Manifestações brasileiras e o Movimento Vem Pra Rua: breve análise dos acontecimentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2020v17n2p143

Palavras-chave:

Manifestações, Movimentos de Rede, Vem Pra Rua, Internet

Resumo

A intensificação de manifestações de rua e em rede nos últimos anos marca uma mudança nos padrões de participação política. No Brasil, grandes manifestações eclodiram em 2013 e 2015, com demandas diferentes, mas em comum a forma de organização: prioritariamente por meio da internet. Essa nova dinâmica participativa traz novos atores, movimentos sociais que usam a internet para sua organização. Dentre eles destacamos o Vem Pra Rua, um dos principais articuladores das manifestações de 2015, criado por dois empresários paulistas e que conquistou grande apoio de famosos e políticos. Nesse artigo fizemos um retrospecto das manifestações brasileiras elencando o papel do movimento Vem Pra Rua nos atos mais recentes. A metodologia adotada constituiu um levantamento bibliográfico sobre o tema, bem como coleta de dados nas redes sociais e publicações sobre o movimento. Percebemos, conforme demonstramos, o importante papel da internet na organização dos atos enquanto um mecanismo que proporciona inovações e mudanças nos padrões de participação política e como os novos movimentos sociais utilizaram esse mecanismo para isso.


Biografia do Autor

Vinícius de Souza Sturari, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Mestre em Ciências Sociais pela Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (FCLAr) da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa Participação e Democracia. v.sturari@gmail.com. https://orcid.org/0000-0003-0727-770X

Referências

ALONSO, A. A política das ruas: Protestos em São Paulo de Dilma a Temer. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. especial: Dinâmicas da crise, p. 49-58, 2017.

ALONSO, A.; MISCHE, A. Changing Repertoires and Partisan Ambivalence in the New Brasilian Protests. Bulletin of Latin American Research, v. 36, n. 2, p. 144-159, 2017.

ALZAMORRA, G.; ARCE, T.; UTSCH, R. Acontecimentos agenciados em rede: Os eventos do Facebook no dispositivo protesto. In: SILVA, R. H. A. (Org.). Ruas e redes: dinâmicas dos protestos BR. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. p. 39-66.

BRINGEL, B.; PLEYERS, G. Junho de 2013... dois anos depois. Polarização, impactos e reconfiguração do ativismo no Brasil. Revista Nueva Sociedad. Buenos Aires. p. 4-17, 2015.

CASTELLS, M. A galáxia da internet: Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CHEQUER, R.; BUTTERFIELD, C. Vem pra rua: a história do movimento popular que mobilizou o Brasil. São Paulo: Matrix, 2016.

FOLHA DE SÃO PAULO. Manifestantes pró-Aécio fazem protesto em São Paulo. 2014.

Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1533733-nao-sabem-votar-diz-manifestante-pro-aecio-sobre-o-nordeste.shtml. Acesso em: 01 de set. 2018.

FOLHA DE SÃO PAULO. Protestos contra o governo reúnem quase 1 milhão pelo país. 2015. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/03/1603286-protestos-contra-o-governo-reune-quase-1-milhao-pelo-pais.shtml. Acesso em: 01 set. 2018.

GARCIA, F. D. F.; LOPES, C. S. As manifestações de agosto de 2015 em Londrina: aproximações e distanciamentos entre movimentos sociais e manifestantes. Anais do 41º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, GT11: Entre as Ruas e os Gabinetes: institucionalização e contestação nos movimentos sociais, 2017.

GOHN, M. G. M. Manifestações de protesto nas ruas no Brasil a partir de Junho de 2013: novíssimos sujeitos em cena. Revista Diálogo Educacional, v. 16, n. 47, p. 125-146, 2016.

LIMA, V. A. de. Mídia, rebeldia urbana e crise de representação. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, Carta Maior. 2013. p. 89-94.

MESSENBERG, D. A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros. Revista Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, 2017.

MOVIMENTO BRASIL LIBRE (MBL). MBL – Movimento Brasil Livre. [s.d.]. Disponível em: https://www.facebook.com/pg/mblivre/about/?ref=page_internal. Acesso em: 01 set. 2018.

MOVIMENTO BRASIL LIBRE (MBL). Movimento passe livre. [s. d.]. Disponível em: https://www.mpl.org.br/. Acesso em: 11 ago. 2020.

NOGUEIRA, M. A. As ruas e a democracia: ensaios sobre o Brasil contemporâneo. Brasília: Fundação Astrojildo Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

PESSOA, S. C. A marcha nas ruas e o movimento nas redes: Autocomunicação de massa e mise em scène. In: SILVA, R. H. A. (Org.). Ruas e redes: dinâmicas dos protestos BR. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. p. 67-88.

REDAÇÃO ÉPOCA. As manifestações de 13 de março em todo o Brasil. 2016. Disponível em: https://epoca.globo.com/tempo/noticia/2016/03/manifestacoes-de-13-de-marco-em-todo-o-brasil-acompanhe.html. Acesso em: 01 set. 2018.

ROLNIK, R. Apresentação – As vozes das ruas: as revoltas de junho e suas interpretações. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, Carta Maior. 2013. p. 7-12.

ROMÃO, W. de M. #naovaitercopa: manifestações, Copa do Mundo e as eleições de 2014. Revista de Discentes de Ciência Política da UFSCAR, v. 1, n. 2, 2014.

ROSSI, Marina; BEDINELLI, Talita; JIMÉNEZ, Carla. Uma multidão protesta contra o Governo Dilma: São Paulo domina os protestos que pedem o impeachment da presidenta. 2015. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2015/03/15/politica/1426458992_617989.html. Acesso em: 01 set. 2018.

SAKAMOTO, L. Em São Paulo, o Facebook e o Twitter foram às ruas. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, Carta Maior. 2013. p. 95-100.

SECCO, L. As jornadas de junho. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, Carta Maior. 2013. p. 71-78.

SINGER, A. Brasil, Junho de 2013: classes e ideologias cruzadas. Novos Estudos Cebrap, n. 97, p. 23-40. 2013.

SOUZA, C. A. de. Antipetismo e ciclos de protestos no Brasil: Uma análise das manifestações ocorridas em 2015. Em Debate, Belo Horizonte, v. 8, n. 3, p. 35-51, 2016.

SOUZA, J. A radiografia do golpe: entenda como e por que você foi enganado. Rio de Janeiro: LeYa, 2016.

TATAGIBA, L. 1984, 1992 e 2013. Sobre ciclos de protestos e democracia no Brasil. Política e Sociedade. v.13, n. 28, 2014.

TATAGIBA, L.; TRINDADE, T. e TEIXEIRA, A. C. C. Protestos à direita no Brasil (2007-2015). In: CRUZ, S. V.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (Orgs). Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015. p. 197-212.

TATAGIBA, L.; GALVÃO, A. Os protestos no Brasil em tempos de crise (2011-2016). Opinião Pública, Campinas, v. 25, n. 1, p. 63-96, 2019.

VEM PRA RUA. O movimento. [s.d.]. Disponível em: https://www.vemprarua.net/o-movimento/#vem-pra-rua. Acesso em: 01 set. 2018.

VEM PRA RUA. Manifesto. [s.d.]. Disponível em: https://www.vemprarua.net/o-movimento/manifesto.html. Acesso em: 01 set. 2018.

YORUK, E. O longo verão da Turquia: Entendendo o levante de Gezi. Novos Estudos Cebrap, n. 97, p. 57-66, 2013.

Downloads

Publicado

2020-09-23