Racismo estrutural: uma análise genealógica no campo da Saúde Coletiva Brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2020v17n2p245

Palavras-chave:

Saúde, Afrodescendente, Políticas públicas, PNSIPN

Resumo

O presente trabalho pretende abordar a questão da saúde da população Afrodescendente no Brasil a partir de uma análise genealógica da ciência biomédica e da noção de raça como operadoras de políticas públicas. Para tanto, buscamos uma narrativa do processo de formação do negro na sociedade brasileira, das dinâmicas de classe envolvidas, da noção de risco e perigo que desembocam com a formação de políticas públicas de saúde. Através de políticas públicas compensatórias para população afrodescendente, sobretudo a lei do Ministério da Saúde instituiu, em 2009, a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN), por meio da Portaria GM/MS nº 992, de 13 de maio de 2009 e dados fornecidos pelas demais fontes institucionais discutimos a atualidade e as mudanças das relações que se perpetuam entre a ciência biomédica e o racismo estrutural no campo da saúde.


 

Biografia do Autor

Gabriel Souza Bozzano, UFRJ/PPGSA

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, PPGSA

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

CARNEIRO. Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em educação). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-construc3a7c3a3o-do-outro-como-nc3a3o-ser-como-fundamento-do-ser-sueli-carneiro-tese1.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

CASTRO, Josué de. Geografia da fome. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1957

CHAULOUB, Sidney. Cidade Febril: Cortiços e Epidemias na Corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CORREIA, Mariza. Raimundo Nina Rodrigues e a “garantia da ordem social”. Revista USP, n. 68, p. 130-139, 2006.

FRANCISCO, Monica da Silva. Discursos sobre colorismo: educação étnico-racial na contemporaneidade. Rio de Janeiro: Maracanã, 2010.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. v. 2. São Paulo: Ática, 1978.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Rio de Janeiro: Record, 2006.

HOFBAUER, Andreas. Branqueamento e democracia racial: sobre as entranhas do racismo no Brasil. In: CATARINA, Marina; ZANINI, Chitolina (Orgs.). Por que “raça”? Breves reflexões sobre a questão racial no cinema e na antropologia. Santa Maria: Ed. UFSM, 2007.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, 2016

KALCKMANN, S. et al. Racismo institucional: um desafio para a eqüidade no SUS? Revista Saúde e Sociedade, v. 16, n. 2, p. 146-155, 2007. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/sausoc/2007.v16n2/146-155/. Acesso em: 20 abr. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política integral de saúde da população negra: uma política do SUS. 3. ed. Brasília, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Boletim epidemiológico. Indicadores de Vigilância em Saúde, analisados segundo a variável raça/cor. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, v. 46, n. 10, 2015.

OSÓRIO, Rafael Guerreiro. O sistema classificatório de cor ou raça do IBGE. Brasília: IPEA, 2003.

RODRIGUES, Raimundo Nina. Os Africanos no Brasil. São Paulo/Brasília: Nacional/EdUnB, 1998.

SANTOS, Gislene Aparecida dos. Nem crime, nem castigo: o racismo na percepção do judiciário e das vítimas de atos de discriminação. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 62, p. 184-207, 2015

SCHWARCZ, Lilia. Os Espetáculos das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870 -1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Downloads

Publicado

2020-09-23