Nova direita no Brasil

Matrizes teóricas, intelectuais e discursivas

Autores

  • Ivan Henrique de Mattos e Silva Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)
  • Jacques Mick Universidade Federal de Santa Catarina
  • Josnei Di Carlo Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2021.e83850

Palavras-chave:

Nova direita, Bolsonarismo, Intelectuais

Resumo

A emergência e a ascensão recentes de políticos, intelectuais e grupos sociais com ideários autoidentificados como de direita acrescentaram desafios para os cientistas sociais: não só pensar um processo em andamento, quanto refletir sobre o caráter reivindicatório desses atores políticos, que se oferecem como novidade na história política brasileira. Enquanto se definem como uma “nova” direita no Brasil, os pesquisadores procuram delimitar o fenômeno social, para compreendê-lo em suas particularidade e generalidade. Desse modo, o sintagma nova direita contribui para estabelecer um recorte ideológico e temporal para compreendermos esses atores em suas matrizes teóricas, intelectuais e discursivas.

Biografia do Autor

Ivan Henrique de Mattos e Silva, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em 2010. Mestre em Ciência Política pela UFSCar, em 2013. Doutor em Ciência Política pela UFSCar, em 2018. Atualmente, é professor adjunto de Ciência Política nos cursos de Bacharelado em Ciências Sociais e Licenciatura em Sociologia e no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Fronteira (PPGEF) da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

Jacques Mick, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduado em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 1992. Mestre e Doutor em Sociologia Política pela UFSC (1998 e 2004, respectivamente), com pós-doutorado no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (2014). É professor associado do Departamento de Sociologia e Ciência Política da UFSC e docente permanente dos programas de pós-graduação em Jornalismo e em Sociologia e Ciência Política. Foi professor visitante no Instituto de Estudos Políticos (Sciences Po) da Universidade de Grenoble em 2014 e 2017.

Josnei Di Carlo, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), em 2006, com especialização em Ensino de Sociologia, em 2010, na mesma instituição de ensino superior. Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em 2013. Doutor em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 2018.

Referências

ALONSO, Angela. A comunidade moral bolsonarista. In: Democracia em Risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BERLANZA, LUCAS. Guia Bibliográfico da Nova Direita – 39 livros para compreender o fenômeno brasileiro. São Luís: Editora Resistência Cultural, 2017.

BILENKY, Thais. O Twitter como bússola. piauí, Rio de Janeiro, 22 mai. 2019. Disponível em: <https://piaui.folha.uol.com.br/o-twitter-como-bussola>. Acesso em: 09 set. 2021.

BOBBIO, Norberto. Liberalismo e Democracia. São Paulo: Edipro, 2017.

BROWN, Wendy. In the Ruins of Neoliberalism – the Rise of Antidemocratic Politics in the West. Nova Iorque: Columbia University Press, 2019.

BURITY, Joanildo. A onda conservadora na política brasileira traz o fundamentalismo ao poder? In: ALMEIDA, Ronaldo de; TONIOL, Rodrigo (orgs.). Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos – Análises conjunturais. Campinas: Editora da Unicamp, 2018.

CEPÊDA, Vera Alves. A Nova Direita no Brasil: contexto e matrizes conceituais. Mediação, v. 23, n. 2, p. 40-74, 2018.

CESARINO, Letícia. Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal. Revista Andrologia, v. 62, n. 3, p. 530-557, 2019.

CHALOUB, Jorge; PERLATTO, Fernando. Intelectuais da “nova direita” brasileira: ideias, retórica e prática política. Anais do 39º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, 2015.

CODATO, Adriano; BOLOGNESI, Bruno; ROEDER, Karolina. A nova direita brasileira: uma análise da dinâmica partidária e eleitoral do campo conservador. In: VELASCO E CRUZ, Sebastião Carlos et al. (orgs.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2015.

DI CARLO, Josnei. Da educação à doutrinação, da realidade ao simulacro, do bolsonarismo ao totalitarismo. Boletim Lua Nova, 16 mai. 2019. Disponível em:<https://boletimluanova.org/2019/05/16/da-educacao-a-doutrinacao-da-realidade-ao-simulacro-do-bolsonarismo-ao-totalitarismo>. Acesso em: 09 set. 2021.

DI CARLO, Josnei. Matrix bolsonarista para a acumulação sádica do capital. Boletim Lua Nova, 7 out. 2019b. Disponível em:<https://boletimluanova.org/2019/10/07/matrix-bolsonarista-para-a-acumulacao-sadica-do-capital>. Acesso em: 09 set. 2021.

DI CARLO, Josnei; KAMRADT, João. Bolsonaro e a cultura do politicamente incorreto na política brasileira. Teoria e Cultura, v. 13, p. 55-72, 2018.

FERNANDES, Dmitri Cerboncini; VIEIRA, Allana Meirelles. A direita mora do mesmo lado da cidade: especialistas, polemistas e jornalistas. Novos Estudos Cebrap, v. 38, n. 1, p. 157-182, 2019.

FRASER, Nancy. Do neoliberalismo progressista a Trump – e além. Política e Sociedade, v. 17, n. 40, p. 43-64, 2018.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. São Paulo: Círculo do Livro, 1980.

NETTO, Michel Nicolau; CAVALCANTE, Sávio Machado; CHAGURI, Mariana Miggiolaro. O homem médio e o conservadorismo liberal no Brasil contemporâneo: o lugar da família. Anais do 43º Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu, 2019.

PIAIA, Victor; NUNES, Raul. Política, entretenimento e polêmica: Bolsonaro nos programas de auditório. IESP nas Eleições, Rio de Janeiro, 8 ago. 2018. Disponível em: <http://18.218.105.245/politica-entretenimento-e-polemica-bolsonaro-nos-programas-de-auditorio>. Acesso em: 09 set. 2021.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. Amanhã vai ser maior – o que aconteceu com o Brasil e possíveis rotas de fuga para a crise atual. São Paulo: Editora Planeta, 2019.

ROCHA, Camila. (2018), “Menos Marx, mais Mises”: uma gênese da nova direita brasileira (2006-2018). 2018. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ROCHA, João Cezar de Castro. Guerra cultural e retórica do ódio: crônicas de um Brasil pós-político. Goiânia: Editora e Livraria Caminhos, 2021.

ROEDER, Karolina. Existe uma nova direita no Brasil? Uma proposta de classificação e análise de seu perfil social. Anais do 10º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Belo Horizonte, 2016.

SALLUM JR., Brasílio. O Brasil sob Cardoso: neoliberalismo e desenvolvimentismo. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, v. 11, n. 2, p. 23-47, 1999.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. A imaginação política brasileira: cinco ensaios de história intelectual. Rio de Janeiro: Revan, 2017.

SILVA, Ivan Henrique de Mattos e. “Liberal na economia e conservador nos costumes”: uma totalidade dialética. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 36, n. 107, p. 1-19, 2021.

SOLANO, Esther. Apresentação. In: SOLANO, Esther (org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 2018.

TEITELBAUM, Benjamin. Daniel Friberg and Metapolitics in Action. In: SEDGWICK, Mark (org.). Key Thinkers of the Radical Right – Behind the New Threat to Liberal Democracy. Nova Iorque: Oxford University Press, 2019.

TEITELBAUM, Benjamin. War for Eternity – Inside Bannon’s far-right circle of global power brokers. Nova Iorque: Dey Street Brooks, 2020.

VOZA, Pasquale. Intelectuais. In: LIGORI, Guido; VOZA, Pasquale (orgs.). Dicionário gramsciano. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.

WEBER, Max. A objetividade do conhecimento na ciência social e na ciência política. In: WEBER, Max. Metodologia das Ciências Sociais, vol. 1. 5ª edição, São Paulo: Editora da Unicamp, 1992.

Publicado

2021-09-29