Gênero e currículo: olhares do feminismo negro e decolonial sobre um livro didático de Sociologia

Marcia Menezes Thomaz Pereira

Resumo


Este trabalho tem como proposta apresentar algumas considerações acerca de um levantamento preliminar do conteúdo sobre gênero, presente no livro didático “Sociologia para Jovens do Século XXI”, de Luiz Fernandes de Oliveira e Ricardo Cesar Rocha da Costa, à luz das perspectivas contra-hegemônicas do feminismo negro e decolonial. Para isso, as reflexões de María Lugones, Magdalene Ang-Lygate, Djamila Ribeiro, Ochy Curiel e Chandra Mohanty serão aqui tomadas como principais referências. Em linhas gerais, pensar a dinâmica de (re)distribuição de poder dentro de um currículo escolar, através do que e como certos conteúdos estão ou não presentes, mobilizou o exercício que aqui está proposto. Em um contexto marcado por notória incidência da discussão sobre gênero, dentro e fora da academia, combinado a fortes reações contrárias a abordagem dos temas que tal conceito mobiliza, as considerações que apresento aqui buscam sinalizar a preponderância, na atual conjuntura, de pensar criticamente gênero, demarcando o seu papel epistemológico na Sociologia escolar.


Palavras-chave


Gênero; Livro didático; Sociologia escolar

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALGEBAILE, E. Escola sem partido: o que é, como age, para que serve. In: FRIGOTTO, G. (org.) Escola “sem” partido. Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017, p. 63-74.

ANG-LYGATE, M. Trazar los espacios de la deslocalización. De la teorización de la diáspora In: ANG-LYGATE, M. et al. Feminismos negros. Una antología. Madrid: Mercedes Jabardo, 2012.

BRASIL. PNLD 2018: Sociologia. Guia de livros didáticos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2017.

COLLINS, Patricia Hills. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness and the Politics of Empowerment. New York: Routledge, 2000.

CURIEL, O. El régimen heterosexual y la nación. Aportes del lesbianismo feminista a la Antropología. In: BIDASECA, Karina Andrea; Vanesa Vazquez Laba. Feminismos y poscolonialidad. 2a ed. Buenos Aires: Ediciones Godot Argentina, 2011.

ENGERROFF, A.M.B. Mapeando a produção sobre livro didático de sociologia: um estado da arte no campo acadêmico brasileiro. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) – Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2017.

ENGERROFF, A.M.B, OLIVEIRA, A. Os sentidos da sociologia escolar nos livros didáticos. Revista Pós Ciências Sociais, v.15, p. 215-240, n.30, jul./dez.2018.

FRIGOTTO, G. A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo de serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In: FRIGOTTO, G. (org.) Escola “sem” partido. Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017. p.17-34.

JUNQUEIRA, R. D. Ideologia de gênero: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: como a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”. In: Paula R. Costa Ribeiro, Joanalira C. Magalhães (orgs). Debates contemporâneos sobre Educação para a sexualidade. Rio Grande: Ed. da FURG, 2017.

LIMOEIRO, B.C. O gênero e a sexualidade como tema da sociologia escolar: uma comparação entre livros didáticos (PNLD 2012 e 2015). 2016. Monografia (Especialização em Saberes e Práticas na Educação Básica) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2016.

LUGONES, M. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, n. 22, v. 3, p. 935-952, 2014.

HANDFAS, A. As pesquisas sobre o ensino de sociologia na educação básica. In: SILVA, I. F.; GONÇALVES, D.N. (org.). A sociologia na educação básica. São Paulo: Annablume, 2017, p. 369-288.

MATTOS, A. et al. Educação e liberdade: apontamentos para um bom combate ao Projeto de Lei Escola sem partido. In: FRIGOTTO, G. (org.) Escola “sem” partido. Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017, p. 87-104.

MOHANTY, C. T. Bajo los Ojos de Occidente: Feminismo Académico y Discursos Coloniales. In: NAVAZ, Liliana Suárez; CASTILLO, Rosalva Aída Hernández. Descolonizando el Feminismo: Teorías y Prácticas desde los Márgenes. Madrid: Ediciones Cátedra, 2008.

______. De vuelta a Bajo los ojos de Occidente: La solidaridad feminista a través de las luchas anticapitalistas. In: NAVAZ, Liliana Suárez; CASTILLO, Rosalva Aída Hernández. Descolonizando el Feminismo: Teorías y Prácticas desde los Márgenes. Madrid: Ediciones Cátedra, 2008b.

MEUCCI, Simone. Sobre a rotinização da sociologia no Brasil: os primeiros manuais didáticos, seus autores, suas expectativas. Revista Mediações, Londrina, vol. 12, n.1, p. 31-66, jan/jun. 2007.

______. Notas sobre o pensamento social brasileiro nos livros didáticos de sociologia. Revista Brasileira de Sociologia, v. 2, p. 209-232, 2014.

MOURA, F.P. O movimento Escola sem Partido e a reação conservadora contra a discussão de gênero na escola. In: FRIGOTTO, G.; PENNA, F.; QUEIROZ, F. (orgs). Educação democrática. Antídoto ao Escola Sem Partido. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2018, p. 89-110.

OLIVEIRA, L. F.; COSTA, R.C.R. Sociologia para jovens do século XXI. 3° edição. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2013.

______. Sociologia para jovens do século XXI. 4° edição. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2016.

PENNA, F. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G. (org.) Escola “sem” partido. Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017, p. 35-48.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1806-5023.2019v16n1p143

Direitos autorais 2019 Marcia Menezes Thomaz Pereira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Em Tese, revista do PPGSP da UFSC, Brasil, ISSNe 1806-5023

Licença Creative Commons
Revista licenciado pela Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.