Da crítica à mídia de massa ao elogio da internet

a proposta comunicacional disruptiva do portal/projeto estudos nacionais

Autores

  • Everton Silva de Sousa UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ / PPG EM POLÍTICAS PÚBLICAS (DOUTORADO)
  • Fabio Gentile UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2021.e78956

Palavras-chave:

Direita, Comunicação alternativa, Comunicação disruptiva, Desinformação, Internet

Resumo

Neste artigo veremos como se fundamenta a proposta comunicacional conservadora de direita do portal Estudos Nacionais e do projeto que engloba a editora homônima. A partir de análise temática de conteúdo feita sobre a produção bibliográfica de Cristian Derosa, que é cofundador, editor-chefe do portal/projeto e um dos principais intelectuais de direita empenhados em denunciar os meios de comunicação de massa (mass media) – incluindo as emissoras de televisão e de rádio, jornais impressos e revistas de circulação nacional – e a suposta estratégia midiática de transformar a sociedade de acordo com “interesses globalistas”, pretendemos elucidar, sem a pretensão de esgotar o assunto, a(s) justificativa(s) da proposta comunicacional da plataforma. Além da crítica à mídia de massa, o elogio à internet aparece como um dos fundamentos da proposta do portal/projeto, o qual, não por acaso, aciona teorias conspiratórias improváveis para justificar sua atuação e relevância diante transformação social operada – supostamente – pela comunicação globalista e/ou do silenciamento imposto a temas e personagens de direita em canais tradicionais.

Biografia do Autor

Everton Silva de Sousa , UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ / PPG EM POLÍTICAS PÚBLICAS (DOUTORADO)

Graduado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Mestre em Políticas Públicas e Sociedade e Doutorando em Políticas Públicas pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Fabio Gentile , UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Possui graduação em Letras Modernas - Universidade L´Orientale de Nápoles (1998), doutorado em filosofia e política - Universidade L'Orientale de Nápoles (2004) e pós-doutorado no Departamento de Ciências Políticas da USP e no Cedec de São Paulo (2009-2012). Entre 2005 e 2009, foi assistente voluntario colaborando com a disciplina Historia Contemporânea do departamento de filosofia e politica da Universidade ?L´Orientale? de Nápoles-Itália. Habilitado no concurso para o ensino da Historia e da Filosofia, deu aula no ensino médio publico italiano entre 2006 e 2009. Atualmente, é professor associado I do departamento de Ciências Sociais da UFC, do qual é também sub-chefe. Foi coordenador do programa de pós graduação em sociologia do referido departamento. É vice coordenador e professor integrante do programa de pós graduação em nível de doutorado em Política Publicas da UECE. Membro da Diretoria da Associação dos Historiadores Latino-Americanos y del Caribe (ADHILAC) - Seção Brasileira, investigador associado da rede Direitas, Historia e Memória, membro da Rede de Estudos dos Fascismos, Autoritarismos, Totalitarismos e Transições para a Democracia (REFAT), Seção brasileira, pesquisador associado do Observatório da Extrema Direita, da Universidade Federal de Juiz de Fora, membro efetivo da Associação Paulista de Relações e Estudos Sindicais (APRES). Colunista de teoria politica pela revista ?A Força de Judas", e criador do Canal Youtube "Pilulas de teoria politica". É membro do corpo editorial da revista History Research e da revista Scirea. Journal of Sociology. Tem experiência na área de História, com ênfase na História Contemporânea, e na área da Ciência Política, com ênfase na teoria política.

Referências

ABRAHANSON, Mark. Social research methods. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1983.

ALLCOTT, Hunt; GENTZKOW, Matthew. Social media na fake news in the 2016 election. Journal of Economic Perspectives, vol. 31 (2), p.211-236, 2017.

AMARAL, Inês; SANTOS, Sofia J. Algoritmos e redes sociais: a propagação de fake news. In: SÍLVIO SANTOS, João Figueira (org.). As fake news e a nova ordem (des)informativa na era da pós-verdade. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2019.

BALDACCI, Emanuele; BUONO, Dario; GRAS, Fabrice. Fake News and Information Asymmetries: Data as Public Good, 2017.

BARBER, Benjamin. Strong democracy: Participatory politics for a new age. Berkeley: University of California Press, 1984.

BARKUN, Michael. A culture of conspiracy: Apocalyptic visions in contemporary America. University of California Press, 2013.

BARNETT, Steven. New Media, Old Problems, New Technology and the Political Process. European Journal of Communication, Londres, v. 12, n. 2, p. 193-218, jun. 1997.

BENNETT, Lance; LIVINGSTON, Steven. The disinformation order: disruptive communication and the decline of democratic institutions. European Journal of Communication, vol. 33 (2), 122-139, 2018.

BERELSON, B. Content analysis in communication research. Glencoe, IL: Free Press, 1952.

BOUNEGRU, Liliana; GRAY, Jonathan; VENTURINI, Tommaso; MAURI, Michele. A Field Guide to Fake news. Public Data Lab, 2017. Disponível em: https://fakenews.publicdatalab.org/. Acesso em: 26 dez. 2020.

BUCHSTEIN, Hubertus. Bytes that Bite: The Internet and deliberative Democracy. Constellations, Londres, v. 4, n. 2, p. 248-263, out. 1997.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: Reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz & Terra, 2010.

CASTELLS, Manuel. Ruptura: A crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2018.

CESARINO, Letícia. Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo digital no Brasil. Internet & Sociedade. n. 1, v. 1. p. 91-120, fev. 2020.

CHEN, Yimin; CONROY, Nadia; RUBIN, Victoria. News in an Online World: The Need for an “Automatic Crap Detector”. Proceedings of the Association for Information Science and Technology Annual Meeting (ASIS & T2015) - St. Louis, EUA, 2015.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

CHRISTOFOLLETI, Rogério. A crise do jornalismo tem solução? Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2019.

COLETTA, Ricardo Della. Chanceler de Bolsonaro: “Deus uniu as ideias de Olavo de Carvalho ao patriotismo do presidente. El País. 28 dez. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/12/27/politica/1545925083_475905.html. Acesso em: 26 dez. 2020.

COSTA, Alexandre. Introdução à Nova Ordem Mundial. Campinas: Vide Editorial, 2015.

CRUZ, Sebastião Velasco e; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2015.

DARNTON, Robert. A verdadeira história das notícias falsas. El País, 01 maio 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/04/28/cultura/1493389536_863123.html. Acesso em: 26 dez. 2020.

DAVIS, Richard. Politics Online: Blogs, Chatrooms and Discussion Groups in American Democracy. London, New York: Routledge, 2005.

DEROSA, Cristian. A transformação social: como a mídia de massa se tornou uma máquina de propaganda. Florianópolis: Estudos Nacionais, 2017.

DEROSA, Cristian. Controle global: Esquerda, globalismo, China e as ameaças reais por trás da pandemia. Florianópolis: Estudos Nacionais, 2020a.

DEROSA, Cristian. Extrema imprensa: Por que os jornais vivem de fake news. Florianópolis: Estudos Nacionais, 2020b.

DEROSA, Cristian. Fake news: Quando os jornais fingem fazer jornalismo. Florianópolis: Estudos Nacionais, 2019.

ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 2006.

ELLISON, Nicole; BOYD, Danah. Sociality through social network sites. In: DUTTON, W. H. (Org.). The Oxford Handbook of Internet Studies. Oxford: Oxford University Press, 2013.

EMPOLI, Giuliano da. Os engenheiros do caos. São Paulo: Vestígio, 2019.

ESTUDOS NACIONAIS. Editora. Disponível em: https://www.estudosnacionais.com/editora2/. Acesso em: 25 nov. 2020.

ESTUDOS NACIONAIS. Página inicial. Disponível em: https://www.estudosnacionais.com/. Acesso em: 25 nov. 2020.

ESTUDOS NACIONAIS. Expediente do Portal. Disponível em: https://www.estudosnacionais.com/quem-somos/. Acesso em: 25 nov. 2020.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2019.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FREY, Klaus. Governança Eletrônica: experiências de cidades européias e algumas lições para países em desenvolvimento. Revista IP – Informática Pública, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 31-48, maio 2001.

GOMES, Wilson. Democracia Digital: que democracia? In: Anais do II Congresso da Compolitica, Belo Horizonte, Brasil, 2007.

GOMES, Wilson. Internet e participação política em sociedades democráticas. Revista da FAMECOS, Porto Alegre, v. 2, n. 27, p. 58-78, ago. 2005.

GRAWITZ, Madeleine. Méthodes des sciences sociales. Paris: Dalloz, p. 669-716, 1986.

KAKABADSE, Andrew; KAKABADSE, Nada; KOUZMIN, Alexander. Reinventing the democratic Governance Project through Information Technology? A Growing Agenda for Debate. Public Administration Review, Malden, v. 63, n. 1, p. 44-60, jan. 2003.

KEEN, Andrew. O culto do amador. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

KEEN, Andrew. Por que as redes sociais estão nos dividindo, diminuindo e desorientando? Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

LEVITSKY, Steven; ZIBLATT, Daniel. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

LINZ, Juan; STEPAN, Alfred. The Breakdown of democratic regimes. Vol 2. Baltimore, London: The Johns Hopkins University Press, 1978.

MAIA, Rousiley. Democracia e a Internet como Esfera Pública Virtual: Aproximação às Condições da Deliberação. In: GOMES, Wilson; MAIA, Rousiley C. M. Comunicação e Democracia – Problemas e Perspectivas. São Paulo: Paulus, p. 277-292, 2008.

McGILLEN, Petra. How the techniques of 19th-century fake news tell us why we fall for it today. Nieman Lab, 11 abr. 2017. Disponível em: https://www.niemanlab.org/2017/04/how-the-techniques-of-19th-century-fake-news-tell-us-why-we-fall-for-it-today/. Acesso em: 23 fev. 2021.

METEORO BRASIL. Tudo o que você desaprendeu para virar um idiota. São Paulo: Planeta Brasil, 2019.

MINAYO, Maria Cecília. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2010.

MOUNK, Yascha. O povo contra a democracia: Por que nossa liberdade corre perigo e como salvá-la. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MIGUEL, Luis Felipe. A reemergência da direita brasileira. In: SOLANO, Esther. O ódio como política: A reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

MITRA, Ananda. Marginal voices in Cyberspace. New media & Society, Londres, v. 3, n. 1, p. 29–48, mar. 2001.

MOREIRA, João Almeida. O olavismo tomou conta da cultura no Brasil. Mas o que é o olavismo? Diário de Notícias, Lisboa, Portugal. 08 dez. 2019. Disponível em: https://www.dn.pt/edicao-do-dia/08-dez-2019/o-olavismo-tomou-conta-da-cultura-no-brasil-mas-o-que-e-o-olavismo-11591056.html. Acesso em: 26 dez. 2020.

MOURA, Maurício; CORBELLINI, Juliano. A eleição disruptiva: por que Bolsonaro venceu. Rio de Janeiro: Record, 2019.

NEWMAN, Nic. Reuters Institute Digital News Report 2017. Reuters Institute of the Study of Jornalism, 2017.

NICOLAU, Jairo. O Brasil dobrou à direita: uma radiografia da eleição de Bolsonaro em 2018. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

NOELLE-NEUMANN, Elisabeth. A espiral do silêncio. Opinião pública: nosso tecido social (tradução, apresentação e notas de Cristian Derosa). Florianópolis – SC: Estudos Nacionais, 2017.

PARISER, Eli. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.

SANTOS, Kassia Nobre dos. Em busca da credibilidade perdida: a rede de investigação jornalística na era das fake news. Belo Horizonte, MG: Letramento, 2019.

ROVER, Aires J. A democracia digital possível. Revista Sequência, Florianópolis, n. 52, p. 85-104, jul. 2006.

SALTER, Lee. Structure and Forms of Use. A contribution to understanding the ‘effects’ of the Internet on deliberative democracy. Information, Communication & Society, Londres, v. 7, n. 2, p. 185–206, jun. 2004.

SAMPAIO, Rafael Cardoso. Participação política e potenciais democráticos na internet. Revista Debates, Porto Alegre, v.4, n.1, p. 29-53, jan.-jun. 2010.

SEIFERT, Jeffrey W.; CHUNG, Jongpil. Using E-Government to Reinforce Government-Citizen Relationships: Comparing Government Reform in the United States and China. Social Science Computer Review, Londres, v. 27, n. 2, p. 3-23, fev. 2009.

SILVEIRA, Sergio Amadeu da. Direita nas redes sociais online. In: CRUZ, Sebastião Velasco e; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, p. 213-230, 2015.

SILVERMAN, David. Interpreting qualitative data: methods for analysing talks, text and interaction. Londres: Sage, 1993.

TATAGIBA, Luciana; TRINDADE, Thiago; TEIXEIRA, Ana Claudia Protestos à direita no Brasil. In: CRUZ, Sebastião Velasco e; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, p. 213-230, 2015.

WALKER, Jesse. The United States of paranoia: A conspiracy theory. New York: Harper, 2013.

WILHELM, Anthony. Democracy in the digital age: challenges to political life in cyberspace. New York: Routledge, 2000.

WOLTON, Dominique. Internet e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2007.

ZAREMBA, Júlia. Guru de Bolsonaro diz que não existem intelectuais de esquerda do seu nível. Folha de S. Paulo, São Paulo. 27 nov. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/11/guru-de-bolsonaro-diz-que-nao-existem-intelectuais-da-esquerda-a-seu-nivel.shtml. Acesso em: 26 dez. 2020.

Publicado

2021-09-29