Os programas de mestrado em economia no Brasil são pluralistas? Disciplinas obrigatórias

Autores

  • Felipe Romera Pereira Universidade Federal do ABC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2021.e78193

Palavras-chave:

Pluralismo, Economia no Brasil, Programas de mestrado em economia

Resumo

Este trabalho analisa os programas de mestrado em economia no Brasil e classifica estes em ortodoxo, pluralista-ortodoxo, pluralista, pluralista-heterodoxo ou heterodoxo. Há uma explicação do porquê utilizar cinco categorias ao invés da tríade comum ortodoxo, pluralista, heterodoxo no primeiro artigo. Para realizar essa classificação, analisa cada disciplina obrigatória que o programa ensina. Cataloga esses documentos analisados em uma das três categorias da tríade comum e então cataloga o programa. No total foram 162 ementas analisadas pertencentes a 56 programas de mestrado. Este trabalho não analisa ementas de matemática e econometria pois entende que não é possível classificar esses cursos em uma das categorias da tríade comum. Para classificar as ementas há uma lista de quais assuntos são considerados heterodoxos e quais ortodoxos nas duas disciplinas mais comuns, macroeconomia e microeconomia. Por fim, o trabalho analisa o estudo de outros acadêmicos que fizeram o mesmo trabalho de catalogar os programas brasileiros e encontra resultados diferentes dado que a metodologia de classificação utilizada foi diferente. Nas considerações finais sugere motivos para as diferenças encontradas e levanta questões para trabalhos futuros.

Referências

FONTES PRIMÁRIAS

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CENTROS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. Centros Associados. Niterói, RJ. 2019. Disponível em: http://www.anpec.org.br/novosite/br/centros-associados. Acesso em: 11 de Setembro de 2019.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Catálogo de disciplinas. São Paulo, 2019. Disponível em: https://eesp.fgv.br/sites/eesp.fgv.br/files/catalogo_de_disciplinas.pdf. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Grade e corpo docente. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: http://epge.fgv.br/pt/pos-graduacao/doutorado-mestrado/grade. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

INSPER. Pós-Graduação. São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.insper.edu.br/pos-graduacao/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

MACKENZIE. Economia e Mercados – Profissional. São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.mackenzie.br/programas-de-pos-graduacao/mestrado-doutorado/sao-paulo-higienopolis/economia-e-mercados-profissional/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

MAR-FURG. Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada. Rio Grande, 2019. Disponível em: https://ppgeconomia.furg.br/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

PLATAFORMA SUCUPIRA. Disciplinas. Ministério da Educação, 2019. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/disciplina/listaDisciplina.jsf;jsessionid=PuFowGAxcHwmbao158FgvhjJ.sucupira-204. Acesso em: 11 de Setembro de 2019.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA. Economia do Desenvolvimento. Porto Alegre, 2019. Disponível em: http://www.pucrs.br/negocios/curso/mestrado-em-economia-do-desenvolvimento/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA. Economia. São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.pucsp.br/pos-graduacao/mestrado-e-doutorado/economia. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA. Grade curricular. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: http://www.puc-rio.br/ensinopesq/ccpg/progeco.html#ementas. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNISINOS. Mestrado e Doutorado em Economia. Porto Alegre, 2019. Disponível em: http://www.unisinos.br/mestrado-e-doutorado/economia/presencial/porto-alegre. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Pós-Graduação Católica. Brasília, 2019. Disponível em: https://inscricaoucb.catolica.edu.br/pos. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Departamento de Economia. Brasília, 2019. Disponível em: http://www.economia.unb.br/mestrado-academico. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Departamento de Economia. São Paulo, 2019. Disponível em: http://www.fea.usp.br/economia. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Departamento de Economia, Administração e Sociologia. Piracicaba, 2019. Disponível em: http://www.economia.esalq.usp.br/. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, 2019. Disponível em: https://www.fearp.usp.br/. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Pós Graduação do Instituto de Economia – UNICAMP. Campinas, 2019. Disponível em: http://www.eco.unicamp.br/index.php/ensino/pos-graduacao. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA. Mestrado em Economia Regional. Londrina, 2019. Disponível em: http://www.uel.br/pos/economia/portal/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas. Maringá, 2019. Disponível em: http://www.pce.uem.br/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA. Programa de Pós-Graduação em Economia. Ponta Grossa, 2019. Disponível em: https://www3.uepg.br/ppgeco/. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SÃO PAULO. Programa de Pós-Graduação em Economia. Araraquara, 2019. Disponível em: https://www.fclar.unesp.br/#!/pos-economia. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ. Pós-Graduação Mestrado em Economia. Toledo, 2019. Disponível em: https://www5.unioeste.br/portalunioeste/pos/pge. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://sites.google.com/view/ppgce-uerj. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Programa de Pós-Graduação em Economia. Mossoró, 2019. Disponível em: http://propeg.uern.br/ppe/default.asp?item=ppe-noticias. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Programa de Pós-Graduação em Economia. Salvador, 2019. Disponível em: https://ppgeconomia.ufba.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. Programa de Pós-Graduação em Economia. João Pessoa, 2019. Disponível em: http://www.ccsa.ufpb.br/ppge/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS. Mestrado em Economia Aplicada. Maceió, 2019. Disponível em: http://www.ufal.edu.br/unidadeacademica/feac/pos-graduacao/mestrado-em-economia-aplicada-1. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Programa de Pós-Graduação em Economia. Varginha, 2019. Disponível em: https://www.unifal-mg.edu.br/ppgeconomia/. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. Programa de Pós-Graduação em Economia. Goiânia, 2019. Disponível em: https://ppe.face.ufg.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Programa de Pós-Graduação em Economia. Juiz de Fora, 2019. Disponível em: http://www.ufjf.br/poseconomia/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Faculdade de Ciências Econômicas. Belo Horizonte, 2019. Disponível em: https://www.cedeplar.ufmg.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO. Programa de Pós-graduação em Economia Aplicada. Mariana, 2019. Disponível em: http://www.ppea.ufop.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Organizações e Mercados. Pelotas, 2019. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/ppgom/ .Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Programa de Pós-Graduação em Economia. Recife, 2019. Disponível em: https://www.ufpe.br/ppgecon/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Programa de pós-graduação em economia. Florianópolis, 2019. Disponível em: http://ppgeco.ufsc.br/o-programa/mestrado/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Programa de Pós-Graduação em Economia e Desenvolvimento. Santa Maria, 2019. Disponível em: http://www.ufsm.br/ppged. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. Programa de Pós-Graduação em Economia. Sorocaba, 2019. Disponível em: http://www.ppgec.ufscar.br/. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Mestrado Acadêmico em Economia e Desenvolvimento. Osasco, 2019. Disponível em: https://www.unifesp.br/campus/osa2/destaques-eppen/282-mestrado-academico-em-economia-e-desenvolvimento. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Programa de Pós-Graduação em Economia. São Cristóvão, 2019. Disponível em: http://nupec.ufs.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Programa de Pós-graduação em Economia. Uberlândia, 2019. Disponível em: http://www.ppge.ie.ufu.br/. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Pós-Graduação em Economia Aplicada. Viçosa, 2019. Disponível em: http://www.poseconomia.ufv.br/. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Pós-Graduação Stricto Sensu em Economia. Viçosa, 2019. Disponível em: http://www.poseconomia.ufv.br/. Acesso em: 17 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Disciplinas. Santo André, 2019. Disponível em: https://sites.google.com/view/ppgeconomiaufabc/acad%C3%AAmico/disciplinas?authuser=0. Acesso em: 12 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Programa de Pós-Graduação em Economia. Fortaleza, 2019. Disponível em: https://caen.ufc.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. Mestrado em Economia. Vitória, 2019. Disponível em: http://www.economia.ufes.br. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Programa de Pós-Graduação em Economia. Belém, 2019. Disponível em: http://ppge.propesp.ufpa.br/index.php/br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido. Belém, 2019. Disponível em: http://www.ppgdstu.propesp.ufpa.br/index.php/br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Todas as disciplinas. Curitiba, 2019. Disponível em: http://www.prppg.ufpr.br/site/ppgde/todas-as-disciplinas/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Instituto de Economia. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Programa de Pós-Graduação em Economia. Natal, 2019. Disponível em: http://www.posgraduacao.ufrn.br/ppeco. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Programa de Pós-Graduação em Economia. Porto Alegre, 2019. Disponível em: https://www.ufrgs.br/ppge/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Programa de Pós-Graduação em Economia. Niterói, 2019. Disponível em: http://www.ppge.uff.br/. Acesso em: 16 de Setembro de 2019.

FONTES SECUNDÁRIAS

BIANCHI, A. M. Muitos métodos é o método: A respeito do pluralismo. Revista de Economia Política, vol. 12, nº 2. 1992.

CALDWELL, B. J. The case for pluralism. Cambridge University Press. 1985.

COLANDER, D. The death of neoclassical economics. Journal of the History of Economic Thought, nº 22. 2000.

COLANDER, D.; HOLT, R.; ROSSER, B. The changing face of mainstream economics. Review of Political Economy. 2004.

COLANDER, D. Moving beyond the rhetoric of pluralism: suggestions for an “inside-the-mainstream” heterodoxy. In: Garnett, E. et al. Economic Pluralism. 2010.

DAVIS, J. B. The turn in economics and the turn in economic methodology. Journal of Economic Methodology. 2007.

DEQUECH, D. Neoclassical, mainstream, orthodox, and heterodox economics. Journal of Post Keynesian Economics. 2007.

FERNANDEZ, R. G.; SUPRINYAK C. E. Manufacturing Pluralism in Brazilian Economics. Journal of Economic Issues. 2019.

LEE, F. Pluralism in heterodox economics. In: Garnett, E. et al. Economic Pluralism. 2010.

LEE, F. The pluralism debate in heterodox economics. Review of Radical Political Economics, vol. 43, nº 4. 2011.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Edição

Seção

Artigos