Manuais didáticos e currículo de sociologia: uma análise pós-estruturalista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2019v16n1p115

Palavras-chave:

Pós-estruturalismo, Currículo, Livros Didáticos, Sociologia

Resumo

Este artigo persegue dois objetivos: a) oferecer uma reflexão teórico/metodológica do currículo e dos manuais didáticos a partir de uma perspectiva discursiva; b) realizar um exercício de aplicação desse referencial teórico na análise do discurso de alguns manuais didáticos de Sociologia aprovados pelo PNLD 2018. Numa perspectiva pós-estruturalista, currículo e livros didáticos são concebidos como práticas discursivas, objetos que se entrecruzam num incessante processo de produção de discursos, identidades, sujeitos. O artigo identifica, nos manuais analisados, a presença de uma formação discursiva (imaginação sociológica) que interpela o sujeito no sentido de atribuir para ele um determinado lugar no mundo simbólico, além de identificar as filiações sociais, históricas e políticas dessa formação situando-a num projeto mais geral de produção da subjetividade política dos sujeitos.

Biografia do Autor

Jefferson Evanio da Silva, Fundação Joaquim Nabuco (FUNDAJ) e Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul (FAMASUL)

Mestre em Ciências Sociais pela Fundação Joaquim Nabuco - FUNDAJ. É professor do Departamento de História da Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul (FAMASUL).

Joanildo Albuquerque Burity, Fundação Joaquim Nabuco (FUNDAJ)

Doutor em Ciência Política, pesquisador titular, professor e coordenador do Mestrado Profissional de Sociologia em Rede Nacional (Profsocio/Instituição Associada Fundaj) e professor  dos Programas de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

ARAÚJO, Silvia Maria de; BRIDI, Maria Aparecida; MOTIM, Benilde Lenzi. Sociologia. 2.ed. São Paulo: Editora Scipione, 2016.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 1987.

BAMPI, L.R. “Currículo como tecnologia de governo de cidadãos e cidadãs’’. Trabalho aprovado com resumo publicado na programação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23. Programa e resumos. p. 85. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. p.87, 2000.

BARRETT, Michèle. “Ideologia, Política e Hegemonia: de Gramsci a Laclau e Mouffe”. In: ŽIŽEK, Slavoj (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 235-264, 1996.

BOMENY, Helena et al. Tempos modernos, tempos de Sociologia. 3ª ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2016.

BURITY, Joanildo. In LOPES, A.C.; SISCAR, M. (orgs.) Pensando a política com Derrida: responsabilidade, tradução, porvir. São Paulo: Cortez, pp. 117-152, 2018.

CORAZZA, S.M. “Currículo como modo de subjetivação do infantil’’. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 21. Programa e resumos. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. p.143, 1999.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a Diferença. São Paulo: Perspectiva, 1972

DOSSE, François. Da história em migalhas ao resgate do sentido. São Paulo: Unesp, 2001.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 8ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014a.

_________. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014b.

HALL, Stuart. “Quem precisa de identidade’’. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org) Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. 9. ed. Petrópolis: Vozes. p.103 – 133, 2014.

KLEIN, M. “Surdez, educação e trabalho: discursos constituindo o surdo trabalhador”. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 21. Programa e resumos. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. p.147-148, 1998.

LACLAU, Ernesto. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. 2ª ed. Buenos Aires: Nueva Visión, 2000.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo, Brasília: Intermeios, (Coleção Contrassensos), 2015.

LOURO, G. L. Educação e gênero: a escola e a produção do feminino e do masculino. In: SILVA, L. H.; AZEVEDO, J. C. (orgs.) Reestruturação curricular. Petrópolis: Vozes.p.172-182, 1995.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MARTINS, Isabel. Analisando livros didáticos na perspectiva dos estudos do discurso: compartilhando reflexões e sugerindo uma agenda para a pesquisa. Proposições, v.17, n. I (49), p.117-136, 2006.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. 3ª ed. Campinas- São Paulo: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

MACHADO, Igor José de Renó; AMORIM, Henrique; BARROS Celso Rocha de. Sociologia Hoje. 2.ed. São Paulo: Editora Ática, 2016.

MEUCCI, Simoni. Notas sobre o pensamento social brasileiro nos livros didáticos de Sociologia’. Revista brasileira de Sociologia, v. 02, n. 03, p. 209-232, 2014.

NIETZSCHE, Friedrich. Considerações Extemporâneas. In: Obras incompletas. Coleção os Pensadores – São Paulo: Nova Cultural, p. 267 – 298, 1999.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; Costa, Ricardo Cesar Rocha da. Sociologia para Jovens do Século XXI. 4ª ed. Rio de Janeiro: Imperial Novo milênio, 2016.

OLIVEIRA, Amurabi. O currículo de Sociologia na escola: um campo em construção e disputa. Espaço currículo, v.6, n.2, p.355-366, 2013.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 122, p. 283-303, 2004.

PETERS, Michel. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu da (ORG). Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis. RJ: Vozes, 2014.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e Diferença: uma introdução teórica e conceitual’. IN: Tomaz Tadeu da Silva (ORG). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis. RJ: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

2019-06-06