A Política como o naufrágio das esperanças em Tocqueville e Weber

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2021.e75350

Palavras-chave:

Weber, Tocqueville, Política, agência, Vocação

Resumo

Na Sociologia e na Antropologia a análise sobre o par indivíduo e sociedade, a relação entre biografia e produção teórica possui amplo espaço, na Ciência Política, contudo a vida por detrás dos textos desaparece, e é na contramão dessa tendência geral que o presente artigo se insere. Tomando como pano de fundo o contexto histórico, buscará discutir o lugar da política em Alexis de Tocqueville e Max Weber, por meio da combinação entre a análise de suas trajetórias individuais nesta área e sua produção teórica. A escolha desses dois autores se deu em função dos contornos quase trágicos como a política se apresenta para ambos. Ainda que mais de meio século separem o nascimento de Tocqueville e Weber, ambos vivenciam períodos politicamente conturbados, férteis para a reflexão, duros para a intervenção.

Biografia do Autor

Tassia Rabelo de Pinho, Universidade Federal da Paraíba

Possui graduação em Ciências Sociais pela Fundação Getúlio Vargas, mestrado e doutorado em Ciência Política pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em partidos políticos em perspectiva comparada e gênero e política.

 

Referências

ARON, R. As Etapas do Pensamento Sociológico. São Paulo, Ed. Martins Fontes, 2008.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e abusos da história oral. (8ª edição) Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 183-191.

DIGGINS, Patrick. Max Weber, A política e o Espírito da Tragédia. Editora: Distribuidora Record de Serviços de Imprensa S.A., Rio de Janeiro, 1999.

GERTH, Hans Heinrich; MILLS, Charles Wright (Org). Max Weber: Ensaios de sociologia. 1982.

HUGHES, Everett C. Ciclos, pontos de inflexão e carreiras. Teoria e Pesquisa, v. 46, p. 163-173, 2005.

HIRSCHMAN, Albert. A Retórica da Intransigência: Perversidade, Futilidade, Ameaça. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

JASMIN, Marcelo. Alexis de Tocqueville: A Historiografia como Ciência da Política. Rio de Janeiro: Access, 1997.

JASMIN, Marcelo. Tocqueville, a Providência e a História. Dados, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, 1997a.

POLLAK, Michael. Un Texte dans son Contexte. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 65:69-75, 1986.

POLLAK, Michael. Max Weber: elementos para uma biografia sociointelectual (parte II). Mana, v. 2, n. 2, p. 85-113, 1996.

TOCQUEVILLE, Alexis de. A Democracia na América. Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp, 1977.

TOCQUEVILLE, Alexis de. O Antigo Regime e a Revolução. Brasília, Editora da UnB, 1982.

TOCQUEVILLE, Alexis de. Correspondance d’Alexis de Tocqueville et de Louis de Kergolay. Paris, Gallimard (Tomo XIII, 2 vols.), 1977

TOCQUEVILLE, Alexis de. Correspondance d’Alexis de Tocqueville et de Francisque de Corcelle. Paris, Gallimard (Tomo XV, 2 vols.), 1983.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Editora Cultrix, 1972.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Editora Cultrix, 2011.

WEBER, Max. Parlamento e governo na Alemanha reordenada: crítica política da burocracia e da natureza dos partidos. Petrópolis: Vozes, 1993.

WEBER, Marianne. Weber: uma biografia. Niterói: Casa Jorge Editorial, 2003.

Publicado

2021-09-29