Manuais didáticos e currículo de sociologia: uma análise pós-estruturalista

Jefferson Evanio da Silva, Joanildo Albuquerque Burity

Resumo


Este artigo persegue dois objetivos: a) oferecer uma reflexão teórico/metodológica do currículo e dos manuais didáticos a partir de uma perspectiva discursiva; b) realizar um exercício de aplicação desse referencial teórico na análise do discurso de alguns manuais didáticos de Sociologia aprovados pelo PNLD 2018. Numa perspectiva pós-estruturalista, currículo e livros didáticos são concebidos como práticas discursivas, objetos que se entrecruzam num incessante processo de produção de discursos, identidades, sujeitos. O artigo identifica, nos manuais analisados, a presença de uma formação discursiva (imaginação sociológica) que interpela o sujeito no sentido de atribuir para ele um determinado lugar no mundo simbólico, além de identificar as filiações sociais, históricas e políticas dessa formação situando-a num projeto mais geral de produção da subjetividade política dos sujeitos.


Palavras-chave


Pós-estruturalismo; Currículo; Livros Didáticos; Sociologia

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO, Silvia Maria de; BRIDI, Maria Aparecida; MOTIM, Benilde Lenzi. Sociologia. 2.ed. São Paulo: Editora Scipione, 2016.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 1987.

BAMPI, L.R. “Currículo como tecnologia de governo de cidadãos e cidadãs’’. Trabalho aprovado com resumo publicado na programação. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23. Programa e resumos. p. 85. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. p.87, 2000.

BARRETT, Michèle. “Ideologia, Política e Hegemonia: de Gramsci a Laclau e Mouffe”. In: ŽIŽEK, Slavoj (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 235-264, 1996.

BOMENY, Helena et al. Tempos modernos, tempos de Sociologia. 3ª ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2016.

BURITY, Joanildo. In LOPES, A.C.; SISCAR, M. (orgs.) Pensando a política com Derrida: responsabilidade, tradução, porvir. São Paulo: Cortez, pp. 117-152, 2018.

CORAZZA, S.M. “Currículo como modo de subjetivação do infantil’’. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 21. Programa e resumos. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. p.143, 1999.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a Diferença. São Paulo: Perspectiva, 1972

DOSSE, François. Da história em migalhas ao resgate do sentido. São Paulo: Unesp, 2001.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 8ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014a.

_________. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014b.

HALL, Stuart. “Quem precisa de identidade’’. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org) Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. 9. ed. Petrópolis: Vozes. p.103 – 133, 2014.

KLEIN, M. “Surdez, educação e trabalho: discursos constituindo o surdo trabalhador”. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 21. Programa e resumos. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. p.147-148, 1998.

LACLAU, Ernesto. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. 2ª ed. Buenos Aires: Nueva Visión, 2000.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo, Brasília: Intermeios, (Coleção Contrassensos), 2015.

LOURO, G. L. Educação e gênero: a escola e a produção do feminino e do masculino. In: SILVA, L. H.; AZEVEDO, J. C. (orgs.) Reestruturação curricular. Petrópolis: Vozes.p.172-182, 1995.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MARTINS, Isabel. Analisando livros didáticos na perspectiva dos estudos do discurso: compartilhando reflexões e sugerindo uma agenda para a pesquisa. Proposições, v.17, n. I (49), p.117-136, 2006.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. 3ª ed. Campinas- São Paulo: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

MACHADO, Igor José de Renó; AMORIM, Henrique; BARROS Celso Rocha de. Sociologia Hoje. 2.ed. São Paulo: Editora Ática, 2016.

MEUCCI, Simoni. Notas sobre o pensamento social brasileiro nos livros didáticos de Sociologia’. Revista brasileira de Sociologia, v. 02, n. 03, p. 209-232, 2014.

NIETZSCHE, Friedrich. Considerações Extemporâneas. In: Obras incompletas. Coleção os Pensadores – São Paulo: Nova Cultural, p. 267 – 298, 1999.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; Costa, Ricardo Cesar Rocha da. Sociologia para Jovens do Século XXI. 4ª ed. Rio de Janeiro: Imperial Novo milênio, 2016.

OLIVEIRA, Amurabi. O currículo de Sociologia na escola: um campo em construção e disputa. Espaço currículo, v.6, n.2, p.355-366, 2013.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 122, p. 283-303, 2004.

PETERS, Michel. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu da (ORG). Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis. RJ: Vozes, 2014.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e Diferença: uma introdução teórica e conceitual’. IN: Tomaz Tadeu da Silva (ORG). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis. RJ: Vozes, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/1806-5023.2019v16n1p115

Direitos autorais 2019 Jefferson Evanio da Silva, Joanildo Albuquerque Burity

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.