"Formação econômica do Brasil" de Celso Furtado em três dimensões: história, economia e horizonte de expectativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2020.e77941

Palavras-chave:

Celso Furtado, Desenvolvimento Econômico, Brasil

Resumo

Objetivo: O presente artigo tem por objetivo oferecer aos leitores de Formação Econômica do Brasil um posfácio ao clássico de Celso Furtado de modo a enriquecer a primeira leitura e suscitar algumas provocações. Métodos: O texto combina análise de história das ideias e sociologia do conhecimento como métodos de análise. Resultados: Argumenta-se que Formação articula três problemáticas: da análise econômica do passado; da historicização das leis econômicas; e da teoria para a ação. Esta articulação resultou em contribuições originais em três domínios: no campo da historiografia, a caracterização do subdesenvolvimento como um fenômeno particular da civilização industrial; nas ciências econômicas, a proposição de uma teoria do subdesenvolvimento; e, no domínio das interpretações do Brasil, o padrão de crescimento econômico excludente e a questão regional para a integração nacional. Conclusões: Por fim, conclui-se que Furtado pretendeu construir um conhecimento sobre a realidade brasileira que não se apresentasse como forma de dominação.

Referências

AGARWALA, A. N.; SINGH, S. P. (Org.). A economia do subdesenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

ALENCASTRO, L. F. de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ANDERSON, P. Modernidade e revolução. Novos estudos CEBRAP, v. 14, p. 2–15, 1986.

ARENA, R. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d’Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 350–360.

ARRIGHI, G. O longo século XX. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto, 1996.

BECKER, B. K.; EGLER, C. A. G. Brasil: uma potência regional na economia-mundo. 4a ed. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2003.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BIDERMAN, C.; COZAC, L. F. L.; REGO, J. M. (Org.). Conversas com economistas brasileiros. São Paulo: Editora 34, 1996.

BIELSCHOWSKY, R. Formação Econômica do Brasil: uma obra prima do estruturalismo cepalino. In: ARAÚJO, T. P.; VIANNA, S. T. W.; MACAMBIRA, J. (Org.). 50 anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: IPEA, 2009. p. 49–67.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 5. ed. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto, 2000.

BOIANOVSKY, M. Between Lévi-Strauss and Braudel: Furtado and the historical-structural method in Latin American political economy. Journal of Economic Methodology, v. 22, n. 4, p. 413–438, 2015.

BRAUDEL, F. Escritos sobre a história. São Paulo, SP: Perspectiva, 1992.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Interpretações sobre o Brasil. In: LOUREIRO, M. R. (Org.). 50 anos de Ciência Econômica no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1997. p. 17–69.

CALVINO, I. Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

COUTINHO, M. C. A teoria econômica de Celso Furtado: Formação Econômica do Brasil. In: LIMA, M. C.; DAVID, M. D. (Org.). A atualidade do pensamento de Celso Furtado. São Paulo: Francis, 2008. p. 139–159.

D’AGUIAR, R. F. (Org.). Celso Furtado: diários intermitentes, 1937-2002. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

FLORENTINO, M.; FRAGOSO, J. O arcaísmo como projeto: mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia: Rio de Janeiro, c. 1790-c. 1840. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2001.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. 32. ed. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional, 2003.

FURTADO, C. Obra autobiográfica. Edição Definitiva ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

HOBSBAWM, E. J. Era dos extremos: o breve século XX : 1914-1991. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1995.

IANNI, O. A “redemocratização” de 1946 e as tentativas de reorientação da política econômica. In: SZMRECSÁNYI, T.; GRANZIERA, R. G. (Org.). Getúlio Vargas & a economia contemporânea. 2a ed. São Paulo: Hucitec, 2004. p. 97–111.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

LESTER, A. H. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d’Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 375–378.

MALLORQUÍN, C. Celso Furtado. In: PERICÁS, L. B.; SECCO, L. F. (Org.). Intérpretes do Brasil: clássicos, rebeldes e renegados. São Paulo: Boitempo, 2014. p. 287–304.

MANTEGA, G. A economia política brasileira. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1984.

MANTEGA, G. Celso Furtado e o pensamento econômico brasileiro. Revista de Economia Política, v. 9, n. 4, p. 29–37, 1989.

MANTEGA, G.; REGO, J. M. (Org.). Conversas com economistas brasileiros II. São Paulo: Editora 34, 1999.

MARIUTTI, E. B. Colonialismo, imperialismo e desenvolvimento econômico europeu. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2009.

MELLO, J. M. C. de. Entrevista. In: MANTEGA, G.; RÊGO, J. M. (Org.). Conversas com economistas brasileiros II. São Paulo: Editora 34, 1999.

MELLO, J. M. C. de. O Capitalismo Tardio: contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. São Paulo, SP: Brasiliense, 1984.

MORAES, A. C. R. Bases da Formação Territorial do Brasil: o território colonial brasileiro no “longo século” XVI. São Paulo, SP: Hucitec, 2000.

MUELLER, H. G. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d’Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 389–392.

NOVAIS, F. A. Aproximações: estudos de história e historiografia. São Paulo, SP: Editora Cosac Naify, 2005.

NOVAIS, F. A. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). 6a. ed. São Paulo, SP: Editora Hucitec, 1995.

NOVAIS, F. A. Resenha. Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 379–383.

NUNES, R.; BIANCHI, A. M. Duas maneiras de contar a história do pensamento econômico. Revista de economia contemporânea, v. 3, n. 1, 1999.

OLIVEIRA, C. A. B. de. Processo de Industrialização: do capitalismo originário ao atrasado. São Paulo, SP: Ed. UNESP, 2003.

PAULA, J. A. de. Celso Furtado, a história e a historiografia. Cadernos do Desenvolvimento, v. 10, n. 17, p. 144–165, 2015.

PELÁEZ, C. M. História da industrialização brasileira. Rio de Janeiro: APEC Editora, 1972.

POLANYI, K. A Grande Transformação: as origens da nossa época. 2a. ed. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2012.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. 23. ed. São Paulo, SP: Brasiliense, 2008.

RICUPERO, B. Celso Furtado e o pensamento social brasileiro. In: LIMAS, M. C.; DAVID, M. D. (Org.). A atualidade do pensamento de Celso Furtado. São Paulo: Francis, 2008. p. 19–26.

RODRÍGUEZ, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SÁ, P. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d’Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 361–366.

SACHS, I. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d"Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 427–431.

SANTOS, F. P. dos. O enfoque histórico-estrutural e a crítica relegada. Textos de Economia, v. 14, n. 1, p. 51–81, 2011.

SANTOS, W. G. dos. O ex-Leviatã brasileiro: do voto disperso ao clientelismo concentrado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

SINGER, P. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d’Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 367–370.

SODRÉ, N. W. Resenha. In: FURTADO, C.; D’AGUIAR, R. F. (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 347–349.

SUNKEL, O.; PAZ, P. El subdesarrollo latinoamericano y la teoría del desarrollo. 6. ed. ed. México: Siglo Veintiuno Editores, 1970.

SZMRECSÁNYI, T. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d’Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 510–518.

TAVARES, M. C. Acumulação de capital e industrialização no Brasil. 3. ed. Campinas, SP: Unicamp, IE, 1998.

TILLY, C. Big structures, large processes, huge comparisons. New York, N. Y.: Russell Sage Foundation, 1984.

VALENTE, M. A. Celso Furtado e os fundamentos de uma economia política republicana. Tese (Doutorado) ed. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, 2009.

VIEIRA, P. A. A economia-mundo, Portugal e o “Brasil” no longo século XVI (1450-1650). In: VIEIRA, P. A.; FILOMENO, F. A.; VIEIRA, R. de L. (Org.). O Brasil e o capitalismo histórico: passado e presente na análise dos sistemas-mundo. São Paulo, SP: Cultura Acadêmica, 2012. p. 207–264.

VIEIRA, P. A. “Brazil” in the Capitalist World-Economy from 1550 to c. 1800. Review (Fernand Braudel Center), v. 37, n. 1, p. 1–34, 2014. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/90007840. Acesso em: 25 fev. 2020.

VIEIRA, R. de L. A cadeia mercantil do café produzido no Brasil entre 1830 e 1929. O Brasil e o Capitalismo Histórico: Passado e Presente na Análise dos Sistemas-Mundo. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 265–296.

WÖHLCKE, M. Resenha. In: FURTADO, C.; FURTADO, R. F. d’Aguiar (Org.). Formação Econômica do Brasil: edição comemorativa: 50 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 467–469.

Downloads

Publicado

2020-12-14 — Atualizado em 2020-12-14

Versões

Edição

Seção

Dossiê