Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-12-14. Leia a versão mais recente.

Celso Furtado, eminente pensador da questão regional brasileira

Autores

  • Hoyêdo Nunes Lins

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2020.e77948

Palavras-chave:

Celso Furtado, Problemas regionais, Região Nordeste

Resumo

Celso Furtado sobressai fortemente entre os pensadores do desenvolvimento regional no Brasil, em especial com respeito ao Nordeste, e também como formulador de políticas vinculadas. Esse destaque é indissociável de suas atividades desde o final dos anos 1950, após percurso intelectual que incluiu passagens pela França e pela CEPAL, em Santiago do Chile. Baseado em pesquisa bibliográfica e documental, o artigo focaliza essa trajetória procurando observar as influências dessas experiências no pensamento de Furtado sobre a questão regional, assim como nas ações propostas por ele para o Nordeste. Também se apresentam e discutem suas contribuições nos anos 1980, após distanciamento imposto por muitos anos de exílio.

Biografia do Autor

Hoyêdo Nunes Lins

Possui graduação em Ciências Econômicas pela UFSC (1976) , graduação em Direito pela UFSC (1984) , mestrado em Planejamento do Desenvolvimento Regional pela University College Of Swansea (1982) e doutorado em Geografia Organização do Espaço pela Universite de Tours (Universite Francois Rabelais) (1988) . Atualmente é professor titular da UFSC. Tem experiência na área de Economia , com ênfase em Economia Industrial. Atuando principalmente nos seguintes temas: Descentralização industrial, Industrialização periférica, Impactos regionais, Oeste da França.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Referências

ALMEIDA, J. A. de. A bagaceira. 25.ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1988. [1928].

ARAÚJO, T. B. de. A “questão regional” e a “questão nordestina”. In: TAVARES, M. da C. (org.). Celso Furtado e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000, p. 71-92.

ARRIGHI, G. A ilusão do desenvolvimento. 2.ed.Petrópolis: Vozes, 1997.

BYÉ, M. Localisation de l’investissement e Communauté Economique Européenne. Revue Economique, Paris, v. 9, n. 2, p. 188-212, 1958.

CANO, W. Celso Furtado e a questão regional no Brasil. In: TAVARES, M. da C. (org.). Celso Furtado e o Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000, p. 93-120.

CELSO Furtado. Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, Rio de Janeiro, [S.d.]. Disponível em: http://www.centrocelsofurtado.org.br/ Acesso em: 13 maio 2020.

DINIZ, C. C. Celso Furtado e o desenvolvimento regional. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 19, n. 2, p. 227-249, 2009.

FERREIRA, A. Da invenção criada do GTDN à reinvenção do futuro na década perdida. In: FURTADO, C. et al. O pensamento de Celso Furtado e o Nordeste. Rio de Janeiro:Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento: Banco do Nordeste do Brasil, 2009, p. 69-92.

FURTADO, C. A luta pelo Nordeste e a estratégia da Sudene. A Defesa Nacional, Rio de Janeiro, v. 49, n. 574-575, p. 5-10, 1962.

FURTADO, C. Intra-country discontinuities: towards a theory of spatial structures. Social Science Information, Paris, v. 6, n. 6, p. 7-16, 1967.

FURTADO, C. Um projeto para o Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Saga, 1968.

FURTADO, C. Pour le Nord-est: quinze années perdues. Le Monde, Paris, 2 avr. 1979. Disponível em: https://www.lemonde.fr/archives/article/1979/04/02/pour-le-nord-estquinze-annees-perdues_2765887_1819218.html Acesso em: 18 maio 2020.

FURTADO, C. O Brasil pós-“milagre”. 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981a.

FURTADO, C. Uma política de desenvolvimento para o Nordeste. Novos Estudos, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 12-19, 1981b.

FURTADO, C. A nova dependência: dívida externa e monetarismo. 4.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 22.ed. São Paulo: Editora Nacional, 1987. [1959].

FURTADO, C. A fantasia desfeita. 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FURTADO, C. Entrevista: A constatação do GTDN e as exigências da atualidade. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 28, n. 4, p. 375-384, 1997. (Entrevista a Adriano Sarquis Bezerra de Menezes e João Salmito Filho).

FURTADO, C. Seca e poder. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

FURTADO, C. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FURTADO, C. O capitalismo global. 4.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

FURTADO, C. Economia colonial no Brasil nos séculos XVI e XVII: elementos de história econômica aplicados à análise de problemas econômicos e sociais. São Paulo: HUCITEC, ABPHE, 2001.

FURTADO, C. Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. In: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. O Nordeste e a saga da Sudene (1958-1964). Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2009a, p. 83-164. [GTDN-Grupo de Trabalho para o Desenvolvimento do Nordeste, 1959].

FURTADO, C. A Operação Nordeste. In: Centro Internacional Celso Furtado de Políticaspara o Desenvolvimento. O Nordeste e a saga da Sudene (1958-1964). Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2009b, p. 29-71. [1959].

FURTADO, C. Discurso pronunciado na instalação da Operação Nordeste. In: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. O Nordeste e a saga da Sudene (1958-1964). Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2009c, p. 73-81. [17 fev. 1959].

FURTADO, C. Discurso de posse na Sudene. In: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. O Nordeste e a saga da Sudene (1958-1964). Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2009d, p. 165-169. [8 fev. 1960].

GRAVIER, J-P. Paris et le désert français. Paris: Flammarion, 1947.

HARROP, J. The political economy of integration in the European Community. Aldershot: Edward Elgar, 1989.

HIRSCHMAN, A. O. The strategy of economic development. New Haven: Yale University Press, 1958.

JOHNSTON, R. J. The state, the region, and the division of labor. In: SCOTT, A. J.; STORPER, M. (ed.). Production, work, territory: the geographical anatomy of industrial capitalismo. Winchester, Mass.: Allen & Unwin, 1986, p. 265-280.

KITCHING, G. N. Reification, explanation and regional planning. Occasional Paper, n. 9, Swansea: Centre for Development Studies, 1982.

LAJUGIE, J.; DELFAUD, P.; LACOUR, C. Espace regional et aménagement du territoire. Paris: Dalloz, 1979.

MARGLIN, S. A.; SCHOR, J. B. (ed.). The Golden age of capitalism: reinterpreting the postwar experience. Oxford: Clarendon Press, 1991.

MARKUSEN, A. R. Região e regionalismo: um enfoque marxista. Espaço & Debates, São Paulo, n. 2, p. 61-99, 1981.

MYRDAL, G. Economic theory and underdeveloped regions. London: Duckworth, 1957.

OLIVEIRA, F. de. Elegia para uma re(li)gião: SUDENE, Nordeste – Planejamento e conflito de classes. 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

OLIVEIRA, F. de. Depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a Sudene. In: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. O Nordeste e a saga da Sudene (1958-1964). Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2009, p. 193-222. [2 ago. 1978].

PERROUX, F. Note sur la notion de pôle de croissance. Economie Appliquée, Paris, n. 1-2, p. 307-320, 1955.

PERROUX, F. A economia do século XX. Lisboa: Morais, 1967.

RAMOS, G. Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2020. [1938]

SAYER, A. Explanation in economic geography: abstraction versus generalization. Progress in Human Geography, v. 6, n. 1, p. 68-88, 1982.

TENÓRIO, F.; WANDERLEY, S. Celso Furtado: an economist in the service of public management (1943-1964). Brazilian Journal of Public Administration, Rio de Janeiro, v. 52, n. 3, p. 507-526, 2018.

TROVÃO, C. J. B. M.; ARAÚJO, J. B.; MONTENEGRO, R. F. Economia, trabalho e renda no Nordeste brasileiro do início do século XXI. Revista de Desenvolvimento Econômico, Salvador, v. 1, n. 42, p. 134-160, 2019.

VILAÇA, M. V.; ALBUQUERQUE, R. C. de. Coronel, coronéis: apogeu e declínio do coronelismo no Nordeste. 5.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

WALLERSTEIN, I. M. Após o liberalismo: em busca da reconstrução do mundo. Petrópolis: Vozes, 2002.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Versões

Edição

Seção

Artigos