A dimensão política do pensamento de Celso Furtado

Autores

  • Marcos Alves Valente Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2020.e78301

Palavras-chave:

Celso Furtado, Subdesenvolvimento, História do pensamento político, Conflito político, Conceitos essencialmente contestados

Resumo

Objetivo: o presente estudo tem por objetivo apresentar os trabalhos políticos de Celso Furtado enquanto parte integrante de sua teoria do subdesenvolvimento. Métodos:  o método histórico do contextualismo linguístico serve de base para investigar os usos e significados atribuídos por Furtado à ideia de desenvolvimento, conceito aqui interpretado como conceito essencialmente contestado. Resultados: argumenta-se que Furtado, ao apontar a centralidade dos conflitos como fonte de democratização e do planejamento como meio de transformação social, se defrontou com tensões sociais que se transformaram em obstáculos políticos intransponíveis para o sucesso de suas estratégias de mudança através da política econômica. Embora essas tensões, segundo interpretes do período, tenham se expressado em sua obra numa igual tensão entre uma dimensão democrática e outra tecnocrática de seu pensamento, argumenta-se que a complexidade de sua obra revela a complexidade de um sistema político e econômico no qual Furtado forjou uma nova concepção de desenvolvimento econômico, expressa no conceito de subdesenvolvimento

Biografia do Autor

Marcos Alves Valente, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (1989), mestrado em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (2002) e doutorado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina e integra o Núcleo de Estudos do Pensamento Político (NEPP) do Centro de Filosofia e Ciências Humanas na UFSC. Tem experiência na área de Ciência Política e de Economia, procurando trabalhar na fronteira entre as duas disciplinas a partir da premissa de que Ciência Política e a Economia são disciplinas interpretativas e devem ser informadas Historicamente. Atua na área de Desenvolvimento Sócio-Econômico, História do Pensamento Econômico e Político Brasileiros, e Formação Econômica do Brasil e recentemente passou a se dedicar ao estudo das Relações Internacionais. Dedica-se à investigação sobre o papel das idéias, crenças e tradições na vida política e econômica, norteando-se pelo princípio de que o estudo das diferentes expressões do pensamento é crucial para a compreensão das relações de poder que conformam a vida social, política e econômica na civilização industrial.

Referências

BASTOS, P. P. Z. O Plano Trienal e sua Economia Política. In: FURTADO, R. F. A. (Org.). O plano trienal e o ministério do planejamento. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado, pp. 441-449, 2011

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. – 4ª. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

DALAND, R. T. A Atitude de Goulart com o Planejamento. In: FURTADO, R. F. A. (Org.). O plano trienal e o ministério do planejamento. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado, pp. 451-484, 2011.

FIGUEIREDO, A. C. 1993. Democracia ou reformas: alternativas democráticas à crise política, 1961-1964. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FURTADO, C. A feição funcional da democracia moderna. Cultura Política (jan. 1944a). Rio de Janeiro, ano 04, 36, pp.55-58, 1944.

FURTADO, C. Trajetória da democracia na América. Revista do Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos. Rio de Janeiro, pp. 5-27. (Prêmio Franklin D. Roosevelt, outorgado pelo IBEU), 1946.

FURTADO, C. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, Segunda Edição, 1962.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. – 2a ed. - Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura S. A., 1963.

FURTADO, C. Dialética do desenvolvimento. – 2a ed. – Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura S.A., 1964.

FURTADO, C. Obstáculos Políticos para el Desarrollo Económico del Brasil. Desarrollo Económico, Vol. 4, No. 16, Apr. – Jun., pp. 373-389, 1965.

FURTADO, C. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S. A., 1968.

FURTADO, C. Da República Oligárquica ao Estado Militar. In: Brasil: tempos modernos. – 3ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 1-23, 1979

FURTADO, C. Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1980.

FURTADO, C. O Brasil pós-milagre. – 4ª ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FURTADO, C. Cultura e desenvolvimento em época de crise. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FURTADO, C. Obra Autobiográfica: Celso Furtado. – 3 volumes – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FURTADO, C. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. – 27ª. ed. – São Paulo: Companhia Editora Nacional: Publifolha, 2000.

FURTADO, C. Raízes do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FURTADO, C. Essencial Celso Furtado. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

FURTADO, C. Diários intermitentes: 1937-2002. – 1ª. ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

HIRSCHMAN, A. O. Grandeza e Decadência da Economia do Desenvolvimento. In: A economia como ciência moral e política. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1986.

IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil. 4a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1986.

MORAES, R. C. C. Celso Furtado. O subdesenvolvimento e as idéias da CEPAL. São Paulo/SP: Editora Ática, 1995.

RODRIGUEZ, O. Teoria do subdesenvolvimento da CEPAL. Rio de Janeiro: Ed. Forense-Universitária, 1981.

SILVA, R. Planejamento econômico e crise política: do esgotamento do plano de desenvolvimento ao malogro dos programas de estabilização. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 14, 77-101, jun., 2000.

SILVA, R. Ideologia do estado autoritário. Chapecó: Argos, 2004.

SILVA, R. Uma ditadura contra a República: política econômica e poder político em Roberto Campos. Revista de Sociologia Política. Curitiba, pp. 157-170, nov. 2006.

SOLA, L. The political and ideological constraints to economic management in Brazil, 1945-1963. Somerville. 397 p. Tese (Doutorado em Ciência Política). University of Oxford, 1982.

Downloads

Publicado

2020-12-14 — Atualizado em 2020-12-14

Versões

Edição

Seção

Dossiê