. Ensino superior no Brasil: análise e interpretação de sua evolução até 1969. [S.l.]: Editora UFRJ, 2005. v. 10.

WOOLDRIDGE, J. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2011. [S.l.]: APÊNDICES, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Edição

Seção

Artigos