A bibliografia marxista de matriz comunista sobre o cangaço e a tese da singularidade brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2020v17n2p178

Palavras-chave:

Cangaço. Estudos Marxistas. Tese da singularidade brasileira

Resumo

O presente artigo objetiva debater a bibliografia marxista de matriz comunista do cangaço dentro da tese da singularidade brasileira. Buscando identificar como determinadas “imagens” da realidade social brasileira foram utilizadas pelos trabalhos para explicar o cangaço. Posições que, consequentemente, reafirmam proposições singulares e podem ter implicado em considerações etnocêntricas. Além disso, através deste artigo será possível demonstrar como o Partido Comunista do Brasil exerceu influência na produção de teses sobre o cangaço. Ideias que, em sentido amplo, geraram objeções de um conjunto de trabalhos que também foram influenciados pelo marxismo.

Biografia do Autor

Felipe Trindade de Souza, Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Sociologia (PPGS/UFS) e licenciado em História (Dhi/UFS) e Sociologia (UNIASSELVI).

Referências

BRANDÃO, Gildo Marçal. O partido comunista como “esquerda positiva”. Lua Nova: Revista de cultura e política, n. 35. p. 183-201, 1995.

CANDIDO, Antonio. A sociologia no Brasil. Tempo social, Revista de sociologia da USP, v. 18, n. 1. p. 271-301, 2006.

FACÓ, Rui. Cangaceiros e Fanáticos: gênese e lutas. 2 ed. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1965.

FERREIRA, Vera; AMAURY, Antônio. De Virgolino a Lampião. 2° ed. Aracaju, 2009.

GONÇALVES, Rodrigo Santaella; BRITO, Leonardo Octavio Belinelli de. “Nacionalização” do marxismo: os casos do Seminário d'O Capital e do grupo Comuma. Revista Outubro, n. 28, 2017.

HOBSBAWM, Eric. Rebeldes Primitivos. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

HOBSBAWM, Eric. Bandidos. Barcelona: Editorial Crítica, 2001.

MACHADO, Maria Christina Russi da Matta. Aspectos do fenômeno do cangaço no Nordeste brasileiro (I). Revista de História, n. 93, São Paulo, p. 139-175, 1973.

MACHADO, Maria Christina Russi da Matta. Aspectos do fenômeno do cangaço no Nordeste brasileiro (II). Revista de História, n. 95, São Paulo, p. 177-212, 1973.

MACHADO, Maria Christina Russi da Matta. Aspectos do fenômeno do cangaço no Nordeste brasileiro (III). Revista de História, n. 96, São Paulo, p. 473-489, 1973.

MACHADO, Maria Christina Russi da Matta. Aspectos do fenômeno do cangaço no Nordeste brasileiro (IV). Revista de História, n. 97, São Paulo, 1974, p. 161-200, 1974.

MACHADO, Maria Christina Russi da Matta. Aspectos do fenômeno do cangaço no Nordeste brasileiro (V). Revista de História, n. 99, São Paulo, 1974, p. 145-174, 1974.

MENESES, Djacir. O outro Nordeste: formação social do Nordeste. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1937.

OLIVEIRA, Wilson José Ferreira de. “A Arte de Resistir às Palavras”: inserção social, engajamento político e militância múltipla. Em: GRILL, I. G., SEIDL, E. A Política como Objeto de Estudo das Ciências Sociais. Rio de Janeiro: FGV, 2013, p. 141-178.

OLIVEIRA, Wilson José Ferreira de. Antropologia, política e etnografia: fronteiras disciplinares e trabalho de campo. Cap. 7. In: PERISSINOTTO, Renato; CODATO, Adriano (Orgs.). Como estudar elites. Curitiba: Ed. UFPR, 2015, p. 187-214.

OLIVEIRA, Wilson José Ferreira de; PETRARCA, Fernanda Rios. Parentelas, grupos dirigentes e alianças políticas. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 16, n. 37, p. 191-224, 2017.

PERICÁS, Luiz Bernardo. Os cangaceiros: ensaio de interpretação histórica. São Paulo: Boitempo, 2010.

PRATA, Ranulfo. Lampião. Natal: Sebo Vermelho, 2010 [1934].

RAMOS, Alberto Guerreiro. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Andes, 1957.

SCHWARZ, Roberto Schwarz. Um seminário de Marx. In: Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das letras, 1999.

SILVA, Eduardo; REIS, João José. O levante dos malês: uma interpretação política. In: Negociação e conflito. São Paulo: Companhia das letras, 1989.

TAVOLARO, Sérgio B. F. A tese da singularidade brasileira revisitada: desafios teóricos contemporâneos. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 633-673, 2014.

Downloads

Publicado

2020-09-23