Navegação fluvial a vapor em Santa Catarina e o desempenho da Companhia de Navegação Fluvial a Vapor Itajahy-Blumenau

Autores

  • Alcides Goularti Filho UNESC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2009v16n21p159

Palavras-chave:

Transporte Fluvial, Navegação, Comunicações, Integração Econômica, Santa Catarina

Resumo

O objetivo deste texto é descrever e analisar o desempenho da navegação fluvial em Santa Catarina do último quartel do século XIX até meados do XX. Além de um breve panorama sobre a navegação fluvial brasileira, o texto destaca a navegação no Rio Itajaí-Açu, por meio da Companhia de Navegação Fluvial a Vapor Itajahy-Blumenau (1878-1954). No período analisado, Santa Catarina apresentava uma especialização regional e uma fragmentação econômica, que refletia nas vias de comunicação e nos meios de transporte, gerando um sistema desarticulado, que, de certa forma, atrasou a integração regional catarinense. A Companhia de Navegação Fluvial a Vapor Itajahy-Blumenau foi fundada em 1878 e fazia o trajeto entre a colônia de Blumenau e o porto de Itajaí. Em 1909, a Companhia foi incorporada pela Estrada de Ferro Santa Catarina, que realizava o transporte conjugado das colônias do interior (via férrea) ao litoral (via fluvial). Em 1919, a Companhia de Navegação e a Estrada de Ferro foram encampadas pela União e repassadas ao governo estadual. Nos anos de 1930, ambas passaram a apresentar resultados deficitários, e a navegação foi sendo aos poucos menos utilizada e com a extensão da linha ferroviária de Blumenau a Itajaí, inaugurada em 1954, a navegação foi desativada por completo. Mesmo sendo deficitária, a navegação pelo Rio Itajaí-Açú foi fundamental para integrar Blumenau a outras praças comerciais mais importantes.

Biografia do Autor

Alcides Goularti Filho, UNESC

Doutor em Economia (UNICAMP)

Downloads

Publicado

2009-03-29

Edição

Seção

Artigo