A digitalização dos meios de pagamento: o pix e as central bank digital currencies em perspectiva comparada

Autores

  • Daniel Santos Kosinski Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2021.e79020

Palavras-chave:

Pix, Central Bank Digital Currencies, Banco Central do Brasil, Meios de pagamento, Digitalização

Resumo

Objetivo: Este artigo busca situar o Pix, o sistema digital de pagamentos instantâneos instituído pelo Banco Central do Brasil em novembro de 2020, no contexto global do avanço da digitalização dos meios de pagamento nos últimos anos. Esse fenômeno se manifesta na rápida disseminação das plataformas privadas para pagamentos online, no surgimento de milhares de criptomoedas descentralizadas como o bitcoin e na recente proposta de instituição das chamadas Central Bank Digital Currencies (CBDCs), ou moedas digitais dos bancos centrais. Nesse sentido, pretende-se contrastar o Pix com essas moedas visando identificar suas semelhanças e diferenças. Método: Este artigo realiza uma análise bibliográfica introdutória sobre o tema da digitalização dos meios de pagamento e, em seguida, desenvolve uma análise comparativa entre os regulamentos do Pix e algumas propostas de CBDCs. Resultado: A comparação desenvolvida revela que, apesar de algumas semelhanças, o Pix apresenta diferenças cruciais e determinantes em relação às CBDCs. Assim, ele não pode ser considerado uma delas, muito embora a sua origem governamental implica em que também não seja uma mera plataforma de pagamentos online. Conclusões: O Pix é um meio digital distinto e “híbrido” de pagamento que combina as características funcionais das plataformas de pagamentos online com as propriedades jurídico-políticas de uma CBDC. Em todo caso, a sua criação expressa o intuito do Banco Central do Brasil em assegurar o seu controle político sobre o processo de digitalização dos meios de pagamento no Brasil.

PALAVRAS-CHAVE: Pix. Central Bank Digital Currencies. Banco Central do Brasil. Meios de pagamento. Digitalização.

Referências

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Manual de Uso da Marca, versão 1.1. 13 out. 2020. Brasília, 2020a. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/estabilidadefinanceira/pix/Regulamento_Pix/ManualdeUsodaMarca-versao1.1.pdf. Acesso em: 4 dez. 2020.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Resolução BCB n° 1 de 12/8/2020. Brasília, 2020b. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/estabilidadefinanceira/exibenormativo?tipo=Resolução%20BCB&numero=1. Acesso em: 4 dez. 2020.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Manual de Padrões para Iniciação do Pix, versão 2.2. Brasília, 2020c. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/estabilidadefinanceira/pix/Regulamento_Pix/II-ManualdePadroesparaIniciacaodoPix.pdf. Acesso em: 5 jan. 2021.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Manual de Redes do SFN, versão 9.1. Brasília, 2020d. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/estabilidadefinanceira/cedsfn/Manual_de_Redes_do_SFN_Ver_9.1.pdf. Acesso em: 5 jan. 2021.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Manual de Segurança do Pix, versão 3.1. Brasília, 2020e. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/estabilidadefinanceira/cedsfn/Manual%20de%20Seguranca%20do%20PIX%20v3.1.pdf. Acesso em: 5 jan. 2021.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Manual Operacional do DICT, versão 2.1. Brasília, 2020f. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/estabilidadefinanceira/pix/Regulamento_Pix/X_ManualOperacionaldoDICT-versao2-1.pdf. Acesso em: 5 jan. 2021.

BANK FOR INTERNATIONAL SETTLEMENTS (BIS). Central bank digital currencies: foundational principles and core features. 9 out. 2020. Disponível em: https://www.bis.org/publ/othp33.pdf. Acesso em: 4 jan. 2021.

BANK OF ENGLAND (BofE). Innovations in payment technologies and the emergence of digital currencies. Bank of England Quarterly Bulletin – 2014 Q3, Londres, 2014a. Disponível em: https://www.bankofengland.co.uk/-/media/boe/files/quarterly-bulletin/2014/innovations-in-payment-technologies-and-the-emergence-of-digital-currencies.pdf. Acesso em: 4 dez. 2021.

BANK OF ENGLAND (BofE). The Economics of digital currencies. Bank of England Quartely Bulletin – 2014 Q3, Londres, 2014b. Disponível em: https://www.bankofengland.co.uk/-/media/boe/files/digital-currencies/the-economics-of-digital-currencies. Acesso em: 4 dez. 2021.

BANK OF ENGLAND (BofE). Why Might Some Central Banks Issue Their Own Digital Currencies? Londres, 2015a. Disponível em: http://www.bankofengland.co.uk/research/Documents/onebank/cbdc.pdf. Acesso em: 23 out. 2017.

BANK OF ENGLAND (BofE). One Bank Research Agenda (Discussion Paper) – February 2015. Londres, 2015b. Disponível em: https://www.bankofengland.co.uk/-/media/boe/files/research/one-bank-research-agenda---summary.pdf?la=en&hash=B2C820FBF6A960C4A625C2DAB5B5B6CE4FEDF120. Acesso em: 4 dez. 2021.

BANK OF ENGLAND (BofE). The macroeconomics of central bank issued digital currencies. Londres: 2016. Disponível em: https://www.bankofengland.co.uk/-/media/boe/files/working-paper/2016/the-macroeconomics-of-central-bank-issued-digital-currencies.pdf?la=en&hash=341B602838707E5D6FC26884588C912A721B1DC1. Acesso em: 4 dez. 2021.

BRASIL. Pix registra 12,2 milhões de operações na primeira semana de funcionamento. 24 nov. 2020. Brasília, 2020a. Disponível em: https://www.gov.br/pt-br/noticias/financas-impostos-e-gestao-publica/2020/11/pix-registra-12-2-milhoes-de-operacoes-na-primeira-semana-de-funcionamento. Acesso em: 20 dez. 2020.

BRASIL. PagTesouro disponibiliza o Pix como uma das formas de pagamento por serviços públicos a partir desta segunda feira (16/11). 15 nov. 2020. Brasília, 2020b. Disponível em: https://www.gov.br/economia/pt-br/assuntos/noticias/2020/novembro/pagtesouro-disponibiliza-o-pix-como-uma-das-formas-de-pagamento-por-servicos-publicos-a-partir-desta-segunda-feira-16-11. Acesso em: 25 dez. 2020.

BRASIL. Receita Federal e Banco do Brasil iniciam arrecadação com o Pix. 3 dez. 2020. Brasília, 2020c. Disponível em: https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/assuntos/noticias/2020/dezembro/receita-federal-e-banco-do-brasil-iniciam-arrecadacao-com-pix. Acesso em: 25 dez. 2020.

DATA NUBANK. Digitalização financeira na pandemia: um estudo do Data Nubank. 16 nov. 2020. Disponível em: https://blog.nubank.com.br/digitalizacao-financeira-na-pandemia-um-estudo-do-data-nubank/. Acesso em: 4 jan. 2021.

DEUTSCHE BANK. The Future of Payment. Part II. Moving to Digital Wallets and the Extinction of Plastic Cards. Corporate Bank Research January 2020, 2020a. Disponível em: https://www.dbresearch.com/PROD/RPS_EN-PROD/The_Future_of_Payments_-_Part_II__Moving_to_Digita/RPS_EN_DOC_VIEW.calias?rwnode=PROD0000000000500284&ProdCollection=PROD0000000000504508. Acesso em: 4 jan. 2021.

DEUTSCHE BANK. The Future of Payment. Part III. Digital Currencies: the Ultimate Hard Power Tool. Corporate Bank Research January 2020, 2020b. Disponível em: https://www.dbresearch.com/PROD/RPS_EN-PROD/The_Future_of_Payments_-_Part_III__Digital_Currenc/RPS_EN_DOC_VIEW.calias?rwnode=PROD0000000000500284&ProdCollection=PROD0000000000504589. Acesso em: 4 jan. 2021.

EICHENGREEN, Barry. A globalização do capital. São Paulo: Editora 34, 2000.

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL (FMI). Reserve Currencies in an Evolving International Monetary System. Strategy, Policy & Review Department. Statistics Department. No 20/02. 17 Nov. 2020. Disponível em: https://www.imf.org/en/Publications/Departmental-Papers-Policy-Papers/Issues/2020/11/17/Reserve-Currencies-in-an-Evolving-International-Monetary-System-49864. Acesso em: 22 dez. 2020.

GOODHART, Charles A. E. The Evolution of Central Banks. Cambridge, Massachusetts; Londres: The MIT Press, 1988.

GUIMARÃES, Leonardo. Em um mês, pagamento instantâneo já foi usado por 46 milhões de brasileiros. CNN Brasil Business, 16 dez. 2020. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/12/16/pix-em-um-mes-pagamento-instantaneo-ja-foi-usado-por-46-milhoes-de-brasileiros. Acesso em: 20 dez. 2020.

HUDSON, Michael. The Archaeology of Money: Debt versus Barter Theories of Money´s Origins. In: WRAY, L. Randall (ed.). Credit and State theories of money: the contributions of A. Mitchell Innes. Cheltenham (UK): Edward Elgar, 2004, p. 99-127.

KNAPP, Georg Friedrich. The State theory of money. Londres: Macmillan and Company Ltd., 1924.

KOSINSKI, Daniel. Bitcoin e criptomoedas: a utopia da neutralidade e a realidade política do dinheiro. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2020.

KOSINSKI, Daniel Santos; FERREIRA FILHO, Valter Duarte. Do bitcoin ao “renmimbi digital”: soberania monetária, segurança financeira e a possível nova ordem financeira centrada na China. Revista Geosul, v. 35, n° 77, p. 553-580, 2020.

POPPER, Nathaniel. Digital gold: the untold story of bitcoin. Londres: Penguin Books, 2015.

THE BLOCK RESEARCH. A Global Look at Central Bank Digital Currencies: From Iteration to Implementation. Agosto de 2020. Disponível em: https://www.theblockcrypto.com/post/75022/a-global-look-at-central-bank-digital-currencies-full-research-report. Acesso em: 4 jan. 2021.

WEBER, Max. Economy and Society: an outline of interpretative sociology. Berkley; Los Angeles: University of California Press, 1978.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Edição

Seção

Artigos