O ano em que a terra parou: o coronavírus e os novos caminhos da teoria social

Autores

  • Thiago de Araujo Pinho Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2021.e77796

Palavras-chave:

Teoria Social, Coronavirus, Humanismo, Ciências Humanas

Resumo

Com a chegada de novos desafios em 2020, os cientistas sociais trilham dois caminhos interessantes, criativos, embora muitas vezes contraditórios entre si. De um lado, aqueles que incorporam os novos obstáculos dentro de ferramentas e temas clássicos, transformando o inédito em algo previsível, o estranho em familiar, e, do outro, aqueles que apostam na ideia de que as ciências sociais encontraram, em 2020, um limite, uma fronteira, além de uma oportunidade para repensar muitas das suas abordagens O objetivo desse ensaio, portanto, é entender um pouco os contornos dessa segunda abordagem, aqui chamada de Teoria Social Alternativa (T.S.A), além de sugerir suas implicações quando o assunto é o Coronavírus e suas consequências.

Referências

BENNET, Jane. Vibrant matter: a political ecology of things. Durham: Duke University, 2010.

BADIOU, Alain. Deleuze: o clamor do ser. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

BADIOU, Alain. On beckett. California: Stanford University Press, 2003.

BRYANT, Levi R. The democracy of objects. Michigan: Open Humanities Press, 2011.

DELEUZE, Gilles. A thousand plateaus: capitalism and schizophrenia. Londres: University of Minnesota Press, 1987.

ESPINOSA, Benedictus de. A Ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

HARMAN, Graham. The Quadruple Object. Winchester: Zero Books, 2011.

HARAWAY, Donna. When Species Meet. Minneapolis: Minnesota Press, 2008.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 18, n. 37, p. 25-44, 2012.

KAY, Sarah. Žižek: A critical introduction. Cambridge: Polity Press, 2003.

LATOUR, Bruno. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Editora Relumé Dumará, 1979.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução a teoria do ator rede. Salvador: Edufba, 2012.

LATOUR, Bruno. An inquiry into modes of existence: an anthropology of the moderns. Cambridge: Harvard University Press, 2013.

MASSUMI, Brian. What the animals can teach us about politics. US: Duke University Press, 2014.

MOL, Annemarie; LAW John. Regions, Networks and Fluids: Anaemia and Social Topology. Social Studies of Science, v. 24, n. 4, p. 641-671, nov. 1994. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/030631279402400402#articleCitationDownloadContainer. Acesso em: 10 novembro de 2020.

ŽIŽEK, Slavoj. Enjoy your symptom. UK: Routledge, 1992.

ŽIŽEK, Slavoj. Para ler Lacan. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ŽIŽEK, Slavoj. Organs without bodies: Deleuze and consequences. UK: Routledge, 2016.

Downloads

Publicado

2021-02-10

Edição

Seção

Seção Especial: COVID-19