Meio ambiente, capitalismo e desenvolvimento sustentável: a arquitetura de um matrimônio duvidoso

François M. P. Gavard

Resumo


A revolução no pensamento e na relação do homem com o meio ambiente advinda do Iluminismo desencadeou durante a Modernidade um processo de desenvolvimento econômico e tecnológico que ao alcançar o século XX demonstrou-se problemático trazendo a perspectiva da finitude e do limite de volta às consciências. Movimentos sociais se organizaram reivindicando a conservação do meio ambiente e a ciência e o capitalismo foram apontados com responsáveis pela destruição do ambiente natural. O debate em torno da problemática ambiental era pautado pelo impasse entre as posições antagônicas de “ambientalistas” e “desenvolvimentistas”. Na busca da superação deste impasse foram articulados os conceitos de “Ecodesenvolvimento” e posteriormente o de Desenvolvimento Sustentável. O primeiro foi rejeitado devido ao seu conteúdo excessivamente político e de partir de premissas que contrariavam os interesses da economia mundial. O segundo ganhou proeminência no discurso ambiental e teve ampla aceitação nos mais diversos setores devido ao seu caráter conciliador que afirmava a possibilidade de se alcançar um tipo de desenvolvimento capaz de contemplar os aspectos sociais, econômicos e ecológicos. Ainda que elaborado de maneira vaga e alvo de suspeita de mera estratégia discursiva.

Palavras-chave


Meio ambiente; Ecodesenvolvimento; Desenvolvimento Sustentável.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1806-5023.2009v6n3p25

Direitos autorais 2009 François M. P. Gavard

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista editada por discentes do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.